• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia28/02/2022

Descoberta origem da Vênus de Willendorf, de 30 mil anos

A Vênus de Willendorf vista por quatro lados diferentes. Crédito: Bjørn Christian Tørrissen/Wikimedia Commons

28/02/22 - 12h25min

A estatueta de Vênus de quase 11 centímetros de altura de Willendorf (Áustria) é um dos exemplos mais importantes de arte antiga na Europa. É feita de uma rocha chamada oólito que não é encontrada em ou ao redor de Willendorf. Uma equipe de pesquisa liderada pelo antropólogo Gerhard Weber, da Universidade de Viena (Áustria) e os geólogos Alexander Lukeneder e Mathias Harzhauser, além de Walpurga Antl-Weiser, do Museu de História Natural de Viena, descobriu agora com a ajuda de tomografias de alta resolução imagens de que o material do qual a Vênus foi esculpida provavelmente vem do norte da Itália. Isso lança uma nova luz sobre a notável mobilidade dos primeiros humanos modernos ao sul e ao norte dos Alpes.

Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports.

Peça especial

A Vênus de Willendorf não é apenas especial em termos de design, mas também em termos de material. Enquanto outras figuras de Vênus são geralmente feitas de marfim ou osso, às vezes também de pedras diferentes, o oólito foi usado para a Vênus da Baixa Áustria, que é única para esses objetos de culto. A estatueta encontrada em Wachau em 1908 e exposta no Museu de História Natural de Viena até agora só havia sido examinada do lado de fora. Agora, mais de 100 anos depois, Gerhard Weber usou um novo método para examinar seu interior: a microtomografia computadorizada.

Durante várias passagens, os cientistas obtiveram imagens com resolução de até 11,5 micrômetros – uma qualidade que de outra forma só é vista ao microscópio. O primeiro conhecimento obtido é: “A Vênus não parece uniforme por dentro”.

Junto com os geólogos Alexander Lukeneder e Mathias Harzhauser, que já haviam trabalhado com oólitos, a equipe obteve amostras comparativas da Áustria e da Europa e as avaliou. Um projeto complexo: amostras de rochas da França ao leste da Ucrânia, da Alemanha à Sicília foram obtidas, serradas e examinadas ao microscópio. A equipe foi apoiada pelo estado da Baixa Áustria, que forneceu fundos para as análises demoradas.

Interior dá informações sobre o exterior

Os dados tomográficos da Vênus mostraram que os sedimentos foram depositados nas rochas em diferentes densidades e tamanhos. No meio havia também pequenos restos de conchas e seis grãos muito densos e maiores, com um minério denominado limonita. Este último explica as cavidades hemisféricas anteriormente misteriosas na superfície de Vênus com o mesmo diâmetro: “As limonitas duras provavelmente surgiram quando o criador da Vênus as estava esculpindo”, explicou Weber. “No caso do umbigo da Vênus, ele aparentemente fez disso uma virtude por necessidade.”

Outra descoberta: o oólito da Vênus é poroso porque os núcleos dos milhões de glóbulos (ooides) que o compõem se dissolveram. Esta é uma ótima explicação para o motivo pelo qual o engenhoso escultor escolheu esse material há 30 mil anos: é muito mais fácil trabalhar com ele. Os cientistas também identificaram um pequeno remanescente de concha, com apenas 2,5 milímetros de comprimento, e o dataram do período Jurássico. Isso descartou todos os outros depósitos potenciais da rocha da era geológica Mioceno ,muito posterior, como os da vizinha Bacia de Viena.

Longo caminho

A equipe de pesquisa também analisou os tamanhos de grão das outras amostras. Centenas, às vezes até milhares de grãos foram marcados e medidos com programas de processamento de imagem ou mesmo manualmente. Nenhuma das amostras dentro de um raio de 200 quilômetros de Willendorf se igualou remotamente. A análise finalmente mostrou que as amostras da Vênus eram estatisticamente indistinguíveis das amostras de um local no norte da Itália, perto do Lago de Garda. Isso é notável porque significa que a Vênus (ou pelo menos seu material) iniciou uma jornada do sul dos Alpes ao Danúbio, ao norte dos Alpes.

“As pessoas no período Gravetiano – a cultura de ferramentas da época – procuravam e habitavam locais favoráveis. Quando o clima ou a situação das presas mudavam, elas se mudavam, de preferência ao longo dos rios”, explicou Weber. Tal jornada poderia ter levado gerações.

Uma das duas rotas possíveis do sul para o norte levaria ao redor dos Alpes e à planície da Panônia e foi descrita em simulações por outros pesquisadores há alguns anos. A outra maneira de ir do Lago de Garda a Wachau seria através dos Alpes. Se isso era possível há mais de 30 mil anos, não está claro devido à deterioração do clima que começou naquela época. Esta seria uma rota bastante improvável se já houvesse geleiras contínuas naquela época. No entanto, o caminho de 730 km ao longo dos rios Etsch, Inn e Danúbio sempre esteve abaixo de 1.000 metros acima do nível do mar, com exceção de 35 quilômetros no lago Reschen.

Possível conexão com o leste da Ucrânia

As estatísticas apontam claramente para o norte da Itália como a origem do oólito da Vênus. No entanto, há outro local interessante para a origem da rocha. Fica no leste da Ucrânia, a mais de 1.600 quilômetros de distância linear de Willendorf. As amostras não se encaixam tão claramente quanto as da Itália, mas melhor do que todo o resto da amostra. Uma conexão interessante aqui: figuras da Vênus foram encontradas nas proximidades do sul da Rússia, que são um pouco mais jovens, mas se parecem muito com a Vênus encontrada na Áustria. Os resultados genéticos também mostram que as pessoas na Europa Central e Oriental estavam conectadas umas às outras nessa época.

A emocionante história da Vênus da Baixa Áustria poderia continuar. Apenas alguns estudos sistemáticos até agora lidaram com a existência de humanos primitivos nesse período de tempo na região alpina e com sua mobilidade. O famoso Ötzi, por exemplo, só entra em cena muito mais tarde, ou seja, 5.300 anos atrás. “Queremos usar esses resultados da Vênus e nossa nova rede de pesquisa de Viena, Evolução Humana e Ciências Arqueológicas, em cooperação com a antropologia, a arqueologia e outras disciplinas, para esclarecer melhor a história inicial da região alpina”, concluiu Weber.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Alexander Lukeneder