Cuidar de entes queridos é o que mais importa ao redor do mundo

Estudo que envolveu mais de 7 mil pessoas em todos os continentes mostra a preocupação e os cuidados com familiares à frente da busca por parceiros amorosos

O interesse pelo bem-estar e os cuidados entre familiares prevalecem como as motivações mais importantes para pessoas de diferentes partes do mundo. Crédito: Max Pixel

A noção de que cuidar dos entes queridos é o que mais importa é dominante no mundo, mas, durante décadas, esse não vinha sendo o foco de muitos estudos de psicologia social. Uma equipe internacional de pesquisadores liderada por psicólogos evolucionistas e sociais da Universidade Estadual do Arizona (EUA) entrevistou mais de 7 mil pessoas de 27 países diferentes sobre o que as motiva, e as descobertas vão contra 40 anos de pesquisa. O estudo será publicado em 3 de dezembro na revista “Perspectives on Psychological Science”.

“As pessoas classificaram o cuidado com os parentes e a retenção de parceiros como as motivações mais importantes em suas vidas, e descobrimos isso repetidamente nos 27 países que participaram”, disse Ahra Ko, estudante de psicologia da Universidade Estadual do Arizona (ASU, na sigla em inglês) e primeira autora do artigo. “Os resultados foram replicados em regiões com culturas coletivistas, como Coreia e China, e em regiões com culturas individualistas, como a Europa e os EUA.”

O estudo incluiu pessoas de diversos países – de Austrália e Bulgária a Tailândia e Uganda – que cobriram todos os continentes permanentemente habitados. A equipe da ASU enviou uma pesquisa sobre motivações fundamentais a cientistas em cada um dos países participantes. Em seguida, os pesquisadores de cada país traduziram as perguntas para o idioma nativo e fizeram edições para que todas as perguntas fossem culturalmente apropriadas.

LEIA TAMBÉM: O que faz sentido para a sua vida?

Nos últimos 40 anos, a pesquisa psicológica evolucionária concentrou-se em como as pessoas encontram parceiros românticos ou sexuais e como esse desejo afeta outros comportamentos, como decisões do consumidor. Mas os participantes do estudo classificaram consistentemente essa motivação – chamada busca por parceiros – como o fator menos importante em suas vidas.

Foco compreensível

Os psicólogos evolucionistas definem os cuidados familiares como cuidar dos membros da família e apoiá-los, e a retenção de parceiros como manter relacionamentos românticos ou sexuais comprometidos a longo prazo. Essas duas motivações foram as mais importantes, mesmo em grupos de pessoas consideradas prioritárias para encontrar novas parcerias românticas e sexuais, como jovens adultos e pessoas que não têm relacionamentos comprometidos.

“O foco na busca de parceiros na psicologia evolutiva é compreensível, dada a importância da reprodução. Outra razão para a ênfase excessiva na atração inicial é que os estudantes universitários têm historicamente sido a maioria dos participantes”, disse Cari Pick, aluna de psicologia da ASU e segunda autora do artigo. “Estudantes universitários parecem estar relativamente mais interessados ​​em encontrar parceiros sexuais e românticos do que outros grupos de pessoas.”

Nos 27 países, os solteiros priorizaram a busca de novos parceiros mais do que as pessoas em relacionamentos comprometidos, e os homens classificaram essa busca como mais importante do que as mulheres. Porém, as diferenças entre esses grupos foram pequenas devido à prioridade geral dada aos cuidados com os parentes.

Valores mais saudáveis

“Estudar a atração é fácil e sexy, mas os interesses cotidianos das pessoas estão mais focados em algo mais saudável – os valores da família”, disse Douglas Kenrick, professor de psicologia da ASU e autor sênior do estudo. “Todo mundo se preocupa mais com sua família e entes queridos, o que, surpreendentemente, não foi tão cuidadosamente estudado quanto um motivador do comportamento humano.”

As motivações da procura de parceiros e do cuidado com os parentes também estavam relacionadas ao bem-estar psicológico, mas de maneiras opostas. As pessoas que classificaram a procura de parceiros como o mais importante estavam menos satisfeitas com suas vidas e eram mais propensas a ficar deprimidas ou ansiosas. As pessoas que consideraram os cuidados familiares e os relacionamentos de longo prazo como os mais importantes classificaram suas vidas como mais satisfatórias.

“As pessoas podem pensar que serão felizes com vários parceiros sexuais, mas na verdade são mais felizes cuidando das pessoas que já possuem”, disse Kenrick.