Descoberta nova candidata a super-Terra a apenas 5,2 anos-luz do Sol

Se confirmada, existência do corpo celeste torna ainda mais interessante o sistema planetário mais próximo de nós

A estrela Proxima Centauri e o pequeno planeta rochoso que a orbita: ao que tudo indica, o sistema tem pelo menos mais um componente. Crédito: ESO/M. Kornmesser

Uma análise das mudanças cíclicas no espectro de luz emitidas por Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol, sugere que ela pode ser orbitada por um segundo planeta. Mario Damasso, do Observatório Astrofísico de Turim, pertencente ao Instituto Nacional de Astrofísica da Itália (INAF), e uma equipe internacional de cientistas apresentaram dados sugerindo que esse planeta candidato orbita Proxima Centauri a cada 5,2 anos e pode ser uma “super-Terra”, com uma massa maior que a da Terra, embora muito menor que a dos gigantes gelados do Sistema Solar, Urano e Netuno. O artigo a esse respeito foi publicado na revista “Science Advances”.

Se sua existência for confirmada, esse planeta poderá fornecer informações sobre como os planetas de baixa massa se formam em torno de estrelas de baixa massa. Também poderia desafiar modelos de como as super-Terras nascem; acredita-se que a maioria se forma perto da “linha da neve”, a distância mínima de uma estrela na qual a água pode se transformar em gelo sólido. Mas a órbita do planeta candidato está muito além desse ponto ideal.

Um estudo anterior de Proxima Centauri usando o Atacama Large Millimeter/submilimeter Array (ALMA), um observatório astronômico no norte do Chile, havia relatado uma fonte desconhecida de sinais do espectro de luz que poderia pertencer a um segundo planeta ou simplesmente ter sido produto de uma galáxia vizinha ou um fenômeno não relacionado. Para entender melhor se o sinal se originou em outro planeta que orbita a estrela, Mario Damasso e colegas analisaram uma série temporal de 17,5 anos de velocidades radiais de alta precisão usando um método de detecção de exoplanetas que rastreia o espectro de luz de uma estrela.

LEIA TAMBÉM: Duas super-Terras são encontradas orbitando estrelas próximas

Oscilação

O método da velocidade radial baseia-se na gravidade e no efeito Doppler, no qual a luz aumenta ou diminui em frequência como fonte e os objetos observados se movem em direção ao ponto de referência ou afastam-se dele.

Se esse espectro oscila entre vermelho e azul, isso indica que a estrela está se movendo na direção da Terra e afastando-se dela em intervalos regulares, um ciclo geralmente causado pela presença de um corpo em órbita. Os pesquisadores descobriram que o sinal ocorre durante um período de 1.900 dias, sugerindo que provavelmente não está relacionado a mudanças cíclicas no campo magnético da estrela.

“Mesmo o sistema planetário mais próximo de nós pode ter surpresas interessantes”, disse à rede CNN em um e-mail Fabio Del Sordo, coautor do estudo e pesquisador de pós-doutorado no departamento de física da Universidade de Creta (Grécia). “A Proxima Centauri hospeda um sistema planetário muito mais complexo do que sabíamos, e não sabemos quantos recursos desconhecidos estão esperando para serem descobertos.”

No entanto, os autores enfatizam que são necessárias mais evidências para confirmar sua conclusão.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança