Covid-19 e apocalipse: as mensagens de esperança para superar o caos

Textos antigos encorajavam esperança e resistência quando falavam do fim dos tempos

Xilogravura de Julius Schnorr von Carolsfeld (1794–1872) para a visão de João Evangelista que deu origem ao Livro do Apocalipse, no Novo Testamento. Os textos apocalípticos antigos falavam de tempos de catástrofes e sofrimento sucedidos por uma nova ordem, à qual as pessoas chegariam mantendo-se esperançosas e pacientes. Crédito: Wikimedia

Com ruas desertas, hospitais cheios e necrotérios lutando para lidar com o número de corpos, não é de surpreender que algumas pessoas estejam fazendo comparações com o apocalipse.

A ideia de um apocalipse, um tempo de sofrimento catastrófico, existe há milhares de anos.

Embora as coisas parecessem sombrias durante os tempos de crise antigos, minha pesquisa sobre a visão antiga de apocalipse e sua longa história sugerem que cultivar a esperança em tempos de caos era essencial.

LEIA TAMBÉM: Pandemias: o que a literatura do mundo nos ensina sobre elas

Apocalipse antigo

O termo apocaliptismo vem da palavra grega “apokalypsis”, que significa “revelador” ou “revelação”. Os estudiosos definem o apocaliptismo como um movimento social e religioso que vê o mundo em termos severos, como visões dramáticas que revelam uma batalha entre o bem e o mal e um dia de julgamento que se aproxima.

Em termos mais gerais, o apocaliptismo explicava a causa de uma crise e como as pessoas deveriam responder a ela. O futuro, na maioria das formas de pensamento apocalíptico, significava uma mudança cataclísmica iminente: um novo reino, uma nova ordem mundial.

Ideias apocalípticas são um tema importante na Bíblia. O livro bíblico do Apocalipse, por exemplo, foi escrito durante um período de revolta política, quando os cristãos estavam sendo perseguidos.

Suas visões dramáticas incluíam a “mulher sentada em uma fera escarlate… com sete cabeças e dez chifres”. Essa visão, que provavelmente aludia à tirania das autoridades políticas imperiais, foi paradoxalmente uma fonte de inspiração para os primeiros cristãos, porque deu voz ao sofrimento deles.

Mas muito antes de o Livro do Apocalipse ser escrito, o pensamento apocalíptico se enraizou no judaísmo antigo, em tempos de instabilidade política significativa, opressão violenta e devastação social.

O Livro de Daniel reflete uma dessas crises: partes desse livro foram escritas em resposta à conquista de Jerusalém por um rei selêucida chamado Antíoco Epífanes. Antíoco profanou o templo sagrado judaico em Jerusalém no século 2 a.C., estabelecendo um altar ao deus Zeus dentro dos arredores do templo.

Reino eterno

O livro aborda o sofrimento do povo, lembra a história da violência e retrata essa história com visões aterrorizantes. Mas também fala de um próximo dia de julgamento que será seguido por um novo reino – um reino que é eterno e contrasta com a opressão dos tempos antigos.

Os Manuscritos do Mar Morto, datados do período imediatamente posterior aos escritos apocalípticos do Livro de Daniel, falavam em batalhas terríveis iminentes entre o bem e o mal.

Muito do que os estudiosos sabem sobre a comunidade judaica que escreveu e preservou os Manuscritos do Mar Morto fala a um povo no meio do que parecia ser o fim dos tempos.

As origens do cristianismo estão nas primeiras visões de mundo apocalípticas judaicas: João Batista, Jesus e o apóstolo Paulo pareciam ter visões de mundo apocalípticas e pregaram mensagens sobre o iminente fim dos tempos.

Com ênfase em um próximo dia de julgamento, geralmente acompanhado por transformações dramáticas e destrutivas, o apocaliptismo parece pessimista. Certamente fala de circunstâncias terríveis, bem como de medo e sofrimento.

Esperança apocalíptica

Mas há uma característica importante do apocaliptismo que geralmente é esquecida e ajuda a explicar por que ele continua ressurgindo ao longo da história e em nossos próprios tempos.

De maneiras poderosas e importantes, o apocaliptismo se referia à esperança. A palavra grega antiga para esperança (elpis) ilumina o quão intimamente o medo e a esperança estavam associados no mundo antigo: Elpis se referia à antecipação ou expectativa de um futuro bom e seguro, mas também se referia ao medo do desconhecido.

O apocaliptismo cultivou um senso de significado e encorajamento em circunstâncias terríveis. Procurou entender o sofrimento e previu o fim dele. Ao fazer isso, deu esperança às pessoas. Acima de tudo, o pensamento apocalíptico uniu as pessoas em tempos incertos e desafiadores.

Paulo escreveu que o dia do julgamento chegaria “como um ladrão durante a noite” e incentivou seus seguidores a ter “firmeza de esperança” no meio da crise. O Livro do Apocalipse fala repetidamente sobre “resistência paciente” e exige amor e fé durante os tempos de perseguição e opressão.

O Livro de Daniel escreve poeticamente sobre aqueles que “brilharão como as estrelas do céu, como um brilho que nunca se apagará” no tempo após o apocalipse. Outros textos apocalípticos, como os Oráculos Sibilinos, descrevem poeticamente uma luz que se aproxima, uma “vida sem cuidado” e uma época em que a “terra pertencerá igualmente a todos”.

É essa qualidade de esperança e resistência que pode ser mais importante para o nosso tempo.

 

* Kim Haines-Eitzen é professora de cristianismo primitivo da Universidade Cornell (EUA)

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.