Covid-19: velocidade de reação dos países significa milhares de vidas

Países que agiram rapidamente reduziram suas taxas de mortalidade por coronavírus, enquanto reações mais lentas, como nos EUA e na Itália, levaram a mais mortes

Controle sanitário no aeroporto de Linate, em Milão: a Itália pagou um alto preço em vidas por ter adotado medidas restritivas contra o coronavírus tardiamente. Crédito: Dipartimento Protezione Civile/Wikimedia

Se cidades dos EUA tivessem sido apenas uma semana mais rápidas para fechar restaurantes e empresas e ordenar que seus moradores ficassem em casa, elas poderiam ter evitado mais de 35 mil mortes de coronavírus no início de maio, sugerem novas pesquisas. Se eles tivessem se mobilizado duas semanas antes, mais de 50 mil pessoas que morreram da pandemia ainda poderiam estar vivas.

Essas estimativas dos EUA, de um estudo de modelagem divulgado em 20 de maio por pesquisadores da Universidade Columbia, chegaram a conclusões semelhantes ao que eu e meus colegas da Universidade do Sul da Califórnia descobrimos ao avaliar políticas e taxas de mortalidade em todo o mundo em resposta à pandemia de coronavírus.

Nossa pesquisa mais recente analisou 60 países do mundo nos primeiros 100 dias da pandemia e encontrou vários temas recorrentes.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: o que é preciso para chegar a uma vacina em até 18 meses

No geral, os países que agiram rapidamente e implementaram medidas rigorosas que mantiveram a maioria dos residentes em casa quando a pandemia começou a se espalhar conseguiram reduzir sua taxa diária de mortes por covid-19 mais rapidamente do que países com restrições mais frouxas. Países que tinham intervenções políticas agressivas em vigor antes de sua primeira morte por coronavírus, como Dinamarca e Coreia do Sul, tendiam a ter menos mortes.

Diferença de picos

Também descobrimos que países com grandes populações vulneráveis ​​se beneficiam mais com a implementação rápida e rigorosa de políticas do que outros. Por exemplo:

* Países com populações mais velhas que implementaram rapidamente medidas rigorosas viram suas taxas de mortalidade caírem cerca de 9% após duas semanas, em comparação com as taxas de mortalidade caindo 3,5% nos países mais jovens com regras semelhantes.

* Da mesma forma, os países em climas mais frios, que oferecem circunstâncias mais ideais para a propagação do vírus, beneficiaram-se mais com medidas rigorosas do que países mais quentes, perto do equador.

* Países com maior densidade populacional, mais liberdade pessoal e um grande número de residentes trabalhando em empregos que os deixam vulneráveis ​​à exposição também se beneficiaram mais com a ação rápida, mas a diferença não foi tão acentuada quanto para aqueles com populações mais velhas.

Em geral, os países com regras mais rígidas viram seus números de mortes atingirem o pico após cerca de 40 dias, em comparação aos 50 dias nos países que também agiram rapidamente, mas tiveram restrições mais flexíveis.

Itália x Coreia do Sul

Essas descobertas, publicadas em 18 de maio como documento de trabalho do National Bureau of Economy Research (Departamento Nacional de Pesquisa Econômica), podem ajudar a explicar as menores taxas de mortalidade na Coreia do Sul e na Alemanha. Ambos os países invocaram políticas rigorosas desde o início e investiram na melhoria de suas capacidades médicas. (Confira a tabela na matéria original aqui.)

Por outro lado, a alta mortalidade da Itália reflete a ausência de políticas rigorosas em vigor antes da onda explosiva de mortalidade da covid-19 lá, juntamente com a grande parcela de idosos que vivem em regiões congestionadas e famílias ampliadas. A porcentagem de residentes na Alemanha com mais de 65 anos é apenas ligeiramente menor que a da Itália, mas o país ao norte teve muito menos mortes per capita.

Os números se destacam. Em abril, a taxa diária de mortalidade da Coreia do Sul atingiu 0,1 óbito por milhão de habitantes, enquanto a Alemanha e a Dinamarca tiveram taxas de aproximadamente 2,8 óbitos por milhão de pessoas. A Suécia também não se saiu bem, com 10,6 mortes por milhão, nem a Itália, com 13,6 por milhão, ou a Espanha, com 18,6 por milhão.

A taxa de mortalidade muito mais baixa na Dinamarca também reflete as políticas mais rigorosas adotadas ali, em oposição às políticas mais relaxadas na Suécia.

O que vem a seguir?

A chave para garantir a estabilidade social e econômica durante a pandemia da covid-19 é remobilizar os trabalhadores, sem arriscar uma enxurrada de novos casos e sobrecarregar o sistema médico. Em muitos casos, os governos devem equilibrar a vida de seus cidadãos e seus meios de subsistência.

O desempenho relativo de um país na primeira fase da pandemia não garante, porém, seu desempenho futuro, particularmente no caso de uma segunda onda de casos.

Os países ainda precisam de mais dados e de melhor qualidade para aprimorar sua compreensão da dinâmica da pandemia e do papel das políticas públicas. O estudo de modelagem da Columbia fornece informações sobre como uma ação mais rápida poderia salvar vidas nos EUA; no entanto, como nossos e muitos outros estudos que explicam a covid-19, suas descobertas foram divulgadas antes do processo usual de revisão por pares.

A compreensão dos fatores que podem explicar as taxas de mortalidade por covid-19 é essencial para permitir uma retomada gradual das atividades econômicas com maior segurança. Quanto mais cedo pudermos explicar os padrões da pandemia, mais cedo acontecerá a abertura de escolas, universidades e serviços importantes.

 

* Joshua Aizenman é professor de Relações Internacionais e Economia na Universidade do Sul da Califórnia.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança