Covid: Brasil pode ter 3ª onda e até 688 mil mortos, diz análise dos EUA

Pacientes de coronavírus em hospital de Teerã: a covid-19 segue surpreendendo os médicos. Crédito: Mohsen Atayi/Wikimedia

Uma análise do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade Washington, Estados Unidos, projeta que,a partir de julho de 2021, o Brasil poderá enfrentar uma terceira onda ainda mais grave de Covid-19, com 4.200 mortes diárias no pico. Isso caso haja relaxamento absoluto de medidas restritivas.

Este é o pior cenário calculado pelos pesquisadores, que cogita até 688 mil mortos até 1° de agosto.

Ainda segundo a projeção, deve haver um platô de mortes diárias em 2.000 até junho, quando haveria uma queda, que se estabilizaria em 1.200 óbitos diários em agosto. Com isso, no melhor cenário, haverá cerca 575 mil vidas perdidas nesse período.

Conforme os pesquisadores, se 95% da população aderir ao uso de máscara, que, conforme os pesquisadores, é aceito por apenas 69% dos brasileiros atualmente, 50 mil vidas seriam poupadas, com 525 mil mortes até o primeiro de agosto.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança