Crise na Evergrande preocupa os mercados mundiais

Segundo maior conglomerado de construção civil da China acumula dívidas e provoca temores de calote que pode gerar efeito cascata internacional, afetando outros setores, bancos e investidores ao redor do planeta.Nesses dias, Evergrande é sinônimo de um possível fracasso – um fracasso gigantesco. Porque o drama em torno da imobiliária chinesa está se agravando. Na terça-feira, as ações da Evergrande continuavam em queda acentuada na bolsa de valores de Hong Kong. Em menos de um ano, as ações perderam 84% de seu valor. Mas esse não é o maior problema.

O segundo maior conglomerado imobiliário da China sofre de um endividamento que ronda a incrível marca entre 100 e 300 bilhões de euros, dependendo da fonte. Se esse colosso desmoronar para a inadimplência, suas dívidas abririam enormes buracos nos balanços dos credores. “A dificuldade é sempre o risco sistêmico”, diz o especialista em China Horst Löchel, da Frankfurt School of Finance and Management.

“Com isso, bancos podem entrar em dificuldades e, na pior das hipóteses, isso criaria um sistema de bola de neve negativo. Se isso acontecer, as convulsões seriam obviamente enormes.” Alguns avalistas fazem comparações com a falência do banco de investimento americano Lehman Brothers – que acabou provocando a crise financeira global de 2008. No entanto, a maioria acredita que o problema deve permanecer limitado à China.

Desastre previsível

Mas agora vem surgindo uma imagem mais clara de como essa situação chegou a esse ponto. Evergrande deve sua ascensão nos últimos anos ao clima de corrida do ouro nos mercados imobiliários da China. Pois com o forte crescimento da economia chinesa, cresceu a necessidade de moradias – tanto para pessoas privadas quanto para empresas emergentes.

Isso levou à explosão dos preços no mercado imobiliário chinês. O governo em Pequim está agora tentando reagir a isso – limitando, por exemplo, os aluguéis nas cidades a fim de manter os apartamentos a preços acessíveis. Mas esse castelo de cartas foi ficando cada vez mais instável nos últimos meses, já que o grupo estava principalmente voltado à expansão, trabalhando com margens muito baixas. Agora tudo corre o risco de desabar.

Além da má gestão, os executivos líderes do grupo aparentemente também cuidaram do enriquecimento próprio. Conforme informado pela Evergrande, seis executivos resgataram produtos de investimento da empresa antecipadamente, contrariando as regras. Normalmente, eles só poderiam receber pelos próprios ativos da empresa após um prazo. Entretanto, venderam os produtos antes do tempo permitido.

O presidente da empresa, Hui Ka Yuan, pelo menos esbanja confiança, afirmando ter certeza de que a empresa deixará “seu momento mais sombrio” para trás, como diz em uma carta aos funcionários citada nesta terça pela mídia local. Ao mesmo tempo, prometeu que a empresa, que há semanas mantém aflitos os investidores ao redor do mundo, encerrará os projetos imobiliários conforme prometido e cumprirá suas responsabilidades para com os compradores, investidores e bancos. Um porta-voz da Evergrande confirmou o conteúdo da carta, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Pequenos investidores podem ser compensados

Para compensar alguns investidores, o grupo anunciou agora que pretende pagá-los com imóveis. A medida já teria sido iniciada no último fim de semana, segundo a empresa. De acordo com a revista financeira Caixin, trata-se de investimentos, maioritariamente, de pequenos investidores nos produtos de gestão de ativos do grupo. Os investidores interessados ​​poderiam agora trocá-los por ativos reais nos escritórios locais da empresa, cujo volume, segundo as informações, chega ao equivalente a 5,3 bilhões de euros.

Horst Löchel não acredita que a liderança em Pequim permitirá que a Evergrande descambe para a bancarrota, lembrando que os riscos sistêmicos são grandes demais. Por outro lado, uma questão que também desempenha um papel importante é o fato de os apartamentos constituírem a parte mais importante da poupança para aposentadoria de muitos cidadãos chineses. “Esta é uma empresa baseada no capitalismo de Estado”, diz Stefan Risse, estrategista de mercado de capitais da gestora de ativos Acatis. “Antes de Pequim permita que ondas de choque percorram seus próprios mercados financeiros e economia, deve-se tentar satisfazes os credores de alguma forma.”

Embora as agências de classificação estejam alertando sobre o risco de calote da empresa, Evergrande pode ser grande demais para falir, grande demais para cair. No entanto, isso não é certo. “Qualquer pessoa que inicialmente vinha se consolando com a esperança de medidas de resgate por parte do Estado chinês deve reconhecer que a probabilidade vai caindo cada vez mais”, pondera Markus Schön, diretor-gerente da gestora de ativos Schön & Co. “Os compradores de imóveis privados provavelmente receberão ajuda para evitar agitação social. Mas os investidores mais ricos, como os bancos, provavelmente serão atingidos pelo colapso cada vez mais provável.”

Crise transbordará fronteiras?

A questão decisiva seria, então, saber em que medida essas ondas de choque poderiam ser sentidas fora da China. Por outro lado, porém, Schön admite que o setor imobiliário chinês é relativamente fechado e quase não se refinancia fora das fronteiras do país.

“Não vejo nenhuma ameaça ao nosso próprio sistema financeiro”, diz Horst Löchel, da Frankfurt School. “É mais uma questão de clima: será que ainda devemos nos envolver na China? Devemos ainda investir lá? Devemos ainda comprar títulos ou ações chinesas? Vista a partir daqui, são essas questões que causam incerteza no mercado.”

Já na China, a preocupação é aparentemente muito maior. Pois com a queda das ações da Evergrande, a bolsa de valores de Hong Kong também despencou: na segunda-feira, o índice principal caiu para o nível mais baixo em cerca de um ano.

E isso, por sua vez, puxa as bolsas de valores ao redor do globo para o porão: o índice líder alemão DAX, que celebrou sua estreia nesta segunda-feira com 40 em vez dos 30 valores anteriores, registrou perdas de mais de 2% ao longo do dia. Alguns especialistas do mercado de ações veem o caso Evergrande como o prelúdio para uma possível correção de preços no mercado de ações.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


COMPARTILHAR