Crença em cidades submersas pode lançar luz em época de subida do mar

Experiências de submersão de terras foram tão impactantes que seus sobreviventes mantiveram as memórias vivas enquanto as histórias passavam de geração a geração

Baía de de Douarnenez, na costa da Bretanha, onde estaria a cidade submersa de Ys. Crédito: Ollamh/Wikimedia Commons

O pequeno barco abriu caminho através do oceano sem ondas. O ar de Fiji estava quente e parado, as silhuetas de ilhas distantes como sentinelas observando nosso progresso. Parecia um dia perfeito para visitar o Farol Solo e a “terra afogada” que supostamente o cercava.

Quando entramos na fenda através do recife de coral que margeia a Lagoa Solo, todos nós removemos nosso capacete e nos curvamos, batendo palmas gentilmente com as mãos em concha para mostrar nosso respeito às pessoas que os habitantes locais dizem que vivem na terra sob o mar.

A Lagoa Solo fica na extremidade norte do grupo de ilhas Kadavu, no sul de Fiji. No dialeto local, solo significa rocha, que é tudo o que resta de um terreno mais extenso que já existiu aqui. Contos antigos lembram que essa terra foi submersa abruptamente durante um terremoto e tsunami, talvez centenas ou mesmo milhares de anos atrás.

O Farol Solo fica em uma rocha no sul de Fiji. Crédito: Vasemaca Setariki
Protocolos estritos

Nosso barco seguiu em disparada, em direção ao farol construído na rocha remanescente em 1888. As pessoas comigo, das ilhas Dravuni e Buliya, contaram que, em uma noite tranquila, quando vêm aqui para pescar, às vezes ouvem sob a lagoa sons de zumbidos de mosquitos, galos cantando e pessoas falando.

Cada residente local aprende protocolos estritos ao entrar no reino acima desse mundo subaquático… e os perigos de ignorá-los. Acredita-se que se você deixar de reduzir a velocidade e fazer a reverência ao entrar na Lagoa Solo, seu barco nunca sairá dela. Se você tirar mais peixes da lagoa do que o necessário, nunca levará o pescado para casa.

É extremamente fácil ridicularizar essas crenças em mundos subaquáticos, mas elas provavelmente representam memórias de lugares que realmente estiveram submersos. Vários grupos de pessoas que vivem em Fiji hoje traçam sua linhagem até Lomanikoro, o nome da terra submersa na Lagoa Solo. Embora não haja nenhum registro escrito do evento, acredita-se que a submersão reconfigurou as estruturas de poder da sociedade de Fiji de uma forma que as pessoas ainda se lembram. Tradições semelhantes são encontradas em outros lugares.

No norte da Austrália, muitos grupos aborígines traçam sua linhagem em terras agora subaquáticas. Uma história contada décadas atrás por Mangurug, um ancião gunwinggu de Djamalingi ou Cabo Don, no Território do Norte, explicou como seu povo veio de uma ilha chamada Aragaládi no meio do mar que mais tarde foi submersa. “Árvores e solo, criaturas, cangurus, todos se afogaram quando o mar os cobriu”, afirmou.

Correspondentes na Europa

Outros grupos que vivem ao redor do Golfo de Carpentaria [norte da Austrália] afirmam que seus ancestrais fugiram da terra submersa de Baralku, possivelmente uma memória antiga da submersão da ponte de terra que conectava a Austrália e a Nova Guiné durante a última era do gelo.

Enquanto isso, no noroeste da Europa, há inúmeras histórias de terras subaquáticas ao largo da costa, onde sinos tocam assustadoramente em torres de igrejas afundadas. Essas histórias abundam na Baía de Cardigan, no País de Gales, onde dizem que várias “cidades submersas” estão. Na Bretanha medieval, na França, os pescadores da Baía de Douarnenez costumavam ver as “ruas e monumentos” da cidade submersa chamada Ys sob a superfície da água, histórias que abundam nas tradições locais.

Baía de Cardigan, no País de Gales, que conteria várias cidades submersas. Crédito: Heikki Immonen/Panoramio/Wikimedia Commons

De fato, em muitas culturas em todo o mundo, existem histórias sobre mundos subaquáticos habitados por pessoas incrivelmente semelhantes a nós, cidades onde monarcas barbudos benevolentes e bruxas do mar com vários tentáculos organizam a vida de tritões mais jovens, muitos dos quais aspiram a se tornar parte da sociedade humana. Fantasia? Sem dúvida. Invenções arbitrárias? Talvez não.

Essas ideias podem derivar de memórias antigas sobre terras submersas e os povos que as habitaram.

E se permitirmos que algumas dessas histórias possam realmente ser baseadas em memórias milenares da submersão costeira, então elas também podem ter alguma aplicação prática para o futuro humano. Pois as terras costeiras estão sendo submersas hoje; lugares de nascimento na memória viva agora debaixo d’água.

Contexto

Nos cerca de 200 mil anos em que nós – humanos modernos – vagamos pela Terra, o nível do oceano, que atualmente ocupa mais de 70% da superfície terrestre, subiu e desceu dezenas de metros. No final da última grande era do gelo, há cerca de 18 mil anos, o nível médio do oceano estava 120 metros ou mais abaixo do que é hoje.

À medida que o gelo terrestre derreteu após a era do gelo, o nível do mar subiu. Os povos costeiros em todas as partes do mundo não tiveram escolha a não ser se adaptar. A maioria mudou-se para o interior, alguns para o mar. Sendo incapazes de ler ou escrever, eles codificaram suas experiências em suas tradições orais.

Sabemos que as observações de eventos memoráveis ​​podem perdurar nas culturas orais por milhares de anos, plausivelmente mais de sete milênios no caso das histórias indígenas australianas de erupções vulcânicas e submersão costeira. Então, como as memórias das pessoas de terras outrora povoadas evoluíram em tradições orais para chegar até nós hoje?

Inicialmente, eles teriam lembrado os lugares precisos onde existiam terras submersas e as histórias das pessoas que as ocuparam. Talvez, com o passar do tempo, à medida que esses contos orais se tornaram menos convincentes, as ligações com o presente foram feitas. Ouça com atenção. Você pode ouvir os cachorros latindo embaixo d’água, os sinos dobrando, as pessoas conversando. Você pode até, como no caso de Solo, incorporar essas histórias aos protocolos culturais para garantir que a história não desapareça.

Mosaico representando Tritão. Crédito: Wikimedia Commons
Pessoas sob o mar

As tradições envolvendo pessoas da terra interagindo com suas contrapartes submarinas são bastante antigas; a história grega de uma sereia masculina de nome Tritão é mencionada na Teogonia de Hesíodo, escrita há quase 3 mil anos. Na Irlanda, há histórias com centenas, talvez milhares de anos que falam de homens de alto escalão que se casam com sereias, gerando famílias notáveis ​​e até mesmo criando tabus sobre matar focas, que essas sereias consideravam parentes.

Histórias de pessoas ocupando terras submarinas também abundam na Austrália indígena. Elas incluem relatos sobre a yawkyawk (ou “jovem espiritual” na língua kundjeyhmi, do oeste da Terra de Arnhem), que passou a ser representada de forma semelhante a uma sereia.

Como as sereias na Europa, as yawkyawk australianas têm cabelos longos, que às vezes flutuam na superfície do oceano como algas marinhas, e caudas de peixe.

Representações contemporâneas de sereias australianas (yawkyawk) pelos artistas kunwinjku Marina Murdilnga, à esquerda, e Lulu Laradjbi. Esses seres míticos têm cauda de peixe e cabelos que lembram flores de algas. Crédito: Dragi Markovic, NGA
Ilhas que se moviam

Enquanto isso, nas ilhas de Kiribati, no Pacífico central, acreditava-se que existiam mundos paralelos ao tangível em que habitamos. Ilhas inteiras se moviam entre elas, vagando no tempo e no espaço, desaparecendo um dia apenas para reaparecer algum tempo depois em um lugar diferente. Os humanos também se moviam entre esses mundos – e suspeito que essa já foi uma crença generalizada de pessoas que ocupavam ilhas e arquipélagos.

Às vezes, acreditava-se que os habitantes desses mundos eram equipados com caudas de peixe, substituídas por pernas quando se moviam para a costa. Uma antiga balada das Ilhas Órcadas (Escócia), onde esses tritões são frequentemente chamados de silkies, diz:

Sou um homem na terra

Sou um sedutor no mar.

Houve uma época em que o povo das Ilhas de Aran (Galway, Irlanda) acreditava ter avistado a ilha de Hy-Brasail bem a oeste; e lutaram para alcançá-la em seus barcos. Ninguém nunca o fez. Do outro lado do mundo, a fabulosa ilha chamada Burotukula, que “vagueia” pelas águas de Fiji, é periodicamente considerada avistada na costa da Ilha Matuku.

Ilhas de Aran, na costa oeste da Irlanda: dali se veria a ilha de Hy-Brasail. Crédito: Robert Linsdell/Wikimedia Commons
Ansiedade e soluções

Nas sociedades orais, como as que existiam em quase toda parte há mil anos, o conhecimento era acumulado e comunicado sistematicamente pelos mais velhos aos mais jovens, porque era considerado essencial para sua sobrevivência. Muito desse conhecimento foi comunicado como narrativa, alguns por meio de poesia e música, dança, performance e arte.

Em ambientes hostis, onde água e alimentos costumavam ser escassos, era vital comunicar o conhecimento de maneira completa e precisa. A Austrália oferece exemplos excelentes, onde a lei indígena foi verificada quanto à integridade e precisão quando transmitida de pai para filho.

Parte da lei considerada essencial para a sobrevivência eram as experiências das pessoas em eventos que alteraram suas vidas. Isso incluiu explosões de atividade vulcânica e a perda de terras por várias gerações que afetou toda a franja australiana na esteira da última era do gelo, reduzindo a massa de terra em cerca de 23%.

Pesquisas recentes mostraram que algumas antigas “histórias de submersão” dos indígenas australianos contêm mais do que simplesmente descrições do aumento do nível do mar e da perda de terra associada. Eles também incluem expressões de ansiedade das pessoas.

Respostas práticas

Por exemplo, uma história contada em 1941 por Sugar Billy Rindjana, Jimmy Moore e Win-gari (povo andingari) e por Tommy Nedabi (wiranggu-kokatato) relembrou como, milênios antes, seus antepassados ​​que viviam ao longo da costa de Fowlers Bay, no sul da Austrália, “temiam que a enchente do mar se espalhasse por todo o país”.

Essas histórias também falam sobre as respostas práticas das pessoas para tentar impedir a subida das águas. Os povos wati nyiinyii da Planície de Nullarbor, na Austrália Ocidental, uma vez “embalaram milhares de lanças [de madeira] para impedir a invasão do oceano” nas terras que existiam abaixo dos penhascos de Bunda.

Em uma história contada pelo povo gungganyji, do distrito de Cairns, no nordeste da Austrália, eles aqueceram pedras em um incêndio no topo de uma montanha, e então as rolaram contra o oceano invasor para impedir sua ascensão.

Hoje, a superfície do oceano ao longo da maior parte das costas do mundo está subindo mais rapidamente do que há vários milhares de anos. Está colocando uma pressão crescente nas sociedades costeiras e nas paisagens e infraestruturas das quais elas dependem. A ansiedade está crescendo, especialmente diante das projeções científicas que envolvem a elevação do nível do mar em pelo menos 70 centímetros até o final deste século.

Parte das linhas de pedra de Carnac, consideradas uma resposta espiritual das pessoas dessa parte da costa da Bretanha, há mais de seis milênios, ao aumento do nível do mar. Crédito: Patrick Nunn
Ansiedade e impotência

Estamos respondendo com soluções práticas, construindo estruturas duras como paredes e paliçadas de madeira ao longo da costa. Contamos com a ciência para conter as mudanças climáticas, mas muitas pessoas ainda se sentem ansiosas e impotentes.

Nossos ancestrais, confrontados com uma ascensão aparentemente incessante na superfície do oceano – e com a perda associada de terras costeiras – também sentiram ansiedade e construíram estruturas. E, como algumas pessoas fazem hoje, muitos quase certamente buscaram remédios espirituais também. É claro que sabemos pouco sobre o último, mas há pistas.

Em muitos lugares ao longo das costas da Austrália e do noroeste da Europa, existem arranjos de pedra, que variam de simples círculos de pedra às extraordinárias “linhas de pedra” paralelas em Carnac, na França, com quilômetros de extensão.

Essas linhas de pedra, construídas há mais de 6 mil anos, foram interpretadas pelos arqueólogos franceses como uma “barreira cognitiva” destinada a impedir que os deuses interferissem nos assuntos humanos, especificamente para impedir o rápido e duradouro aumento do nível do mar nessa parte da costa da Bretanha. Enterros rituais de pessoas e objetos de valor ao longo da costa no noroeste da Europa podem ter servido a um propósito semelhante.

Tradições orais duradouras

Podemos tirar esperança das experiências de nossos ancestrais com a elevação do nível do mar. A maioria das pessoas sobreviveu, nós também. Mas a experiência foi tão profunda, tão fisicamente e psicologicamente desafiadora, que os sobreviventes mantiveram suas memórias vivas enquanto as histórias passavam de uma geração para a seguinte. Suas histórias se tornaram tradições orais duradouras – destinadas a informar e capacitar as gerações futuras. E para nos mostrar que o passado não é sem sentido; não é irrelevante para o nosso futuro.

* Patrick D. Nunn é professor de geografia na Faculdade de Direito e Sociedade na University of Sunshine Coast (Austrália). Seu novo livro, “Worlds in Shadow: Submerged Lands in Science, Memory and Myth”, é publicado pela Bloomsbury Sigma.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago