Descoberta estrela gigante ‘piscante’ perto do centro da Via Láctea

Estrela VVV-WIT-08 praticamente desaparece do céu por vários meses, e depois volta a brilhar

Concepção artística da estrela gigante “piscante” no centro da Via Láctea, a mais de 25 mil anos-luz de distância. Crédito: Amanda Smith, Universidade de Cambridge

Uma equipe internacional de astrônomos avistou uma estrela gigante “piscando” no centro da Via Láctea, a mais de 25 mil anos-luz de distância. Os astrônomos observaram a estrela, VVV-WIT-08, diminuindo seu brilho por um fator de 30, de modo que quase desapareceu do céu.

Embora muitas estrelas mudem de brilho porque pulsam ou são eclipsadas por outra estrela em um sistema binário, é excepcionalmente raro uma estrela ficar mais fraca em um período de vários meses e então brilhar novamente.

Os pesquisadores acreditam que a VVV-WIT-08 pode pertencer a uma nova classe de sistema estelar binário “gigante piscante”. Nesse sistema, uma estrela gigante 100 vezes maior que o Sol é eclipsada uma vez a cada poucas décadas por uma companheira orbital ainda não vista. A companheira, que pode ser outra estrela ou planeta, é circundada por um disco opaco, que recobre a estrela gigante. Isso faz com que ela desapareça e reapareça no céu. O estudo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Especulações

A descoberta foi liderada pelo dr. Leigh Smith, do Instituto de Astronomia da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Ele trabalhou com cientistas da Universidade de Edimburgo, da Universidade de Hertfordshire (ambas no Reino Unido), da Universidade de Varsóvia (Polônia) e da Universidade Andres Bello (Chile).

“É incrível que acabamos de observar um objeto escuro, grande e alongado passando entre nós e a estrela distante. Só podemos especular qual é sua origem”, disse o coautor, dr. Sergey Koposov, da Universidade de Edimburgo.

Como a estrela está localizada em uma região densa da Via Láctea, os pesquisadores consideraram se algum objeto escuro desconhecido poderia simplesmente ter passado à frente da estrela gigante por acaso. No entanto, as simulações mostraram que deveria haver um número implausivelmente grande de corpos escuros flutuando ao redor da galáxia para que esse cenário fosse provável.

Disputa pelo recorde

Outro sistema estelar desse tipo é conhecido há muito tempo. A estrela gigante Epsilon Aurigae é parcialmente eclipsada por um enorme disco de poeira a cada 27 anos, mas diminui em cerca de 50%. Um segundo exemplo, TYC 2505-672-1, foi encontrado alguns anos atrás e detém o recorde atual do sistema estelar binário eclipsante com o período orbital mais longo: 69 anos. A VVV-WIT-08 é atualmente uma contendora para esse recorde.

A equipe também encontrou mais duas dessas estrelas gigantes peculiares, além da VVV-WIT-08. Isso sugere que estas podem ser uma nova classe de estrelas “gigantes piscantes” para os astrônomos investigarem.

A VVV-WIT-08 foi encontrada pela VISTA Variables na Via Lactea survey (VVV), um projeto usando o telescópio VISTA, de construção britânica, no Chile e operado pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), que vem observando o mesmo 1 bilhão de estrelas há quase uma década para procurar exemplos com brilho variável na parte infravermelha do espectro.

Objetos ‘o que é isso?’

O colíder do projeto, professor Philip Lucas, da Universidade de Hertfordshire, disse: “Ocasionalmente, encontramos estrelas variáveis que não se enquadram em nenhuma categoria estabelecida. Nós as chamamos de objetos ‘o que é isso?’, ou ‘WIT’. Realmente não sabemos como esses gigantes piscantes surgiram. É emocionante ver essas descobertas da VVV depois de tantos anos planejando e reunindo dados.”

Enquanto a VVV-WIT-08 foi descoberta usando dados da VVV, o escurecimento da estrela também foi observado pelo Optical Gravitational Lensing Experiment (OGLE), uma observação de longa duração conduzida pela Universidade de Varsóvia. O OGLE faz observações mais frequentes, mas mais perto da parte visível do espectro. Essas observações frequentes foram fundamentais para modelar a VVV-WIT-08. Elas também mostraram que a estrela gigante escurecia na mesma proporção tanto na luz visível quanto na infravermelha.

Agora parece haver cerca de meia dúzia de potenciais sistemas estelares conhecidos desse tipo, contendo estrelas gigantes e grandes discos opacos. “Certamente há mais a ser descoberto, mas o desafio agora é descobrir o que são as companheiras ocultas e como elas foram cercadas por discos, apesar de orbitarem tão longe da estrela gigante”, disse Smith. “Ao fazermos isso, poderemos aprender algo novo sobre como esses tipos de sistemas evoluem.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago