Crise ambiental leva principais bancos do país a se reunir com governo

Presidentes de Itaú Unibanco, Bradesco e Santander discutem com Hamilton Mourão medidas de recuperação para o enfrentamento dos problemas ambientais brasileiros que ameaçam afastar investidores

Queimada em Rondônia em 2019: principais bancos privados do país consideram que governo já perdeu muito tempo ao deixar a situação chegar ao ponto atual, afirma Pedro Luiz Côrtes. Crédito: Oton Barros (DSR/OBT/Inpe)/Flickr

Os maiores bancos privados do Brasil se uniram em defesa da Amazônia. Nesta semana, representantes de Bradesco, Itaú Unibanco e Santander se reuniram com o vice-presidente Hamilton Mourão com o objetivo de lançar um plano de defesa ambiental e buscar maior diálogo com o governo sobre os assuntos ambientais.

Em entrevista ao programa Jornal da USP no Ar, o professor Pedro Luiz Côrtes, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, comenta o assunto. Ele explica que os presidentes desses bancos se manifestaram por estarem preocupados com a possível retirada de recursos internacionais do agronegócio brasileiro. Esses recursos são necessários para promover a recuperação econômica e a geração de empregos. “Mais do que criticar, esses representantes estão tomando a iniciativa de buscar soluções, porque perceberam que o governo já perdeu muito tempo ao deixar a situação chegar a esse ponto. Por isso, essa reunião pode ter resultados positivos”, conta.

Para a melhora dessa conjuntura, Côrtes acredita que o primeiro passo seja fornecer uma alternativa de subsistência para a população da Amazônia. “Entre as ações planejadas pelos bancos estão o estímulo a cadeias sustentáveis, como as de cacau, açaí e castanhas, por linhas de financiamento. Esses produtos têm grande potencial competitivo e podem oferecer mais seguridade do que trabalhos nos garimpos, por exemplo”, ressalta. Além disso, o impulso à bioeconomia também é uma alternativa que pode estimular investimentos no país. Um exemplo disso seria o foco na pesquisa e desenvolvimento de fármacos naturais.

LEIA TAMBÉM: Investidores internacionais querem discutir crise ambiental com Brasil

Outros biomas

A Amazônia não é a única preocupação. Outro bioma em situação de alerta é o Pantanal. As queimadas na região estão ainda piores do que no ano passado, tendo registrado aumento de 530%, segundo dados preliminares divulgados recentemente pela revista “Veja”. O professor ressalta: “(…) a Amazônia, o Pantanal, o Cerrado e os resquícios da Mata Atlântica, tudo isso entra no radar de uma crise ambiental brasileira, que se distribui em diversos biomas. O Brasil perde muito com isso, uma vez que as leis ambientais poderiam ser utilizadas como argumento da qualidade de nossos produtos agrícolas, de forma a agregar valor a eles. O governo poderia usar isso como um diferencial para a competição estratégica com mercados internacionais”.

A íntegra da entrevista pode ser ouvida aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança