De óculos de realidade mista a lâmpadas LED: Tecnologia associada à sustentabilidade

Estudo da Management & Excellence apontou que as empresas com modelos sustentáveis de produção e de atuação na sociedade podem registrar aumento de até 4% em seu valor de mercado. A Tetra Pak faz disso um tema prioritário

A sustentabilidade tem ganhado um olhar mais amplo, abrangendo não apenas questões ambientais, mas também sociais e econômicas. Dentro das indústrias, também está inserida no contexto de eficiência operacional e produtividade, demonstrando ser um pilar cada vez mais estratégico para os negócios. Estudo recente conduzido pela consultoria Management & Excellence apontou que as empresas com modelos sustentáveis de produção e de atuação na sociedade podem registrar aumento de até 4% em seu valor de mercado.

Dentro do conceito de tecnologia associada à sustentabilidade, uma forte tendência é a digitalização. Esse é um assunto cada vez mais presente na agenda das empresas, que, com o uso de novas funcionalidades, buscam elevar o nível de produtividade e confiabilidade da operação, com ganhos que passam por otimização de processos, melhor uso das matérias-primas e gestão de recursos naturais com a diminuição do consumo de água e do gasto energético para fabricação.

Na Tetra Pak, esse é um tema prioritário. Entendemos que as soluções só garantem resultados quando aplicadas em conjunto. Por isso, nossa abordagem à sustentabilidade engloba toda a cadeia de valor.

Entre as soluções que oferecemos aos clientes para aumentar a eficiência operacional está a utilização de óculos de realidade mista da Microsoft, os HoloLens, direcionados a apoiar as equipes de forma mais ágil, reduzindo o tempo de parada das máquinas e a perda de produtividade. Isso porque nossos técnicos e engenheiros que atuam nas plantas dos clientes podem se conectar com especialistas globais da companhia em qualquer lugar do mundo e, como se todos estivessem no local, ajudar a solucionar o problema.

A Tetra Pak possui também um compromisso assumido globalmente de utilizar energia produzida a partir de fontes renováveis – hoje metade de toda a energia elétrica consumida pela companhia enquadra-se nessa categoria. O marco nos coloca no caminho para cumprir com a RE100, iniciativa empresarial liderada pelas principais organizações do mundo que prevê que até 2030 toda a energia utilizada por elas seja proveniente de recursos renováveis.

Isso se deve a uma combinação de diferentes iniciativas, incluindo a instalação de placas solares em algumas de nossas operações e a obtenção de Certificados Internacionais de Energia Renovável (I-RECs), documentos que asseguram que a energia consumida tem como origem uma fonte eólica, fotovoltaica, hídrica ou de usinas de biomassa. No Brasil, em nossas fábricas localizadas em Monte Mor (SP) e Ponta Grossa (PR), a taxa de utilização de energia de fontes renováveis chega a 100%.

Em Monte Mor também trocamos cerca de mil lâmpadas de vapor metálico por lâmpadas de LED, cerca de 75% mais econômicas que os modelos convencionais. Nas duas fábricas, as tintas utilizadas são à base d’água. Todos esses esforços caminham alinhados à nossa meta global que prevê a redução da emissão de gases de efeito estufa em 42% até 2030 e 58% até 2040.

(*) Valéria Michel é engenheira química pela FEI e especializada em Gestão Ambiental pela Unicamp. Atua há 19 anos na área de sustentabilidade e é diretora de Economia Circular na Tetra Pak, sendo responsável por todas as iniciativas realizadas pela companhia relacionadas a reciclagem, coleta seletiva, educação ambiental e sustentabilidade.