Covid-19: os 5 piores líderes do mundo no combate à pandemia

Ações, omissões ou as duas coisas juntas caracterizam o desempenho de presidentes e primeiros-ministros que têm se destacado negativamente ao lidar com a covid-19

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi em encontro em Nova Délhi no início de 2020: notas baixas no combate à covid-19. Crédito: Alan Santos/PR/Wikimedia Commons

A covid-19 é notoriamente difícil de controlar e os líderes políticos são apenas parte do cálculo quando se trata de gerenciamento de pandemia. Mas alguns líderes mundiais atuais e anteriores têm feito poucos esforços para combater os surtos em seu país, seja minimizando a gravidade da pandemia, desconsiderando a ciência ou ignorando intervenções críticas de saúde, como distanciamento social e máscaras. Todos os homens nesta lista cometeram pelo menos um desses erros, e alguns cometeram todos eles – com consequências mortais.

Modi em videoconferência com seus ministros em junho de 2020: com a doença ainda fora de controle, ele liberou manifestações em campanhas políticas e um festival religioso que mobiliza milhões de pessoas entre janeiro e março. Crédito: Prime Minister’s Office/Wikimedia Commons
Narendra Modi, Índia

Sumit Ganguly, Universidade de Indiana

A Índia é o novo epicentro da pandemia global, registrando cerca de 400 mil novos casos por dia em maio de 2021. Por mais sombria que seja, essa estatística falha em capturar o horror absoluto que se desenrola ali. Os pacientes da covid-19 estão morrendo em hospitais porque os médicos não têm oxigênio para administrar e nenhum medicamento que salva vidas como o remdesivir. Os doentes são rejeitados em clínicas que não têm leitos gratuitos.

Muitos indianos culpam um homem pela tragédia do país: o primeiro-ministro Narendra Modi.

Em janeiro de 2021, Modi declarou em um fórum global que a Índia “salvou a humanidade… ao conter o coronavírus de forma eficaz”. Em março, seu ministro da Saúde proclamou que a pandemia estava chegando ao “fim do jogo”. A covid-19 estava ganhando força na Índia e em todo o mundo – mas seu governo não fez preparativos para possíveis contingências, como o surgimento de uma variante da covid-19 mais mortal e contagiosa.

Mesmo com bolsões significativos do país não tendo suprimido totalmente o vírus, Modi e outros membros de seu partido realizaram massivas manifestações de campanha ao ar livre antes das eleições de abril. Poucos participantes usavam máscaras. Modi também permitiu que um festival religioso que atrai milhões de pessoas ocorresse de janeiro a março. As autoridades de saúde pública agora acreditam que o festival pode ter sido um evento superpropagador e foi “um erro enorme”.

Enquanto Modi elogiava seus sucessos no ano passado, a Índia – o maior fabricante mundial de vacinas – enviou mais de 10 milhões de doses de vacinas aos países vizinhos. Mesmo assim, apenas 1,9% dos 1,3 bilhão de indianos foram totalmente vacinados contra a covid-19 no início de maio.

Bolsonaro em pronunciamento oficial sobre a covid-19 em março de 2020: presidente brasileiro fomentou um falso dilema entre catástrofe econômica e distanciamento social. Crédito: TV BrasilGov/Wikimedia Commons
Jair Bolsonaro, Brasil

Elize Massard da Fonseca, Fundação Getulio Vargas, e Scott L. Greer, Universidade de Michigan

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro não apenas deixou de responder à covid-19 – que ele classifica como uma “gripezinha”: ele agravou ativamente a crise no Brasil.

Bolsonaro utilizou seus poderes constitucionais para interferir nas questões administrativas do Ministério da Saúde, como protocolos clínicos, divulgação de dados e aquisição de vacinas. Ele vetou a legislação que obrigaria o uso de máscaras em locais religiosos e compensaria os profissionais de saúde permanentemente prejudicados pela pandemia, por exemplo. E ele obstruiu os esforços de governos estaduais para promover o distanciamento social e usou seu poder de decreto para permitir que muitos negócios permanecessem abertos como “essenciais”, incluindo spas e academias. Bolsonaro também promoveu agressivamente medicamentos não comprovados, principalmente hidroxicloroquina, para tratar pacientes com covid-19.

Bolsonaro usou seu perfil público como presidente para moldar o debate em torno da crise do coronavírus, fomentando um falso dilema entre catástrofe econômica e distanciamento social e deturpando a ciência. Ele culpou os governos estaduais brasileiros, a China e a Organização Mundial da Saúde pela crise da covid-19 e nunca se responsabilizou por administrar o surto em seu próprio país.

Em dezembro, Bolsonaro declarou que não tomaria a vacina por causa dos efeitos colaterais. “Se você se transformar em um jacaré, o problema é seu”, disse ele.

A má gestão da pandemia de Bolsonaro criou conflito dentro de seu governo. O Brasil passou por quatro ministros da Saúde em menos de um ano. O surto descontrolado no Brasil deu origem a várias novas variantes do coronavírus, incluindo a variante P.1, que parece mais contagiosa. A taxa de transmissão de covid-19 do Brasil está finalmente começando a cair, mas a situação ainda é preocupante.

Alexander Lukashenko, presidente bielorrusso, encontra Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA no governo Trump, em fevereiro de 2020: o governante europeu recomendou vodca para os contaminados pela covid-19. Crédito: U.S. Department of State/Wikimedia Commons
Alexander Lukashenko, Bielorrússia

Elizabeth J. King e Scott L. Greer, Universidade de Michigan

Muitos países ao redor do mundo responderam à covid-19 com políticas tragicamente inadequadas. No entanto, argumentamos que os piores líderes da pandemia são aqueles poucos que escolheram a negação total em vez da ação ineficaz.

Alexander Lukashenko, o líder autoritário de longa data da Bielorrússia (Belarus), nunca reconheceu a ameaça da covid-19. No início da pandemia, enquanto outros países estavam impondo bloqueios, Lukashenko optou por não implementar quaisquer medidas restritivas para evitar a disseminação da covid-19. Em vez disso, ele afirmou que o vírus poderia ser evitado bebendo vodca, visitando a sauna e trabalhando no campo. Essa negação deixou essencialmente medidas preventivas e ajuda pandêmica para os indivíduos e campanhas de crowdfunding (vaquinhas virtuais).

Durante o verão de 2020, Lukashenko afirmou que havia sido diagnosticado com covid-19, mas que era assintomático, o que lhe permitiu continuar insistindo que o vírus não era uma ameaça séria. Supostamente, frustrar a doença e visitar os hospitais de covid-19 sem máscara também reforçou sua imagem desejada de um homem forte.

A Bielorrúsia acaba de iniciar os esforços de vacinação, mas Lukashenko diz que não será vacinado. Atualmente, menos de 3% dos bielorrussos são vacinados contra a covid-19.

Trump em comício para as eleições, em outubro de 2020: desinformação e retórica anticientífica no trato com a covid-19. Crédito: Gage Skidmore/Wikimedia Commons
Donald Trump, Estados Unidos

Dorothy Chin, Universidade da Califórnia, Los Angeles

Trump está fora do cargo, mas seu tratamento incorreto da pandemia continua a ter consequências devastadoras a longo prazo nos Estados Unidos – particularmente na saúde e no bem-estar das comunidades negras.

A negação inicial de Trump da pandemia, a propagação ativa de desinformação sobre o uso de máscaras e tratamentos e a liderança incoerente prejudicou o país como um todo – mas o resultado foi muito pior para alguns grupos do que para outros. Comunidades de cor sofreram doenças e mortes desproporcionais. Embora os afro-americanos e latinos representem apenas 31% da população dos EUA, por exemplo, eles respondem por mais de 55% dos casos de covid-19. Os indígenas americanos foram hospitalizados 3,5 vezes mais e sofreram 2,4 vezes a taxa de mortalidade dos brancos.

As taxas de desemprego também são desproporcionais. Durante o pior da pandemia nos EUA, eles dispararam para 17,6% para os latino-americanos, 16,8% para os afro-americanos e 15% para os asiático-americanos, em comparação com 12,4% para os americanos brancos.

Essas lacunas esmagadoras ampliaram as desigualdades existentes, como pobreza, instabilidade habitacional e qualidade da escolaridade – e provavelmente continuarão a acontecer por algum tempo. Por exemplo, embora a economia geral dos EUA mostre sinais de recuperação, os grupos minoritários não tiveram um progresso equivalente.

Finalmente, a culpa de Trump à China pela covid-19 – que incluía epítetos raciais como chamar o vírus de “kung flu” – imediatamente precedeu um aumento quase duas vezes maior nos ataques a asiático-americanos e de origem em ilhas do Pacífico no ano passado. Essa tendência preocupante não mostra sinais de enfraquecimento.

A administração Trump apoiou o desenvolvimento inicial da vacina no país, uma conquista que poucos líderes mundiais podem reivindicar. Mas a desinformação e a retórica anticientífica que ele transmitiu continuam a comprometer o caminho dos EUA para fora da pandemia. As últimas pesquisas sugerem que 24% de todos os americanos e 41% dos republicanos dizem que não serão vacinados.

López Obrador com Trump, em encontro na Casa Branca em julho de 2020: minimização da gravidade da covid-19 no México. Crédito: Casa Branca
Andrés Manuel López Obrador, México

Salvador Vázquez del Mercado, Centro de Investigación y Docencia Económicas

Com 9,2% de seus pacientes de covid-19 morrendo da doença, o México tem a maior taxa de letalidade do mundo. Estimativas recentes mostram que provavelmente sofreu 617 mil mortes – no mesmo nível dos Estados Unidos e da Índia, ambos os países com populações muito maiores.

Uma combinação de fatores contribuiu para os prolongados e extremos surtos de covid-19 no México. E uma liderança nacional inadequada era uma delas.

Durante a pandemia, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador procurou minimizar a gravidade da situação no México. No início, ele resistiu aos apelos para decretar um bloqueio nacional e continuou realizando comícios em todo o país antes de, em 23 de março de 2020, o México fechar por dois meses. Ele frequentemente se recusava a usar máscara.

Tendo herdado uma colcha de retalhos subfinanciada de serviços de saúde quando assumiu o cargo em 2018, López Obrador aumentou apenas ligeiramente os gastos com saúde durante a pandemia. Os especialistas afirmam que os orçamentos dos hospitais são insuficientes para a enorme tarefa que enfrentam.

Mesmo antes do início da pandemia, a política de extrema austeridade fiscal de López Obrador – em vigor desde 2018 – tornou o combate à crise de saúde muito mais difícil, ao limitar significativamente a ajuda financeira relacionada à covid-19 disponível para cidadãos e empresas. Isso, por sua vez, agravou o choque econômico causado pela pandemia no México, alimentando a necessidade de manter a economia aberta durante todo o ano passado, bem na feroz segunda onda de inverno, da qual o México está apenas começando a emergir.

Posteriormente, outro bloqueio tornou-se inevitável. O México fechou de novo brevemente em dezembro de 2020.

Hoje, o uso de máscaras aumentou e o México vacinou totalmente 10% de sua população, em comparação com 1% na vizinha Guatemala. As coisas estão melhorando, mas o caminho do México para a recuperação é longo.

* Sumit Ganguly é professor de Ciência Política e catedrático em Culturas e Civilizações Indígenas na Universidade de Indiana (EUA); Dorothy Chin é psicóloga pesquisadora associada na Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA); Elizabeth J. King é professor associada de Comportamento para a Saúde e Educação para a Saúde na Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan (EUA); Elize Massard da Fonseca é professora assistente na Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas na Fundação Getulio Vargas (Brasil); Salvador Vázquez del Mercado é professor de Pesquisa Conacyt no Laboratório Nacional de Políticas Públicas, Centro de Investigación y Docencia Económicas (México); Scott L. Greer é professor de Gestão de Saúde Global e Política e Ciência Política na Universidade de Michigan (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago