• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia06/07/2022

Descobertas em Israel primeiras representações de heroínas bíblicas

Crédito: Jim Haberman

06/07/22 - 12h34min

Uma equipe de especialistas e estudantes liderada por Jodi Magness, professora da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill (EUA), retornou recentemente à Baixa Galileia, em Israel, para continuar desenterrando mosaicos de quase 1.600 anos em uma antiga sinagoga judaica em Huqoq. As descobertas feitas este ano incluem a primeira representação conhecida das heroínas bíblicas Débora e Jael, conforme descrito no Livro dos Juízes.

O Projeto de Escavação Huqoq está agora em sua 10ª temporada depois que as temporadas recentes foram interrompidas devido à pandemia de covid-19. Magness, diretora do projeto, e o diretor assistente Dennis Mizzi, da Universidade de Malta, concentraram-se nesta temporada na parte sudoeste da sinagoga, construída no final do século 4 d.C. e início do século 5 d.C.

Primeira representação do episódio

Nesta temporada, a equipe do projeto desenterrou uma parte do piso da sinagoga decorada com um grande painel de mosaico dividido em três faixas horizontais (chamadas de registros), que retrata um episódio do capítulo 4 do Livro dos Juízes: a vitória das forças israelitas lideradas pela profetisa e juíza Débora e pelo comandante militar Baraque sobre o exército cananeu liderado pelo general Sísera. A Bíblia relata que, após a batalha, Sísera se refugiou na tenda de uma mulher queneia chamada Jael (Yael), que o matou golpeando-o com uma estaca de tenda enquanto ele dormia.

O registro superior do recém-descoberto mosaico em Huqoq mostra Débora sob uma palmeira, olhando para Baraque, que está equipado com um escudo. Apenas uma pequena parte do registro médio é preservada, o que parece mostrar Sísera sentado. O registro mais baixo mostra Sísera morto no chão, sangrando na cabeça enquanto Jael martela uma estaca de tenda em sua têmpora.

“Esta é a primeira representação desse episódio e a primeira vez que vimos uma representação das heroínas bíblicas Débora e Jael na arte judaica antiga”, disse Magness. “Olhando para o Livro de Josué, capítulo 19, podemos ver como a história pode ter tido uma ressonância especial para a comunidade judaica em Huqoq, pois é descrita como ocorrendo na mesma região geográfica – o território das tribos de Naftali e Zebulon.”

Também entre os mosaicos recém-descobertos está uma inscrição dedicatória fragmentada em hebraico dentro de uma coroa de flores, ladeada por painéis medindo 1,8 metro de altura e 0,6 metro de largura, que mostram dois vasos que sustentam trepadeiras. As vinhas formam medalhões que emolduram quatro animais comendo cachos de uvas: uma lebre, uma raposa, um leopardo e um javali.

Uma década de descobertas

Os mosaicos foram descobertos pela primeira vez no local em 2012, e o trabalho continuou a cada verão até que a pandemia de covid-19 interrompeu o trabalho após a escavação em 2019. Os mosaicos expostos nas últimas 10 temporadas ativas cobrem os corredores e o salão principal da sinagoga.

As descobertas ao longo do corredor leste incluem:

– Painéis representando Sansão e as raposas (conforme relatado em Juízes 15:4);

– Sansão carregando o portão de Gaza em seus ombros (Juízes 16:3);

– Uma inscrição em hebraico cercada por figuras humanas, animais e criaturas mitológicas, incluindo putti, ou cupidos;

– A primeira história não bíblica encontrada decorando uma antiga sinagoga – talvez o lendário encontro entre Alexandre Magno e o sumo sacerdote judeu.

O piso de mosaico do corredor norte é dividido em duas fileiras de painéis contendo figuras e objetos acompanhados de inscrições hebraicas que os identificam como histórias bíblicas, incluindo:

– Um painel mostra dois dos espiões enviados por Moisés para explorar Canaã carregando um poste com um cacho de uvas, rotulado “um poste entre dois” (de Números 13:23)

– Outro painel mostrando um homem conduzindo um animal em uma corda é acompanhado pela inscrição “uma criança pequena os conduzirá” (Isaías 11:6)

Os painéis de mosaicos da nave, ou salão principal, incluem:

– Um retrato da Arca de Noé;

– A separação do Mar Vermelho;

– Um ciclo helio-zodiacal;

– Jonas sendo engolido por três peixes sucessivos;

– A construção da Torre de Babel.

Ponto de peregrinação

Em 2019, a equipe descobriu painéis no corredor norte que emolduram figuras de animais identificados por uma inscrição aramaica como as quatro bestas representando quatro reinos no Livro de Daniel, capítulo 7. Um grande painel no corredor noroeste retrata Elim, o local onde os israelitas acamparam perto de 12 nascentes e 70 tamareiras depois de partirem do Egito e vagarem no deserto sem água (Êxodo 15:27).

No século 14 d.C. (período mameluco), a sinagoga foi reconstruída e ampliada em tamanho, talvez em conexão com o surgimento de uma tradição de que o Túmulo de Habacuque estava localizado nas proximidades. Isso tornou a sinagoga um ponto focal da peregrinação judaica medieval tardia.

“O edifício do século 14 d.C. parece ser a primeira sinagoga do período mameluco já descoberta em Israel, tornando-se não menos importante do que o edifício anterior”, disse Magness.

Os mosaicos foram removidos do local para conservação e as áreas escavadas foram aterradas. As escavações estão programadas para continuar no verão de 2023. Para informações adicionais e atualizações, visite o site do projeto: www.huqoq.org.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Baraque