• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia17/06/2022

Descoberta rota comercial entre Groenlândia e Ucrânia na Idade Média

Morsa esculpida em osso de morsa. Isso foi encontrado em Trondheim. Crédito: Åge Hojem/ Museu da NTNU

17/06/22 - 13h05min

O sítio arqueológico no nº 35 da Rua Spaska, em Kiev (ou Kyiv), a capital da Ucrânia, uma área histórica escavada inicialmente em 2007, ainda não havia apresentado resultados muito interessantes. Duas pesquisas já haviam sido realizadas ali, sem grandes novidades. Mas um exame recente, apresentado em estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, parece ter mudado esse quadro.

“As escavações eram consideradas mais um exame de rotina. Ninguém ousou acreditar que faríamos achados arqueológicos tão ricos quanto realmente fizemos”, disse Natalia Khamaiko, arqueóloga da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia. Ela liderou a equipe que conduziu as escavações.

Khamaiko explica que os arqueólogos descobriram camadas de várias épocas, sendo as mais bem preservadas do século 10 até a primeira metade do século 13. Aqui eles encontraram vestígios de casas e muitos objetos diferentes – incluindo vidro, fio de ouro e peças para Hnefatafl, um jogo de tabuleiro que é frequentemente chamado de xadrez viking.

“Esta descoberta foi surpreendente, porque não tínhamos conhecimento de nenhuma peça de Hnefatafl encontrada anteriormente na região de Kyivan Rus. As peças são realmente semelhantes às peças de jogos encontradas na Escandinávia”, disse Khamaiko.

Marfim, o achado mais espetacular

A descoberta mais espetacular, no entanto, acabou sendo um conjunto de nove fragmentos ósseos um tanto indefiníveis de vários tamanhos. Um pedaço maciço de osso se destacou em particular. Os arqueólogos não conseguiam imaginar a que animal ele poderia ter pertencido.

Três dos fragmentos ósseos foram então enviados ao zooarqueólogo Oleg Zhuravlyov. Ele comparou os ossos com o material do museu de história natural e voltou com a resposta: os ossos vieram de focinhos de morsa.

“Isso foi uma surpresa total para nós. Nunca tínhamos ouvido falar de descobertas semelhantes em Kiev”, afirmou Khamaiko.

Os fragmentos de osso acabaram sendo ainda mais surpreendentes do que Khamaiko poderia ter imaginado.

Ossos de morsa da escavação de Kyiv. Crédito: Valery Krymchak

“Dentes de peixe”

“O marfim de morsa era uma matéria-prima muito popular na Europa na Idade Média. Foi usado para criar os objetos mais requintados da arte da igreja, mas gradualmente também versões mais finas de objetos do cotidiano, como peças de jogos e cabos de facas”, disse James Barrett, arqueólogo e professor do Museu da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU).

Por muito tempo, os cientistas acreditaram que esse marfim de presas vinha de várias regiões diferentes do Ártico. Em 2019, no entanto, Barrett e quatro outros pesquisadores realizaram um estudo que revelou que a Groenlândia era essencialmente a única fonte de produtos de morsa no mercado da Europa Ocidental. No entanto, supõe-se que o marfim de morsa dos achados da Europa Oriental tenha se originado de outros lugares.

“Fontes escritas em árabe da Idade Média dizem que os chamados ‘dentes de peixe’ – interpretados como dentes de morsa – eram comercializados em toda a atual Ucrânia e Rússia e usados ​​para fazer objetos variados, incluindo hastes de espadas. Fontes históricas de Bizâncio também sugerem que as pessoas de lá importavam marfim de morsa das mesmas áreas. Portanto, presumimos que esses artefatos de marfim vieram de morsas no Mar de Barents”, afirmou Barrett.

Mas as suposições nem sempre são verdadeiras e, quando Barrett ouviu falar dos ossos de morsa em Kiev, decidiu investigá-los mais a fundo.

Três métodos

Os pesquisadores adotaram uma abordagem tripla para descobrir de onde vieram os ossos de morsa em Kiev. Primeiro, eles examinaram o DNA arqueológico dos ossos.

Surpreendentemente, cinco dos nove fragmentos ósseos tinham uma assinatura genética que permitiu aos pesquisadores dizer com certeza que eles vieram da Groenlândia. Barrett explicou que as morsas podem ser divididas em dois grupos genéticos: um só é encontrado na Groenlândia e no leste do Canadá e o outro é encontrado em todos os lugares, incluindo a Groenlândia.

Os pesquisadores então realizaram uma análise isotópica dos ossos. Isótopos são variedades do mesmo elemento e variam entre diferentes fontes de alimentos e localizações geográficas.

“Essas análises mostraram que sete dos nove espécimes são compatíveis com a Groenlândia. Mas esse resultado não é tão definitivo. Os animais também podem ter vindo da Islândia, mas não do Mar de Barents”, observou Barrett.

Finalmente, os pesquisadores analisaram como os ossos foram processados. Quando as presas de morsa foram exportadas, elas ainda estavam presas a um pedaço do osso do focinho. Restos desse osso são o que os arqueólogos encontraram. As morsas têm focinhos extremamente fortes, pois gostam de apoiar todo o peso do corpo em suas presas quando relaxam. Para facilitar a quebra das presas, o focinho era, portanto, “afinado” antes da exportação. Isso foi feito de uma maneira particular na Groenlândia.

Peça do jogo Hnefatafl encontrada durante a escavação em Kyiv. Crédito: Valery Krymchak

Tudo aponta para a Groenlândia

“Seis dos fragmentos ósseos foram claramente trabalhados da maneira típica da Groenlândia. Os três últimos são muito fragmentados para que possamos dizer com certeza como foram modificados. É claro que essa conclusão também não é definitiva, pois essas técnicas podem ter sido copiado”, disse Barrett.

No geral, não há dúvida, no entanto.

“Todos os materiais de origem apontam para a mesma fonte – Groenlândia. Então, esse é um resultado em que podemos confiar”, afirmou Bastiaan Star, professor associado da Universidade de Oslo (Noruega). Ele era o especialista do projeto em DNA arqueológico.

Metrópole medieval

Tendo em conta as fontes históricas, também podemos razoavelmente supor que o marfim da Groenlândia também chegou ao mundo islâmico e à Ásia. Kiev era uma cidade comercial muito importante na Idade Média, localizada centralmente nas margens do quarto maior rio da Europa, o Dnipro, onde os comerciantes do norte e do sul se encontravam.

“No século 12, Kiev era uma metrópole medieval e a capital de um estado com uma economia baseada no comércio. Pesquisas arqueológicas mostram que a maior quantidade de achados importados vem do final do século 11 e do século 12”, afirmou Khamaiko. “O que descobrimos agora sobre os ossos de morsa mostra que Kiev era um centro comercial incomumente grande, com mercadorias fluindo de partes distantes do mundo.”

Rede global de comércio

É concebível que o marfim tenha sido enviado da Groenlândia para centros comerciais como Trondheim (Noruega) e Slesvig (Dinamarca). Os restos ósseos em Kiev são de fato muito semelhantes aos achados dessas cidades. De lá, eles podem ter sido enviados através do Mar Báltico, descendo os rios Dnipro e Volkhov até Kiev, e provavelmente mais ao sul e ao leste de lá.

“Acho incrível pensar que essas morsas chegaram a lugares tão amplos, desde as colônias nórdicas antigas no oeste da Groenlândia”, afirmou Star. “Hoje estamos muito conscientes de que vivemos em uma economia global. Mas essas descobertas mostram que as redes de comércio global realmente têm uma história muito longa – talvez muito mais longa do que a maioria das pessoas imagina.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Academia Nacional de Ciências da Ucrânia