Covid-19: USP disponibiliza áudios e vídeos para combater fake news

Objetivo da iniciativa é conscientizar e esclarecer a população a respeito de notícias falsas veiculadas por grupos antivacina nas redes sociais

Instalações da Fiocruz, uma das produtoras de vacina contra a covid-19 no Brasil: qualquer campanha de imunização terá de vencer a barreira de desinformação criada por movimentos antivacina. Crédito: © Itamar Crispim/Fiocruz

Diante da profusão de mensagens falsas sobre covid-19 nas redes sociais, representantes do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP) procuram fornecer conteúdos confiáveis à população. A União Pró-Vacina, que conta com o apoio de sete instituições, criou materiais que podem ser usados por qualquer pessoa, para que possam, com isso, manter seu círculo social devidamente informado.

Ao todo, 11 vídeos e 13 áudios estão disponíveis para download. Entre os temas abordados, estão a importância da campanha de vacinação e o esclarecimento de dúvidas em torno de vacinas.

Um dos boatos que circulam – há anos, na verdade, entre movimentos antivacina – é o de que imunizantes provocam autismo, o que não é verdade. A hipótese de haver tal associação surgiu em 1998, com a publicação de um artigo assinado por um médico inglês, chamado Andrew Wakefield, publicado na revista científica “The Lancet”.

Zona cinzenta

O estudo teve uma amostragem bastante pequena e não apresentou evidências científicas que pudessem, de fato, levar a essa conclusão. A pesquisa investigou 12 crianças com autismo. Os pais de oito delas declararam que os sintomas do transtorno apareceram após a vacinação tríplice para rubéola, caxumba e sarampo, o que sugeria a relação com o imunizante. Além disso, foi descoberta uma zona cinzenta quanto às intenções do pesquisador: ele manipulou resultados para chegar ao resultado que queria, que favorecia o grupo financiador de seu trabalho, o qual levantava provas para usar em um processo contra produtores da vacina tríplice.

Atualmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa o 3º lugar em número de casos confirmados de covid-19. Perde somente para os Estados Unidos e a Índia. Na última quinta-feira (7), o país ultrapassou a marca de 200 mil mortes decorrentes da infecção pelo vírus SARS-CoV-1. O total de casos acumulados da doença no país chega a 8.075.998.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança