Degelo revela indícios de como os antigos mongóis viviam

Derretimento de manchas de gelo expõe tesouros arqueológicos raros, como os encontrados por pesquisadores no oeste da Mongólia – mas é preciso resgatá-los rapidamente

O arqueólogo e pesquisador paleoambiental Isaac Hart, da Universidade de Utah, examina uma mancha de gelo derretendo no oeste da Mongólia. Crédito: Peter Bittner, CC BY-ND

Nas regiões de altas montanhas do mundo, a vida precisa de gelo. Das Montanhas Rochosas ao Himalaia, geleiras e outros acúmulos de neve e gelo persistem durante todo o ano. Frequentemente encontradas em encostas sombreadas protegidas do sol, essas manchas de gelo transformam picos áridos em pontos biológicos quentes.

Como arqueólogo, valorizo ​​essas manchas de neve e gelo pela rara espiada que podem dar no tempo através da névoa da pré-história alpina. Quando as pessoas perdem objetos no gelo, as placas de gelo agem como congeladores naturais. Por milhares de anos, elas podem armazenar instantâneos da cultura, vida diária, tecnologia e do comportamento das pessoas que criaram esses artefatos.

Antes do desaparecimento

A herança congelada está derretendo com o gelo das montanhas em todos os hemisférios. Enquanto isso, pequenos grupos de arqueólogos estão lutando para reunir o financiamento e a equipe necessários para identificar, recuperar e estudar esses objetos antes que eles desapareçam.

Ao lado de um grupo de acadêmicos da Universidade do Colorado (EUA), do Museu Nacional da Mongólia e de parceiros de todo o mundo, estou trabalhando para identificar, analisar e preservar materiais antigos emergentes do gelo nas estepes de gramíneas da Mongólia, onde tais descobertas têm um tremendo impacto sobre como os cientistas entendem o passado.

Renas domésticas no norte da Mongólia se refrescam em uma camada de gelo para escapar do calor e dos insetos (à esquerda). Outras tentam o mesmo em uma área que o derretimento recente deixou sem gelo perene, prejudicando a saúde do rebanho. Crédito: © 2019 Taylor et al., CC BY
Vida à beira do gelo

Durante os meses quentes de verão, plantas únicas prosperam nas margens bem regadas das manchas de gelo. Animais grandes como caribus, alces, ovelhas e até bisões procuram o gelo para se refrescar ou escapar dos insetos.

Como são fontes previsíveis dessas plantas e animais, bem como de água doce, as manchas de gelo são importantes para a subsistência das pessoas próximas em quase todos os lugares em que sejam encontradas. Nas estepes secas da Mongólia, a água derretida do gelo da montanha alimenta as pastagens de verão, e as renas domésticas procuram o gelo da mesma forma que suas contrapartes selvagens. Deixando de lado o aquecimento climático, as margens de gelo agem como ímãs para as pessoas – e repositórios dos materiais que deixam para trás.

Não é apenas seu significado biológico e cultural que torna as manchas de gelo ferramentas importantes para a compreensão do passado. Os objetos tangíveis feitos e usados ​​pelos primeiros caçadores ou pastores em muitas regiões montanhosas foram construídos com materiais orgânicos macios.

Possibilidade de preservação

Esses objetos frágeis raramente sobrevivem à erosão, ao clima e à exposição aos elementos severos comuns nas áreas alpinas. Se descartados ou perdidos no gelo, no entanto, os itens que de outra forma se degradariam podem ser preservados por séculos em condições de congelamento profundo.

Mas as altas montanhas enfrentam condições climáticas extremas e muitas vezes ficam longe dos centros urbanos, onde os pesquisadores modernos estão concentrados. Por essas razões, contribuições significativas de residentes de montanha para a história humana às vezes são deixadas de fora do registro arqueológico.

Por exemplo, na Mongólia, as altas montanhas do Altai hospedavam as sociedades pastoris mais antigas da região. Mas essas culturas são conhecidas apenas por meio de um pequeno punhado de sepulturas e das ruínas de algumas construções de pedra varridas pelo vento.

Mais artefatos estão derretendo no gelo

Uma de nossas descobertas foi um pedaço de corda de pelo de animal finamente trançado de uma mancha de gelo derretendo no topo de uma montanha no oeste da Mongólia. No levantamento, nós o vimos deitado entre as rochas expostas na borda do gelo em recuo. O artefato, que pode ter feito parte de um freio ou arnês, parecia ter caído no gelo na véspera – nossos guias até reconheceram a técnica de manufatura tradicional. No entanto, a datação científica por radiocarbono revelou que o artefato tem, na verdade, mais de 1.500 anos.

Objetos como esses fornecem pistas raras sobre a vida diária entre os antigos pastores do oeste da Mongólia. Sua excelente preservação nos permite realizar análises avançadas no laboratório para reconstruir os materiais e as escolhas das primeiras culturas de pastoreio que posteriormente deram origem a impérios pan-eurasiáticos como o Xiongnu e o Grande Império Mongol.

Por exemplo, a microscopia eletrônica de varredura nos permitiu apontar que o pelo de camelo foi escolhido como uma fibra para fazer esse freio de corda, enquanto o colágeno preservado dentro de um tendão antigo revelou que o tecido de veado foi usado para prender uma ponta de flecha da Idade do Bronze em sua haste.

Manchas de gelo no oeste da Mongólia preservaram uma flecha quase intacta do passado da Idade do Bronze da região, junto com linhas de tendões e pigmentação vermelha que revelam detalhes até então desconhecidos sobre os primeiros ocupantes da região. Crédito: Peter Bittner, CC BY-ND
Artefatos de caça

Às vezes, os objetos que emergem acabam derrubando algumas das suposições mais básicas dos arqueólogos sobre o passado. As pessoas na região há muito tempo são classificadas como sociedades pastoris, mas meus colegas e eu descobrimos que as geleiras e manchas de gelo da Mongólia também continham artefatos de caça, como lanças e flechas, e restos de esqueletos de animais selvagens como ovelhas argali, abrangendo um período de mais de três milênios. Essas descobertas demonstram que a caça de animais selvagens no gelo da montanha tem sido uma parte essencial da subsistência pastoril e da cultura nas montanhas Altai por milhares de anos.

Pilha de 1.500 anos de crânios e chifres de ovelhas argali, talvez intencionalmente empilhados por antigos caçadores, é exposta em margem de geleira no oeste da Mongólia. Crédito: William Taylor, CC BY-ND

Mas o tempo está passando. O verão de 2021 está se preparando para ser um dos mais quentes já registrados, à medida que as temperaturas escaldantes do verão fritam as florestas tropicais do noroeste do Pacífico e os incêndios florestais devastam o Ártico siberiano. O impacto da escalada das temperaturas é particularmente severo nas regiões frias do mundo.

Na área no oeste da Mongólia que meus colegas e eu estudamos, fotos de satélite mostram que mais de 40% da cobertura de gelo da superfície foi perdida nas últimas três décadas. Depois que é exposto pelo derretimento do gelo, cada artefato pode ter apenas uma janela limitada de tempo para recuperação pelos cientistas antes de ser danificado, degradado ou perdido devido à combinação de congelamento, degelo, clima e atividade glacial que pode afetar artefatos previamente congelados.

Fotos de satélite mostram a extensão da geleira e do derretimento do gelo na zona de estudo do autor, no oeste da Mongólia, em menos de três décadas. Crédito: Taylor, W., Hart, I., Pan, C. et al., High altitude hunting, climate change, and pastoral resilience in eastern Eurasia. Sci Rep 11, 14287 (2021)., CC BY

Devido à escala das mudanças climáticas modernas, é difícil quantificar quanto material está sendo perdido. Muitas das altas montanhas da Ásia Central e Meridional nunca foram sistematicamente pesquisadas em busca de artefatos de derretimento. Além disso, muitos projetos internacionais não puderam prosseguir desde o verão de 2019 por causa da pandemia de covid-19 – que também gerou reduções, cortes salariais e até o fechamento total de departamentos de arqueologia nas principais universidades.

Fornecendo pistas climáticas

Artefatos de manchas de gelo são conjuntos de dados científicos insubstituíveis que também podem ajudar os pesquisadores a caracterizar antigas respostas às mudanças climáticas e entender como o aquecimento moderno pode afetar o mundo de hoje.

Além de artefatos feitos pelo homem deixados para trás na neve, as manchas de gelo também preservam “ecofatos” – materiais naturais que rastreiam mudanças ecológicas importantes, como mudanças nas linhas das árvores ou nos habitats dos animais. Ao coletarem e interpretarem esses conjuntos de dados junto com artefatos do gelo, os cientistas podem reunir conhecimentos sobre como as pessoas se adaptaram a mudanças ecológicas significativas no passado e talvez expandir a caixa de ferramentas para enfrentar a crise climática do século 21.

Renas domésticas se refrescam em uma mancha de gelo antes permanente (à esquerda) que derreteu completamente durante o verão de 2018, pela primeira vez na memória local. Crédito: © 2019 Taylor et al., CC BY
Comunidades em perigo

Enquanto isso, as comunidades de plantas, animais e humanos que dependem de manchas de gelo cada vez menores também estão em perigo. No norte da Mongólia, meu trabalho mostra que a perda de gelo no verão está prejudicando a saúde das renas domésticas. Os pastores locais se preocupam com o impacto da perda de gelo na viabilidade da pastagem. O derretimento do gelo também converge com outras mudanças ambientais: no oeste da Mongólia, as populações de animais diminuíram drasticamente por causa da caça ilegal e da caça turística mal regulamentada.

À medida que o aumento do calor expõe artefatos que fornecem percepções sobre a resiliência do clima antigo e outros dados científicos importantes, a própria perda de gelo está reduzindo a resiliência da humanidade nos próximos anos.

* William Taylor é professor assistente e curador de arqueologia na Universidade do Colorado em Boulder (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago