Covid-19: restaurantes são principal foco de infecções nos EUA

Infecções nesses estabelecimentos são cerca de quatro vezes mais frequentes que nos vice-líderes academias de ginástica e cafeterias

Restaurante nos EUA: quatro vezes mais risco de contaminação do que em cafeterias e academias de ginástica. Crédito: Ted Eytan

Um estudo baseado em dados de localização de telefones celulares de 98 milhões de pessoas morando em 10 grandes áreas metropolitanas dos Estados Unidos indica que a maioria das infecções pelo novo coronavírus registradas entre março e maio deste ano aconteceu em restaurantes dessas cidades.

A equipe do cientista da computação Jure Leskovec, da Universidade Stanford (EUA), utilizou esses dados para criar um modelo epidemiológico de como a população se desloca e espalha a doença pela cidade que previu corretamente o número de casos de covid-19 registrados em Chicago, Illinois, no mês de maio (“Nature”, 10 de novembro).

Em entrevista coletiva, Leskovec afirmou que infecções em restaurantes são cerca de quatro vezes mais frequentes do que em academias de ginástica e em cafeterias. Estas últimas são os locais com o segundo maior risco de infecção, seguidos pelos hotéis.

Previsões do modelo sugerem que limitar a lotação de restaurantes e outros locais de alto risco para 20% de sua capacidade poderia ter reduzido o número de casos de infecção em 80%.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança