De Napoleão a Goethe, muitos famosos aceitam a reencarnação

A crença na teoria reencarnatória foi o norte de diversas figuras ilustres da humanidade. Conheça algumas delas a seguir

Napoleão Bonaparte acreditava ser a reencarnação de Carlos Magno. Crédito: Wikimedia

1) O magnata da indústria automobilística Henry Ford adotou a teoria da reencarnação desde os 26 anos de idade, segundo um depoimento ao diário “San Francisco Examiner”. “Gênio é experiência”, disse ele ao jornal. “Alguns parecem pensar que é um dom ou talento, mas é o fruto da longa experiência em muitas vidas. Alguns são almas mais velhas do que outros, por isso sabem mais.”

2) O poeta persa Jalaluddin Rumi escreveu: “Morri como mineral e me transformei em uma planta. Morri como uma planta e nasci como animal. Morri como animal e vi que era homem. Por que teria algo a temer? Nunca perdi nada por morrer.”

3) Como sua família, o general norte-americano George S. Patton acreditava na reencarnação. Ele considerava que fora o general cartaginês Aníbal Barca em uma de suas vidas anteriores.

LEIA TAMBÉM: Reencarnação pela ciência: em busca de provas

4) Outro militar que aceitava a reencarnação era Napoleão Bonaparte. Certa vez, ele disse a seus generais que acreditava ter sido o imperador Carlos Magno.

5) O escritor norte-americano Jack London afirmou: “Não comecei quando nasci nem quando fui concebido. Tenho crescido e me desenvolvido através de incalculáveis miríades de milênios. Todos os meus eus anteriores têm suas vozes, ecos, lembranças em mim.” A reencarnação é um dos temas centrais de O Andarilho das Estrelas, uma das obras de London (publicada no Brasil pela Axis Mundi).

Goethe: a falta de consciência do leitor sobre a reencarnação o levaria a ser apenas “um confuso convidado em uma Terra sombria”. Crédito: “Goethe na Campanha”, de Johann Heinrich Wilhelm Tischbein (1751–1829)/Museu Städel/Wikimedia
Abraço amigável

6) O escritor, poeta e cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe escreveu que, enquanto o leitor não se conscientizasse da “contínua lei de Morrer e Ser Novamente”, seria apenas “um confuso convidado em uma Terra sombria”.

7) Gandhi também foi incisivo a respeito do tema: “Não consigo pensar em uma inimizade permanente entre seres humanos, e acreditando como acredito na teoria da reencarnação, vivo na esperança de que, se não neste nascimento, em algum outro nascimento eu poderei envolver toda a humanidade em um abraço amigável.”

8) O filósofo alemão Arthur Schopenhauer declarou: “Se um asiático me pedisse uma definição da Europa, eu deveria ser forçado a responder-lhe: ‘É aquela parte do mundo que é assombrada pela incrível ilusão de que o homem foi criado do nada e que seu presente nascimento significa seu primeiro ingresso na vida’.”

9) Para o biólogo inglês Thomas Huxley, a reencarnação servia como um “meio de construir uma justificação plausível das leis do cosmos para o homem”.

Jung (à direita, sentado): nascido novamente por não ter concluído a tarefa que recebera. Crédito: Wikimedia

10) O psicólogo suíço Carl Jung teve a sensação de que era “um excerto a respeito do qual o texto que o antecedia e o que o sucedia estavam faltando”, e declarou: “Eu também podia imaginar que poderia ter vivido em séculos anteriores e encontrado questões que não estava capacitado a responder; que havia nascido novamente porque não havia completado a tarefa que me fora dada”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança