• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia13/04/2022

Cultivo de cereais foi a base do desenvolvimento de Estados eficientes

Crédito: Universidade de Warwick

13/04/22 - 11h54min

Uma pesquisa de uma equipe internacional divulgada recentemente põe em xeque a teoria convencional de que a transição da busca de alimento na natureza para a agricultura impulsionou o desenvolvimento de sociedades complexas e hierárquicas, criando excedentes agrícolas em áreas de terras férteis.

Em artigo publicado na revista Journal of Political Economy, os professores Joram Mayshar, da Universidade Hebraica de Jerusalém (Israel), Omer Moav, da Universidade de Warwick (Reino Unido) e da Universidade Reichman (Israel), e Luigi Pascali, da Universidade Pompeu Fabra e da Escola de Economia de Barcelona (Espanha), mostram que a alta produtividade da terra, por si só, não leva ao desenvolvimento dos Estados que cobram impostos. Na verdade, o fator chave para o surgimento da hierarquia é a adoção de culturas de cereais.

O professor Moav explica neste pequeno vídeo (legendas em inglês estão disponíveis):

Grande conjunto de dados

Os autores teorizam que isso ocorre porque a natureza dos cereais exige que eles sejam colhidos e armazenados em locais acessíveis, tornando-os mais fáceis de taxar do que os tubérculos, que permanecem no solo e são menos armazenáveis.

Os pesquisadores demonstram um efeito causal do cultivo de cereais no surgimento da hierarquia usando evidências empíricas extraídas de vários conjuntos de dados que abrangem vários milênios e não encontram efeito semelhante para a produtividade da terra.

“Uma teoria que liga a produtividade da terra e o excedente ao surgimento da hierarquia se desenvolveu ao longo de alguns séculos e se tornou convencional em milhares de livros e artigos”, observa o professor Mayshar. “Mostramos, tanto teórica quanto empiricamente, que essa teoria é falha.”

Mayshar, Moav e Pascali desenvolveram e examinaram um grande número de conjuntos de dados, incluindo o nível de complexidade hierárquica na sociedade; a distribuição geográfica de parentes selvagens de plantas domesticadas; e adequação da terra para várias culturas para explorar por que em algumas regiões, apesar de milhares de anos de agricultura bem-sucedida, não surgiram estados com bom funcionamento, enquanto estados que poderiam tributar e fornecer proteção a vidas e propriedades surgiram em outros lugares.

Paradoxo político

O professor Pascali disse: “Usando esses novos dados, fomos capazes de mostrar que hierarquias como reinos e estados complexos surgiram em áreas em que as culturas de cereais, fáceis de tributar e desapropriar, eram de fato as únicas culturas disponíveis. Paradoxalmente, as terras mais produtivas, aquelas em que não apenas cereais, mas também raízes e tubérculos estavam disponíveis e produtivas, não experimentaram os mesmos desenvolvimentos políticos”.

Eles também empregaram o experimento natural do Columbian Exchange (Intercâmbio Colombiano), o intercâmbio de culturas entre o Novo Mundo e o Velho Mundo no final do século 15 que mudou radicalmente a produtividade da terra e a vantagem da produtividade dos cereais sobre as raízes e tubérculos na maioria dos países do mundo. “Construir esses novos conjuntos de dados, investigar estudos de caso e desenvolver a teoria e a estratégia empírica nos levou quase uma década de trabalho árduo”, afirmou Pascali.

Moav disse: “Após a transição do forrageamento para a agricultura, surgiram sociedades hierárquicas e, posteriormente, estados que cobram impostos. Esses estados desempenharam um papel crucial no desenvolvimento econômico, fornecendo proteção, lei e ordem, o que acabou permitindo a industrialização e o sem precedentes bem-estar desfrutado hoje em muitos países. (...) A teoria convencional é que essa disparidade se deve a diferenças na produtividade da terra. O argumento convencional é que o excedente de alimentos deve ser produzido antes que um estado possa tributar as colheitas dos agricultores e, portanto, a alta produtividade da terra desempenha o papel principal”.

Elite tributária

Mayshar acrescentou: “Desafiamos a teoria da produtividade convencional, argumentando que não foi um aumento na produção de alimentos que levou a hierarquias e estados complexos, mas sim a transição para a dependência de grãos de cereais apropriados que facilitam a tributação pela elite emergente. Quando isso se tornou possível para a taxação das colheitas, surgiu uma elite tributária, e isso levou ao Estado”.

“Somente onde o clima e a geografia favoreciam os cereais, a hierarquia provavelmente se desenvolveria”, prosseguiu Mayshar. “Nossos dados mostram que quanto maior a vantagem de produtividade dos cereais sobre os tubérculos, maior a probabilidade de surgir uma hierarquia. (...) A adequação de raízes e tubérculos altamente produtivos é, de fato, uma maldição da abundância, que impediu o surgimento de Estados e o desenvolvimento econômico.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

agricultura