Descoberta muda visão de vida familiar de felinos dentes-de-sabre

Restos de esmilodontes encontrados no Equador indicam que filhotes demoravam para se separar de suas mães

Esmilodontes jovens brincando: fósseis no Equador sugerem que os filhotes adolescentes se desligavam das mães mais tarde do que felinos atuais. Crédito: ilustração de Danielle Dufault, Royal Ontario Museum

Uma pesquisa canadense indica que filhotes adolescentes do ameaçador predador felino esmilodonte (Smilodon fatalis), o popular tigre-dente-de-sabre, eram mais “filhinhos de mamãe” do que guerreiros independentes. O estudo foi publicado na revista “iScience”.

Realizado por cientistas do Royal Ontario Museum e da Universidade de Toronto, o trabalho documenta um grupo familiar de felinos dentes-de-sabre cujos restos mortais foram descobertos no atual Equador. Ao estudarem os fósseis, coletados para o Royal Ontario Museum no início dos anos 1960, os cientistas conseguiram mostrar que, embora esses gatos gigantescos da Idade do Gelo crescessem muito rapidamente, eles também pareciam ficar com a mãe por mais tempo do que alguns outros grandes felinos antes de buscar seus próprios caminhos.

“Este estudo começou como uma descrição simples de fósseis não publicados anteriormente”, diz Ashley Reynolds, aluna de pós-graduação do Royal Ontario Museum que conduziu o estudo enquanto completava sua pesquisa de doutorado em Ecologia e Biologia Evolutiva na Universidade de Toronto. “Mas quando percebemos que as duas mandíbulas inferiores em que estávamos trabalhando compartilhavam um tipo de dente encontrado apenas em cerca de 5% da população do Smilodon fatalis, sabíamos que o trabalho estava prestes a se tornar muito mais interessante.”

Idade revelada

Encorajados pela descoberta, os pesquisadores cavaram mais fundo e descobriram que provavelmente estavam olhando para três indivíduos aparentados: um adulto e dois gatos “adolescentes”. Além disso, eles conseguiram determinar que os gatos mais jovens tinham pelo menos 2 anos no momento de sua morte, uma idade em que alguns felinos vivos, como tigres, já são independentes.

Comparação dos ossos da mandíbula inferior esquerda de dois jovens felinos dente-de-sabre, S. fatalis, enterrados juntos. A formação dentária semelhante sugere que os dois eram aparentados. Crédito: Ashley Reynolds © Royal Ontario Museum

Para apoiar essa conclusão, a equipe estudou a preservação e formação do sítio equatoriano (uma área de estudo chamada tafonomia), com base em registros históricos de coleta e no conjunto de pistas sobre os próprios ossos fósseis.

Historicamente, os espécimes de esmilodonte foram coletados em grande parte em depósitos de “armadilhas de predadores”. O exemplo mais famoso disso são os famosos poços de alcatrão de La Brea, em Los Angeles, Califórnia. Mas o depósito do Equador, que se formou em uma antiga planície costeira, provavelmente é derivado de um evento catastrófico de morte em massa. Isso significa que, ao contrário das “armadilhas”, todos os fósseis do depósito morreram ao mesmo tempo. Como isso preserva um instantâneo de um ecossistema, fósseis como esses podem fornecer percepções novas e exclusivas sobre o comportamento de espécies extintas.

Espaço para interpretação

“A vida social desses predadores icônicos tem sido misteriosa, em parte porque sua concentração em infiltrações de alcatrão deixa muito espaço para interpretação”, diz o dr. Kevin Seymour, curador assistente de Paleontologia de Vertebrados no Royal Ontario Museum e coautor do estudo. “Este conjunto histórico de fósseis de felinos dente-de-sabre do Equador foi formado de uma maneira diferente. Isso nos permite determinar que os dois jovens provavelmente viveram e morreram juntos – e, portanto, provavelmente eram irmãos.”

Comparação de tamanho de felinos dentes-de-sabre adulto e subadulto (adolescente). Crédito: Ashley Reynolds © Royal Ontario Museum

Os fósseis foram coletados em Coralito, Equador, em 1961, por A. Gordon Edmund, curador de Paleontologia de Vertebrados no Royal Ontario Museum de 1954 a 1990, e Roy R. Lemon, curador de Paleontologia de Invertebrados entre 1957 e 1969. Juntos, Edmund e Lemon coletaram toneladas de sedimentos embebidos em alcatrão que foram posteriormente preparados no Royal Ontario Museum.

“Essas coleções mundialmente famosas feitas 60 anos atrás foram estudadas durante anos, mas uma medida de sua importância é que elas continuam a produzir novos conhecimentos sobre a vida desses animais extintos”, disse o dr. David Evans, presidente de Paleontologia de Vertebrados no Royal Ontario Museum e supervisor de tese de Reynolds.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança