• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia28/06/2022

Danos no clima causados pelo turismo espacial precisam de mitigação urgente

Crédito: CC0 Public Domain

28/06/22 - 10h29min

Pesquisadores do University College London, da Universidade de Cambridge (ambos no Reino Unido) e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, nos EUA) usaram um modelo 3D para explorar o impacto dos lançamentos e reentrada de foguetes em 2019 e o impacto dos cenários projetados de turismo espacial baseado na recente corrida espacial bilionária. Os resultados, publicados na revista Earth’s Future, revelam problemas importantes que precisam ser considerados.

A equipe descobriu que as partículas de carbono preto (fuligem) emitidas por foguetes são quase 500 vezes mais eficientes em manter o calor na atmosfera do que todas as outras fontes de fuligem combinadas (superfície e aeronaves) – resultando em um efeito climático acentuado.

Além disso, embora o estudo tenha revelado que a perda atual de ozônio total devido a foguetes é pequena, as tendências atuais de crescimento em torno do turismo espacial indicam potencial para o esgotamento futuro da camada de ozônio estratosférica superior no Ártico na primavera. Isso ocorre porque os poluentes de foguetes de combustível sólido e o aquecimento de reentrada de espaçonaves e detritos que retornam são particularmente prejudiciais ao ozônio estratosférico.

Efeito muito maior

A coautora do estudo Eloise Marais, do Departamento de Geografia do UCL, disse: “Os lançamentos de foguetes são rotineiramente comparados às emissões de gases de efeito estufa e poluentes atmosféricos da indústria aeronáutica, o que demonstramos em nosso trabalho ser errôneo. (...) As partículas de fuligem dos lançamentos de foguetes têm um efeito climático muito maior do que as aeronaves e outras fontes terrestres, então não é necessário que haja tantos lançamentos de foguetes quanto voos internacionais para ter um impacto semelhante. O que realmente precisamos agora é uma discussão entre especialistas sobre a melhor estratégia para regular essa indústria em rápido crescimento”.

Para calcularem as descobertas, os pesquisadores coletaram informações sobre os produtos químicos de todos os 103 lançamentos de foguetes em 2019 em todo o mundo, bem como dados sobre a reentrada de foguetes reutilizáveis ​​e lixo espacial. Eles também usaram as recentes demonstrações dos empresários de turismo espacial Virgin Galactic, Blue Origin e SpaceX e as propostas de ofertas anuais de lançamentos pelo menos diários da Virgin Galactic para construir um cenário de uma futura e dinâmica indústria de turismo espacial.

Esses dados foram então incorporados em um modelo 3D de química atmosférica para explorar o impacto no clima e na camada de ozônio.

A equipe mostra que o aquecimento devido à fuligem calculado no histórico de uma década de foguetes contemporâneos, dominados pelas emissões de foguetes movidos a querosene refinado, mais que dobraria após apenas três anos de emissões adicionais de lançamentos de turismo espacial, devido ao uso de querosene refinado pela SpaceX e de combustíveis de borracha sintética híbrida pela Virgin Galactic.

Recuperação minada

Os pesquisadores dizem que isso é particularmente preocupante, pois quando as partículas de fuligem são injetadas diretamente na atmosfera superior, elas têm um efeito muito maior no clima do que outras fontes de fuligem – com as partículas sendo 500 vezes mais eficientes na retenção de calor.

A equipe descobriu que, em um cenário de lançamentos diários ou semanais de foguetes de turismo espacial, o impacto na camada de ozônio estratosférico ameaça minar a recuperação experimentada após a implementação bem-sucedida do Protocolo de Montreal. Adotada em 1987, a proibição global do Protocolo de Montreal sobre substâncias que destroem a camada de ozônio é considerada uma das intervenções de política ambiental internacional mais bem-sucedidas.

O coautor correspondente do estudo Robert Ryan, do Departamento de Geografia do UCL, disse: “A única parte da atmosfera que mostra uma forte recuperação de ozônio após o Protocolo de Montreal é a estratosfera superior, e é exatamente onde o impacto das emissões de foguetes será mais sentido. Não esperávamos ver mudanças de ozônio dessa magnitude, ameaçando o progresso da recuperação do ozônio”.

Ele prosseguiu: “Ainda existe muito que precisamos descobrir sobre a influência do lançamento de foguetes e emissões de reentrada na atmosfera – em particular, o tamanho futuro da indústria e os tipos e subprodutos de novos combustíveis como metano líquido e biocombustíveis derivados. (...) Este estudo nos permite entrar na nova era do turismo espacial com os olhos bem abertos para os potenciais impactos. A conversa sobre a regulação do impacto ambiental da indústria de lançamentos espaciais precisa começar agora para que possamos minimizar os danos à camada de ozônio estratosférico e ao clima”.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


atmosfera