Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Segundo cientistas, a tecnologia de produção de cobre era um segredo bem guardado na época; local da descoberta pode ter abrigado a primeira fornalha da história

Trabalho na escavação em Beer Sheva: tecnologia secreta para a época. Crédito: Anat Rasiuk, Autoridade de Antiguidades de Israel

Um novo estudo da Universidade de Tel Aviv e da Autoridade de Antiguidades de Israel indica que uma oficina para fundição de minério de cobre já operou no bairro de Neveh Noy em Beer Sheva, capital do deserto de Negev. O estudo, conduzido ao longo de vários anos, começou em 2017 em Beer Sheva, quando a oficina foi descoberta durante uma escavação arqueológica de emergência da Autoridade de Antiguidades de Israel para proteger antiguidades ameaçadas.

O novo estudo também mostra que o local pode ter feito o primeiro uso no mundo de um aparato revolucionário: a fornalha.

O estudo foi conduzido pelo prof. Erez Ben-Yosef, Dana Ackerfeld e Omri Yagel, do Departamento de Arqueologia e Civilizações do Oriente Próximo Jacob M. Alkow na Universidade de Tel Aviv, em conjunto com o dr. Yael Abadi-Reiss, Talia Abulafia e Dmitry Yegorov, da Autoridade de Antiguidades de Israel, e o dr. Yehudit Harlavan, do Serviço de Pesquisa Geológica de Israel. Os resultados do estudo foram publicados online na revista “Journal of Archaeological Science: Reports”.

LEIA TAMBÉM: Templo da época do de Salomão desafia conceitos sobre a antiga Judeia

De acordo com Abulafia, diretora de escavação em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel, “a escavação revelou evidências de produção doméstica do período Calcolítico [a Idade do Cobre], cerca de 6.500 anos atrás. As descobertas surpreendentes incluem uma pequena oficina para fundir cobre com fragmentos de forno – uma pequena instalação feita de estanho na qual o minério de cobre foi fundido –, assim como muita escória de cobre.”

Escória de cobre encontrada na escavação em Neveh Noy. Crédito: Anat Rasiuk, Autoridade de Antiguidades de Israel
Segredo tecnológico

Embora a metalurgia já estivesse em evidência no Calcolítico, as ferramentas utilizadas ainda eram de pedra. (A própria palavra “calcolítico” é uma combinação das palavras gregas para “cobre” e “pedra”.) Uma análise dos isótopos de restos de minério nos fragmentos da fornalha mostra que o minério bruto foi trazido para a vizinhança de Neveh Noy vinda de Wadi Faynan, localizada na atual Jordânia, a mais de 100 quilômetros de Beer Sheva.

Durante o Calcolítico, quando o cobre foi refinado pela primeira vez, o processo era feito longe das minas, ao contrário do modelo histórico predominante pelo qual fornos eram construídos perto das minas por razões práticas e econômicas. Os cientistas levantam a hipótese de que o motivo foi a preservação do segredo tecnológico.

“É importante entender que o refino do cobre era a alta tecnologia da época. Não havia tecnologia mais sofisticada do que essa em todo o mundo antigo”, diz o prof. Ben-Yosef. “Jogar torrões de minério no fogo não levará você a lugar nenhum. Você precisa de certo conhecimento para construir fornos especiais que podem atingir temperaturas muito altas, mantendo baixos níveis de oxigênio.”

Ben-Yosef observa que a arqueologia da terra de Israel mostra evidências da cultura ghassuliana. A cultura recebeu o nome de Tulaylât al-Ghassûl, o sítio arqueológico na Jordânia onde a cultura foi identificada pela primeira vez. Essa cultura, que abrangeu a região do vale de Beer Sheva até o atual sul do Líbano, era incomum por suas realizações artísticas e objetos rituais, como evidenciado pelos objetos de cobre descobertos em Nahal Mishmar e agora em exibição no Museu de Israel em Jerusalém.

O local de escavação em Neveh Noy, Beer Sheva. Crédito: Talia Abulafia, Autoridade de Antiguidades de Israel
Receita especial

Segundo Ben-Yosef, as pessoas que viviam na área das minas de cobre negociavam com membros da cultura ghassuliana de Beer Sheva e vendiam-lhes o minério, mas eles próprios eram incapazes de reproduzir a tecnologia. Mesmo entre os assentamentos ghassulianos ao longo do wadi Beer Sheva, o cobre era refinado por especialistas em oficinas especiais. Uma análise química dos restos indica que cada oficina tinha sua própria “receita” especial, que não compartilhava com seus concorrentes. Parece que, naquela época, o wadi Beer Sheva ficava cheio de água o ano todo, tornando o local conveniente para a fundição do cobre, onde as fornalhas e outros aparelhos eram feitos de barro.

Ben-Yosef observa ainda que, mesmo nos assentamentos calcolíticos que possuíam instrumentos de pedra e cobre, o segredo do metal reluzente era mantido por muito poucos membros de uma elite. “No início da revolução metalúrgica, o segredo da metalurgia era guardado por guildas de especialistas. Em todo o mundo, vemos bairros de metalúrgicos em assentamentos calcolíticos, como o bairro que encontramos em Beer Sheva.”

O estudo discute a questão de até que ponto essa sociedade era hierárquica ou socialmente estratificada, visto que a sociedade ainda não estava urbanizada. Os cientistas acham que as descobertas de Neveh Noy reforçam a hipótese de estratificação social. A sociedade parece ter consistido em uma elite claramente definida, possuindo experiência e segredos profissionais, que preservou seu poder por ser a fonte exclusiva do cobre brilhante.

Finalidade ritual

Os objetos de cobre não eram feitos para serem usados. Em vez disso, serviam a algum propósito ritual e, portanto, possuíam valor simbólico. O machado de cobre, por exemplo, não era usado como machado. Era um objeto artístico e/ou ritual modelado nas linhas de um machado de pedra.

Os objetos de cobre provavelmente foram usados ​​em rituais, enquanto os objetos do dia a dia em uso continuaram a ser de pedra.

“No primeiro estágio da produção de cobre da humanidade, eram usados ​​cadinhos em vez de fornalhas”, diz Ben-Yosef. “Este pequeno vaso de cerâmica, que parece um vaso de flores, é feito de argila. Era um tipo de forno móvel à base de carvão. Aqui, na oficina de Neveh Noy que a Autoridade de Antiguidades de Israel descobriu, mostramos que a tecnologia era baseada em fornos reais. Isso fornece evidências muito antigas do uso de fornos na metalurgia e levanta a possibilidade de que o forno tenha sido inventado nesta região.

“Também é possível que o forno tenha sido inventado em outro lugar, diretamente da metalurgia baseada em cadinhos, porque alguns cientistas veem os primeiros fornos como nada mais do que grandes cadinhos enterrados no solo”, prossegue Ben-Yosef. “O debate só será resolvido por descobertas futuras, mas não há dúvida de que a antiga Beer Sheva desempenhou um papel importante no avanço da revolução global do metal e que no quinto milênio a.C. a cidade foi uma potência tecnológica para toda a região.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança