Covid-19 revela como obesidade prejudica o corpo em tempo real

A obesidade é um problema de saúde tão sério que deveria ser considerado o inimigo público número 1, considera a médica Cate Varney, da Universidade da Virginia

Obesidade: um dos mais fortes indicadores de covid-19 e de pelo menos 236 outras condições médicas. Crédito: Pikrepo

A pandemia de covid-19 empurrou a epidemia de obesidade mais uma vez para o centro das atenções, revelando que a obesidade não é mais uma doença que prejudica apenas a longo prazo, mas uma que pode ter efeitos devastadores agudamente. Novos estudos e informações confirmam a suspeita dos médicos de que esse vírus se aproveita de uma doença que o atual sistema de saúde dos Estados Unidos não consegue controlar.

Nas notícias mais recentes, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) relatam que 73% dos enfermeiros hospitalizados pela covid-19 tinham obesidade. Além disso, um estudo recente descobriu que a obesidade pode interferir na eficácia de uma vacina contra a covid-19.

Sou uma especialista em obesidade e médica clínica que trabalha na linha de frente da obesidade na atenção primária no Sistema de Saúde da Universidade da Virginia. No passado, muitas vezes me peguei alertando meus pacientes que a obesidade poderia tirar anos de suas vidas. Agora, mais do que nunca, esse aviso se tornou verificável.

LEIA TAMBÉM:

Mais danos do que se acreditava

Inicialmente, os médicos acreditavam que ter obesidade aumentava apenas o risco de ficar mais doente com a covid-19, e não a chance de ser infectado. Agora, análises mais recentes mostram que não apenas a obesidade aumenta o risco de ficar mais doente e morrer por causa da covid-19; a obesidade aumenta o risco de se infectar em primeiro lugar.

Em março de 2020, estudos observacionais observaram hipertensão, diabetes e doença arterial coronariana como as outras condições mais comuns – ou comorbidades – em pacientes com covid-19 mais grave. Mas foram os editores do jornal “Obesity” que deram o primeiro alarme em 1º de abril de 2020 de que a obesidade provavelmente provaria ser um fator de risco independente para efeitos mais graves da infecção por covid-19.

Além disso, dois estudos incluindo quase 10 mil pacientes mostraram que os pacientes com covid-19 e obesidade têm um risco maior de morte nos dias 21 e 45 em comparação com pacientes com índice de massa corporal (IMC) normal.

E um estudo publicado em setembro de 2020 relatou taxas mais altas de obesidade em pacientes com covid-19 que estão gravemente enfermos e precisam de entubação.

É cada vez mais evidente, a partir desses estudos e de outros, que as pessoas com obesidade enfrentam um perigo claro e presente.

Estigma e falta de compreensão

A obesidade é uma doença interessante. É um assunto sobre o qual muitos médicos falam, muitas vezes frustrados por seus pacientes não poderem prevenir ou reverter isso com o plano de tratamento simplificado que nos ensinaram em nosso treinamento inicial: “Coma menos e faça mais exercícios”.

Também é uma doença que causa problemas físicos, como apneia do sono e dores nas articulações. Ele também afeta a mente e o espírito devido ao preconceito da sociedade e dos profissionais médicos contra pessoas com obesidade. Pode até afetar negativamente o tamanho do seu salário. Você pode imaginar o clamor se a manchete fosse “Pacientes com pressão alta ganham menos”?

Nós, médicos e pesquisadores, já sabemos há algum tempo as consequências no longo prazo do excesso de peso e da obesidade. Atualmente reconhecemos que a obesidade está associada a pelo menos 236 diagnósticos médicos, incluindo 13 tipos de câncer. A obesidade pode diminuir a expectativa de vida em até oito anos.

Apesar de saberem disso, os médicos americanos não estão preparados para prevenir e reverter a obesidade. Em uma pesquisa publicada recentemente, apenas 10% dos reitores de faculdades de medicina e especialistas em currículos acham que seus alunos estão “muito preparados” em relação ao controle da obesidade. Metade das faculdades de medicina respondeu que expandir a educação sobre obesidade era uma prioridade baixa ou não. Uma média de 10 horas no total foi relatada como dedicada à educação sobre obesidade durante todo o treinamento na faculdade de medicina.

E os médicos às vezes não sabem como ou quando prescrever medicamentos para pacientes com obesidade. Por exemplo, oito medicamentos para perda de peso aprovados pela FDA [a agência americana que regula remédios e alimentos – N. da R.] estão no mercado, mas apenas 2% dos pacientes elegíveis recebem prescrições para eles de seus médicos.

O que se passa no corpo

Então, aqui estamos nós, com uma colisão da epidemia de obesidade com a pandemia de covid-19. E uma pergunta que pacientes me fazem cada vez mais: como a obesidade cria doenças e complicações mais graves da infecção por covid-19?

Existem muitas respostas; vamos começar com a estrutura.

O excesso de tecido adiposo, que armazena gordura, cria uma compressão mecânica em pacientes com obesidade. Isso limita sua capacidade de inspirar e liberar completamente uma respiração completa.

A respiração exige mais trabalho em um paciente com obesidade. Isso cria doença pulmonar restritiva e, nos casos mais graves, leva à síndrome de hipoventilação, que pode fazer com que uma pessoa tenha muito pouco oxigênio no sangue.

E existe a função. A obesidade resulta em um excesso de tecido adiposo, ou o que chamamos coloquialmente de “gordura”. Ao longo dos anos, os cientistas aprenderam que o tecido adiposo é prejudicial por si mesmo. Pode-se dizer que o tecido adiposo atua como um órgão endócrino por si só. Ele libera vários hormônios e moléculas que levam a um estado crônico de inflamação em pacientes com obesidade.

Liberação de citocinas: essas proteínas que combatem infecções no corpo podem ser tornar prejudiciais em casos mais graves de covid-19. Crédito: www.scientificanimations.com/Wikimedia
Dois incêndios de citocinas

Quando o corpo está em um estado constante de inflamação de baixo grau, ele libera citocinas, proteínas que combatem a inflamação. Elas mantêm o corpo em guarda, fervendo e pronto para lutar contra doenças. Isso é muito bom quando elas são controladas por outros sistemas e células. Quando são liberadas cronicamente, no entanto, pode ocorrer um desequilíbrio que causa lesões no corpo. Pense nisso como um pequeno incêndio, mas contido. É perigoso, mas não está queimando a floresta inteira.

A covid-19 faz com que o corpo crie outro incêndio de citocinas. Quando uma pessoa obesa tem covid-19, dois pequenos incêndios florestais de citocinas se juntam, levando ao fogo violento da inflamação que danifica os pulmões ainda mais do que pacientes com IMC normal.

Além disso, esse estado crônico de inflamação pode levar a algo chamado disfunção endotelial. Nessa condição, em vez de se abrirem, os vasos sanguíneos se fecham e se contraem, diminuindo ainda mais o oxigênio para os tecidos.

Além disso, o tecido adiposo aumentado pode ter mais ACE-2, a enzima que permite ao coronavírus invadir as células e começar a danificá-las. Um estudo recente mostrou uma associação de aumento de ACE-2 no tecido adiposo em vez do tecido pulmonar. Essa descoberta fortalece ainda mais a hipótese de que a obesidade desempenha um papel importante nas infecções mais graves por covid-19. Então, em teoria, se você tiver mais tecido adiposo, o vírus pode se ligar e invadir mais células, causando cargas virais maiores que permanecem por mais tempo, o que pode tornar a infecção mais grave e prolongar a recuperação.

Utilidade prejudicada

A ACE-2 pode ser útil no combate à inflamação, mas se de alguma outra forma se ligar à covid-19, não pode ajudar nisso.

O novo vírus SARS-CoV-2, da covid-19, forçou a profissão médica a enfrentar a realidade que muitos médicos americanos conhecem por natureza. Quando se trata de prevenção de doenças crônicas como a obesidade, o sistema de saúde dos EUA não está apresentando um bom desempenho. Muitas seguradoras recompensam os médicos atendendo aos parâmetros de tratamento dos efeitos da obesidade, em vez de preveni-la ou tratar a própria doença. Os médicos são reembolsados, por exemplo, por ajudar os pacientes com diabetes tipo 2 a atingir um determinado nível de A1C no teste de hemoglobina glicada ou uma meta de pressão arterial definida.

Acredito que é hora de educar os médicos e fornecer-lhes recursos para combater a obesidade. Os médicos não podem mais negar que a obesidade, um dos mais fortes indicadores de covid-19 e de pelo menos 236 outras condições médicas, deve se tornar o inimigo público número um.

 

* Cate Varney é médica clínica na Universidade da Virginia.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança