Descoberta função de ferramentas pré-históricas achadas em Israel

De acordo com pesquisadores, instrumentos encontrados no sítio de Revadim serviam para quebrar ossos de animais de tamanho médio e extrair sua nutritiva medula óssea

Algumas das ferramentas de corte achadas em Revadim. Crédito: Prof. Ran Barkai

Pesquisadores desvendaram a função das ferramentas de sílex conhecidas como “ferramentas de corte”, encontradas no sítio pré-histórico de Revadim (Israel), a leste de Ashdod. Aplicando métodos de pesquisa avançados, eles examinaram vestígios de desgaste em 53 ferramentas de corte, bem como resíduos orgânicos encontrados em algumas das ferramentas. Eles também fizeram e usaram réplicas das ferramentas, com métodos de arqueologia experimental.

Os pesquisadores concluíram que ferramentas desse tipo, encontradas em vários locais na África, Europa e Ásia, foram usadas por humanos pré-históricos em Revadim para quebrar ossos de animais de tamanho médio, como gamos, gazelas e possivelmente também gado, a fim de extrair sua nutritiva medula óssea, de alto teor calórico.

O estudo foi conduzido pela drª Flavia Venditti, da Universidade de Tübingen (Alemanha), e pelo prof. Ran Barkai e pelo dr. Aviad Agam, do Instituto de Arqueologia Sonia e Marco Nadler da Universidade de Tel Aviv (Israel), em colaboração com o Laboratório de Análises Tecnológicas e Funcionais de Artefatos da Pré-História da Universidade de Roma La Sapienza (Itália). O artigo que trata desse trabalho foi publicado na revista “PLOS ONE”.

Kit eficaz

“Por anos temos estudado ferramentas de pedra de sítios pré-históricos em Israel, a fim de compreender suas funções”, afirmou o prof. Barkai. “Uma fonte importante de ferramentas é Revadim, um local ao ar livre (em oposição a uma caverna) que remonta a 500.000-300.000 anos antes de nosso tempo e rico em descobertas notavelmente bem preservadas. Ao longo dos anos, descobrimos que Revadim era um local altamente favorecido, reabitado continuamente por humanos, muito provavelmente da espécie tardia do Homo erectus. Ossos de muitos tipos de caça, incluindo elefantes, gado, veados, gazelas e outros, foram encontrados no local.”

Segundo os pesquisadores, os habitantes pré-históricos de Revadim desenvolveram um kit de ferramentas multifuncional eficaz, não muito diferente dos conjuntos de ferramentas comercializados hoje. Depois de descobrirem as funções de algumas ferramentas de pedra encontradas no local, os pesquisadores agora se concentraram em ferramentas de corte – seixos de pederneira com uma ponta lascada, afiada e maciça.

“A ferramenta de corte foi inventada na África há cerca de 2,6 milhões de anos e depois migrou com os humanos para onde quer que fossem nos 2 milhões de anos seguintes”, afirmou Barkai. “Grandes quantidades dessas ferramentas foram encontradas em quase todos os sítios pré-históricos do Velho Mundo – na África, Europa, Oriente Médio e até na China –, uma evidência de sua grande importância. No entanto, até agora, elas nunca haviam sido submetidas a testes metódicos de laboratório para descobrir para que realmente eram usadas.”

O prof. Barkai produz uma réplica de uma ferramenta de corte para ser usada na extração experimental de medula. Crédito: Prof. Ran Barkai
Ferramentas reconstruídas

Os pesquisadores analisaram amostras de 53 ferramentas de corte de Revadim, procurando traços de uso e desgaste e resíduos orgânicos. Muitos espécimes exibiram danos substanciais nas bordas como resultado do corte de materiais duros. Alguns também mostraram resíduos de ossos de animais, preservados por quase meio milhão de anos.

Após essas descobertas, a arqueologia experimental também foi aplicada. Os pesquisadores coletaram seixos de pederneira nas proximidades de Revadim, fabricaram réplicas de ferramentas de corte pré-históricas e as usaram para quebrar ossos de animais mortos de tamanho médio. As comparações entre os vestígios de desgaste de uso e resíduos orgânicos nas ferramentas replicadas e aquelas nos originais pré-históricos substanciaram significativamente as conclusões do estudo.

“Os primeiros humanos quebraram ossos de animais em dois para extrair a medula óssea”, observou Barkai. “Isso requer grande habilidade e precisão, porque quebrar o osso danificaria a medula óssea. A ferramenta de corte que examinamos neste estudo era evidentemente muito popular, porque era fácil de fazer e altamente eficaz para esse propósito. Essa é aparentemente a razão de sua enorme distribuição por um período tão longo de tempo. O presente estudo expandiu nosso conhecimento do kit de ferramentas dos primeiros humanos – mais um passo para a compreensão seu modo de vida, rastreando suas migrações e desvendando os segredos da evolução humana.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança