• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Curiosidades29/12/2021

Dados de satélites ajudam a resolver mistério de mortes no Ártico

A Ilha St. Matthew, no Mar de Bering, em imagem de 17 de junho de 2015: cerca de meio século antes, a morte em massa de renas ali intrigou os cientistas. Crédito: Nasa Earth Observatory/Joshua Stevens, com dados Landsat do US Geological Survey

29/12/21 - 07h27min

Pesquisadores encontraram uma visão terrível no verão de 2016 em uma ilha remota no Ártico canadense. Dezenas de carcaças de caribus estavam espalhadas pela tundra da Ilha Prince Charles, ao norte do Círculo Polar Ártico, em Nunavut. Com base nas condições das carcaças e na decomposição dos órgãos internos, estimou-se que a morte havia ocorrido pelo menos várias semanas antes da chegada da equipe, talvez no final do inverno. Enquanto alguns animais morreram deitados, outros pareciam simplesmente ter entrado em colapso.

Meio século antes e mais de 6.800 quilômetros a oeste, uma cena semelhante confrontou biólogos em um ponto remoto de terra no Mar de Bering. Quarenta e duas renas foram encontradas alimentando-se entre os restos mortais de um rebanho de renas na Ilha St. Matthew, que apenas três anos antes contava com 6 mil animais.

Impressões digitais

Usando uma combinação de dados de sensoriamento remoto de satélites e sensores no solo, os cientistas encontraram as impressões digitais inconfundíveis do mesmo assassino em 2016 e 1966, conforme revelou o site Earth Observatory, da Nasa. Ambas as ilhas árticas são mostradas aqui conforme observado em 2015 e 2016 pelo Operational Land Imager (OLI ) no satélite Landsat 8.

Embora o caribu e a rena sejam a mesma espécie (Rangifer tarandus), eles não são o mesmo animal. Os caribus, que vivem na América do Norte, são migratórios e viajam em grandes rebanhos entre os criadouros. As renas habitam a Europa e a Ásia e se adaptaram à domesticação. Elas podem ser usados ​​para puxar trenós e podem ser ordenhadas como vacas e cabras. (O queijo de rena é considerado suave e cremoso.)

Um atributo-chave que o caribu e a rena compartilham é que eles são herbívoros que se alimentam de líquens e plantas. No final do outono e início da primavera, eles usam seus cascos afiados para romper a crosta gelada nas terras setentrionais e chegar a essa fonte de alimento. Embora os animais estejam adaptados para administrar com eficiência suas reservas de energia durante o longo inverno ártico, o tempo é tudo. E tanto na Ilha Prince Charles quanto na Ilha St. Matthew, o tempo se esgotou para os rebanhos.

Camada muito densa

Os dados meteorológicos da Ilha Prince Charles no inverno de 2015-2016 indicam que grandes tempestades ocorreram em abril de 2016, uma época em que as reservas de energia do caribu estão geralmente em seu nível mais baixo. O vento e a neve dessas tempestades criaram uma camada de neve invulgarmente densa, detectada por meio de dados de temperatura de brilho adquiridos pelo Sensor de Imagens/Sonda de Micro-ondas (SSMI/S) a bordo da série de satélites Defense Meteorological Satellite Program (DMSP).

Os cientistas determinaram a partir dos dados que o caribu, já enfraquecido no final de um longo inverno, morreu de fome quando não conseguiu romper a densa camada de neve e gelo para alcançar o alimento de que precisava.

O inverno excepcionalmente rigoroso também foi o culpado na Ilha St. Matthew. Reanalisando dados meteorológicos, os cientistas descobriram que o inverno de 1963-1964 foi um dos mais severos já registrados nas ilhas do Mar de Bering. As renas suportaram tempestades com rajadas de furacão, temperaturas de até -57,5° Celsius e uma quantidade recorde de neve. Como na Ilha Prince Charles, a crosta dura da neve tornou difícil, senão impossível, para o enorme rebanho de renas acessar os nutrientes vitais. Para as 6 mil renas, simplesmente não havia comida suficiente disponível quando ela era mais necessária. Em 1966, apenas 42 sobreviventes permaneceram.

Por meio do uso de dados de sensoriamento remoto, os cientistas conseguiram encerrar o caso das misteriosas mortes de caribus no Canadá e renas nas ilhas do Mar de Bering, ocorridas com meio século de diferença. Os dados contaram a história.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Ártico