Descoberta abelha primitiva de 100 milhões de anos com pólen

Um erro de voo que levou o inseto a pousar em resina e parasitas de besouro que pegavam carona no inseto possibilitaram o achado

Abelha ancestral fossilizada, com quatro larvas de besouro. Crédito: George Poinar Jr., OSU College of Science

Parasitas de besouros que se associaram a uma abelha primitiva há 100 milhões de anos podem ter causado o erro de voo que, embora mortal para o inseto, é uma ótima notícia para a ciência hoje. A abelha fêmea que ficou presa na resina da árvore e, portanto, preservada em âmbar, foi identificada pelo pesquisador George Poinar Jr., da Universidade Estadual do Oregon (OSU, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, como uma nova família, gênero e espécie.

O fóssil do meio do período Cretáceo de Mianmar fornece o primeiro registro de uma abelha primitiva com pólen e também o primeiro registro de parasitas de besouros, que continuam aparecendo hoje nas abelhas modernas.

As descobertas, publicadas no periódico “BioOne Complete“, lançaram uma nova luz sobre os primeiros dias das abelhas, um componente essencial na história evolutiva e na diversificação das plantas com flores.

LEIA TAMBÉM: Mistura de agrotóxicos reduz tempo de vida de abelhas

Vespas carnívoras

Os polinizadores de insetos ajudam na reprodução de plantas com flores ao redor do mundo e também são ecologicamente críticos como promotores da biodiversidade. As abelhas são o portador padrão, porque geralmente estão presentes em maiores números e porque são o único grupo de polinizadores que se alimenta exclusivamente de néctar e pólen durante todo o seu ciclo de vida.

As abelhas evoluíram a partir de vespas da família Apoidea, que são carnívoras. Pouco se sabe, no entanto, sobre as mudanças sofridas pelas vespas durante a transição alimentar.

Poinar, professor emérito da Faculdade de Ciências da OSU e especialista internacional no uso de formas de vida vegetal e animal preservadas em âmbar para aprender mais sobre a biologia e ecologia do passado distante, classificou a nova descoberta como Discoscapa apicula, na família Discoscapidae.

A abelha fossilizada compartilha traços com as abelhas modernas – incluindo pelos plumosos, um lobo pronotal arredondado e um par de esporas na tíbia posterior – e também aquelas de vespas Apoidea, como cavidades antenas muito baixas e certas características das veias das asas.

Mudança para o pólen

“Algo único sobre a nova família que não é encontrado em nenhuma linhagem existente ou extinta de vespas ou abelhas Apoidea é um cenário bifurcado”, disse Poinar, referindo-se a uma base de antenas de dois segmentos. “O registro fóssil de abelhas é bastante vasto, mas a maioria é dos últimos 65 milhões de anos e se parece muito com as abelhas modernas. Fósseis como o deste estudo podem nos contar sobre as mudanças que certas linhagens de vespas sofreram quando se tornaram palinívoras – consumidoras de pólen.”

Numerosos grãos de pólen em Discoscapa apicula mostram que a abelha havia estado recentemente em uma ou mais flores.

“Evidências adicionais de que as abelhas fósseis visitaram flores são as 21 triungulinas de besouros (larvas) no mesmo pedaço de âmbar, que estavam pegando uma carona de volta ao ninho da abelha para jantar larvas de abelhas e suas provisões, comida deixada pela fêmea”, disse Poinar. “É possível que o grande número de triungulinas tenha levado a abelha voar acidentalmente para a resina.”