• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência11/12/2021

Covid-19 e desinformação: Índia, EUA e Brasil lideram

Crédito: Pixabay/CC0 Public Domain

11/12/21 - 12h05min - Atualizado em 11/12/21 - 08h18min

A Índia é o principal centro mundial de desinformação sobre a covid-19, responsável por cerca de uma em cada seis peças da produção global, de acordo com Sayeed Al-Zaman, mestrando da Universidade de Alberta (Canadá) que estuda mídia mundial. Logo atrás da Índia estão os EUA, Brasil e Espanha, disse Al-Zaman, do Departamento de Estudos de Mídia e Tecnologia da Universidade de Alberta. E quanto maior a prevalência de desinformação, maior a taxa de mortalidade de covid-19 na maioria dos países que ele examinou.

Em seu estudo, publicado na revista IFLA Journal, da Federação Internacional de Associações e Instituições de Bibliotecas, Al-Zaman analisou 9.657 peças de desinformação sobre covid-19 originadas em 138 países entre janeiro de 2020 e março de 2021.

Os dados foram compilados pelo Poynter Institute for Media Studies da Flórida (organização sem fins lucrativos que visa reduzir a prevalência de desinformação em todo o mundo) e verificados por 94 organizações.

Propriedades magnéticas

Os resultados mostram que a Índia teve a maior prevalência de desinformação em cerca de 16% do total – incluindo histórias sobre o coronavírus gerando propriedades magnéticas no corpo humano e afirmações de que o suco de limão pode matar o vírus quando enfiado no nariz.

Os Estados Unidos vêm em seguida com 10%, o Brasil com 9% e a Espanha com 8%. O Canadá ficou em 26º lugar, com pouco menos de 1%.

“Fiquei muito surpreso ao ver os EUA ao lado da Índia”, disse Al-Zaman. “Os Estados Unidos têm tecnologias de comunicação mais sofisticadas, maior índice de educação e maior alfabetização midiática.”

Ambos os países – juntamente com Brasil, Espanha, França, Turquia, Colômbia, Argentina, Itália e México – também viram uma correlação entre a desinformação da covid-19 e as taxas de mortalidade.

“A desinformação surgiu antes ou durante o aumento da taxa de infecção e mortalidade”, disse ele. “Em março de 2020, Índia, Estados Unidos, Brasil e Espanha estavam experimentando um aumento gradual nos casos de covid-19 junto com a desinformação da doença. Por outro lado, antes de setembro de 2020, a Geórgia tinha quase nenhum ou poucos casos de covid-19, junto com uma desinformação limitada.”

Proliferação online

A mídia social foi responsável pela maior quantidade de desinformação da covid-19, com 85% da produção total, e a internet como um todo gerou pouco mais de 90%. O Facebook sozinho produziu 67% da desinformação entre todas as plataformas de mídia social.

A mídia convencional foi responsável pela menor parcela de desinformação: pouco mais de 3%, acrescentou ele.

A Índia produziu a maior quantidade de desinformação de mídia social, “talvez graças à maior taxa de penetração da internet no país, aumentando o consumo de mídia social e a falta de alfabetização dos usuários na internet”, disse Al-Zaman.

Em geral, os países asiáticos e africanos apresentam uma prevalência mais baixa de desinformação, enquanto o Sul da Ásia e as Américas do Norte e do Sul apresentam uma prevalência mais elevada.

E, no entanto, apesar de sua maior prevalência em alguns países, a desinformação sobre a covid-19 não está concentrada em áreas geográficas específicas, mas sim dispersa ao redor do globo, disse Al-Zaman. Ele acrescentou que essa desinformação atingiu seu pico em março de 2020, caindo gradualmente em meses.

“Poluição da informação”

De acordo com Al-Zaman, seu estudo analisa a maior quantidade de desinformação relativamente à covid-19 do maior número de países e fontes até o momento. O trabalho foi citado amplamente na mídia, incluindo The Times, no Reino Unido, e The Times of India.

“As pessoas que trabalham com desinformação geralmente se concentram em um país específico, não no contexto global ou em como outros países estão lidando com isso”, disse ele.

“Precisamos entender como a mídia social é usada em outras culturas e em diferentes situações políticas”, disse o consultor da tese de Al-Zaman, o especialista em computação em ciências humanas Geoffrey Rockwell. “Sayeed traz uma nova perspectiva para a compreensão de nossa própria situação, que muitas vezes somos tentados a pensar que é tudo o que está acontecendo.”

O estudo de Al-Zaman é um dos vários artigos que ele publicou nos últimos anos sobre o que chama de “diferentes aspectos da poluição da informação, como sobrecarga de informação, desinformação e informação enganosa”.

Nascido em Bangladesh, ele concentrou grande parte de suas pesquisas no Sul da Ásia. Sua tese de mestrado, parte da qual foi publicada na revista Heliyon, examina a desinformação religiosa em Bangladesh.

Naquele país – como na Índia e no Paquistão –, a desinformação religiosa nas redes sociais costuma levar diretamente à “violência offline e ataques macabros contra as minorias”, disse ele.

E enquanto cerca de 64% dos consumidores em todo o mundo aceitam a desinformação que encontram nas redes sociais sem qualquer hesitação ou dúvida, eles acreditam na desinformação religiosa mais do que qualquer outro tipo, disse Al-Zaman.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Argentina