Crise da biodiversidade é bem mais grave do que se pensava

Perda de anfíbios em trecho da América Central, por exemplo, teve um efeito drástico sobre o número de espécies de cobras

Cobra centro-americana: declínio de anfíbios pode ter significado a perda de 85% de espécies de cobras na área. Crédito: Kevin Enge

Um estudo liderado pela Universidade Estadual de Michigan (MSU) e pela Universidade de Maryland, ambas dos EUA, e apresentado na revista “Science” desta semana deve soar alarmes sobre a “crise da biodiversidade” ou a perda de vida selvagem em todo o mundo.

A perda de qualquer espécie é devastadora. No entanto, o declínio ou extinção de uma espécie pode desencadear uma avalanche dentro de um ecossistema, destruindo muitas espécies no processo. Quando as perdas de biodiversidade causam efeitos em cascata em uma região, elas podem eliminar muitas espécies com falta de dados – animais que escaparam aos estudos científicos ou não foram pesquisados ​​o suficiente para entender a melhor forma de conservá-los.

“Algumas espécies raras ou difíceis de detectar podem estar diminuindo tão rapidamente que podemos nem saber que as estamos perdendo”, disse Elise Zipkin, bióloga da MSU e principal autora do estudo. “De fato, este estudo é menos sobre cobras e mais sobre a perda geral da biodiversidade e suas consequências.”

LEIA TAMBÉM: Tudo o que você sempre quis saber sobre biodiversidade

As cobras em questão residem em uma área protegida perto de El Copé, Panamá. O novo estudo documenta como a comunidade desses répteis despencou depois que um patógeno fúngico invasor destruiu a maioria dos sapos da região, uma fonte primária de alimentos. Graças ao estudo de longo prazo da Universidade de Maryland que rastreia anfíbios e répteis, a equipe teve sete anos de dados sobre a comunidade de cobras antes da perda de sapos e seis anos depois.

Sem certeza

No entanto, mesmo com esse extenso conjunto de dados, muitas espécies foram detectadas tão infrequentemente que os métodos tradicionais de análise se tornaram impossíveis. Dizer que essas cobras são altamente esquivas ou raras seria um eufemismo. Das 36 espécies de cobras observadas durante o estudo, 12 foram detectadas apenas uma vez e cinco espécies foram detectadas duas vezes.

“Precisamos reformular a questão e aceitar que, com espécies com dados insuficientes, não seremos capazes de avaliar mudanças na população com altos níveis de certeza”, disse Zipkin. “Em vez disso, precisamos examinar a probabilidade de que essa comunidade de serpentes esteja pior agora do que costumava ser.”

Usando essa abordagem, a equipe construiu modelos estatísticos focados em estimar a probabilidade de que as métricas de diversidade de serpentes mudassem após a perda de anfíbios, em vez de tentar estimar o número absoluto de espécies na área, algo inerentemente difícil porque as cobras são muito raras.

“Estimamos uma probabilidade de 85% de que haja menos espécies de cobras do que antes do declínio dos anfíbios”, disse Zipkin. “Também estimamos altas probabilidades de que as taxas de ocorrência e as condições corporais de muitas espécies individuais de serpentes sejam mais baixas após a perda de anfíbios, apesar de outras mudanças sistemáticas no ambiente.”

Quando os animais morrem em massa, como o que está acontecendo com os anfíbios em todo o mundo, os pesquisadores estão lidando principalmente com essa descoberta e focados na determinação das causas. Mas o que acontece com tudo o mais que depende desses animais? Os cientistas nem sempre têm contagens e observações precisas das outras espécies nesses ecossistemas, e por isso tentam adivinhar as consequências dessas mudanças. O desafio é exacerbado, é claro, quando envolve espécies raras e com poucos dados.

Homogeneização de ecossistemas

“Como nunca haverá uma tonelada de dados, não podemos identificar exatamente por que algumas espécies de cobras declinaram enquanto outras pareciam se sair bem ou até prosperaram após a perda catastrófica de anfíbios”, disse Zipkin. “Mas esse fenômeno, no qual um evento de perturbação indiretamente produz um grande número de ‘perdedores’, mas também alguns ‘vencedores’, é cada vez mais comum e leva à homogeneização biótica mundial, ou ao processo de ecossistemas formalmente diferentes gradualmente se tornando mais semelhantes.”

A incapacidade de apontar a causa exata, no entanto, não é a pior notícia derivada de seus resultados. A notícia realmente ruim é que o nível de devastação pressupõe uma perda mundial muito maior do que a comunidade científica tem estimado.

“A enorme morte de sapos é um problema ainda maior do que pensávamos”, disse Doug Levey, diretor de programa da Divisão de Biologia Ambiental da National Science Foundation (EUA). “O desaparecimento dos sapos teve efeitos em cascata nas cadeias alimentares tropicais. Este estudo revela a importância de dados básicos em longo prazo. Quando esses cientistas começaram a contar cobras em uma floresta tropical, eles não tinham ideia do que acabariam descobrindo.”

Esperança de mudanças

Segundo Zipkin, dados de longo prazo são importantes para ajudar as partes interessadas a determinar a extensão do problema.

“Temos esse conjunto de dados exclusivo e descobrimos uma maneira inteligente de estimar declínios em espécies raras”, disse ela. “É triste, no entanto, que a crise da biodiversidade seja provavelmente pior do que pensávamos, porque existem tantas espécies com falta de dados que nunca poderemos avaliar.”

Em uma nota positiva, os cientistas acreditam que melhores previsões e modelagem podem levar ao reforço dos esforços de conservação. Fazer mudanças proativas e orientadas por dados pode impedir a extinção maciça e reduzir a perda de biodiversidade.