Descoberta última refeição de ‘múmia do pântano’ da Dinamarca

Pesquisadores não apenas revelaram o último cardápio do Homem de Tollund – descobriram também que ele tinha vermes intestinais

Cabeça do Homem de Tollund: mingau da última refeição era feito principalmente de cevada. Crédito: Sven Rosborn/Wikimedia Commons

Pesquisadores dinamarqueses fizeram o estudo mais detalhado já realizado sobre o estômago e o conteúdo intestinal do chamado Homem de Tollund, um cadáver mumificado encontrado em 1950 em um pântano na península da Jutlândia. Seu trabalho foi apresentado na revista Antiquity.

O Homem de Tollund é um dos corpos mais preservados que existem – tanto que os primeiros investigadores pensaram inicialmente estar diante de um assassinato recente. Os exames da datação do carbono-14 revelaram, porém, que ele vivera por volta do ano 350 a.C. e morrera com aproximadamente 40 anos, durante a Idade do Ferro das tribos celtas da Europa Central. Tinha 1,61 metro de altura, cabelos ruivos e estava nu, embora vestisse um gorro e tivesse um cinto de couro de 77 centímetros de comprimento em volta da cintura.

Pesquisadores da época da descoberta do corpo notaram que o homem havia comido uma espécie de mingau antes de ser enforcado até a morte. Os cientistas de agora, do Museu de Silkeborg, do Museu Nacional da Dinamarca, do Museu de Moesgaard e da Universidade de Aarhus, encontraram em seu intestino indícios de um mingau feito principalmente de cevada. O alimento também continha linho, sementes e uma pequena quantidade de peixes.

Fotomicrografias do conteúdo do intestino do Homem de Tollund: a) aglomerado de pólen de cevada (Hordeum vulgare); b) células da epiderme do linho (Linum usitatissimum); c) células da epiderme da cevada; d) ovo de Trichuris trichiura; e) ovo de Ascaris sp.; f) ovo de tênia. Créditos: R. Enevold, Museu de Moesgaard
Vermes intestinais

Foi possível descobrir ainda que a refeição havia sido cozida em uma panela de barro e ligeiramente queimada antes de ser servida. Segundo os pesquisadores, o mingau foi tão bem preservado que seria possível reconstituir sua receita.

Os pesquisadores foram além e descobriram que o homem tinha vermes intestinais, como a tênia, e seus ovos. A suspeita é que esses parasitas tenham sido ingeridos via consumo de carne crua ou mal cozida, ou de água de um poço poluído.

Quanto ao motivo da morte, os cientistas consideram possível que ele tenha sido vítima de um ritual de sacrifício humano. Mas não descartam a possibilidade de que ele simplesmente tenha sido morto por uma ação considerada passível de morte pelo grupo que o enforcou.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago