Covid-19: tratamento com anticorpos monoclonais reduz internação

Dos casos analisados, o número dos que precisaram ser internados foi 2,5 maior entre os pacientes que haviam recebido placebo

Os anticorpos monoclonais da Eli Lilly poderão se juntar em breve ao arsenal contra a covid-19. Crédito: Bicanski/Pixnio

Em 16 de setembro, a farmacêutica norte-americana Eli Lilly apresentou resultados iniciais de um ensaio clínico que usou anticorpos monoclonais para combater a infecção pelo novo coronavírus. O composto testado, o LY-CoV555, contém anticorpos contra o vírus, obtidos em laboratório a partir de linfócitos clonados, provenientes de material de um paciente que se curou da covid-19.

O Ly-CoV555 foi avaliado em 452 voluntários com sintomas leves e moderados. Das 302 pessoas que receberam o fármaco, cinco (1,7%) foram internadas. Essa proporção foi 2,5 vezes maior entre os 150 participantes do grupo placebo (6% precisaram ser hospitalizados).

LEIA TAMBÉM: Baixas taxas de covid-19 na África são enigma para pesquisadores

Esses são os primeiros dados divulgados de uso de anticorpos monoclonais contra a covid-19. Ainda é preciso, porém, fazer mais testes para verificar se o tratamento é eficaz.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança