Descobertas moradas subaquáticas de produtores de sal maias em Belize

Produção de sal excedente permitia a esses trabalhadores ter meios para comprar produtos vindos de fora

Arqueólogos da Universidade Estadual da Louisiana escavam o antigo sítio de salinas maia Paynes Creek, em Belize, que foi submerso e preservado. Crédito: Heather McKillop, LSU

Os antigos maias tinham templos e palácios de pedra na floresta tropical da América Central, junto com registros dinásticos de líderes reais esculpidos em pedra, mas careciam de um bem básico essencial para a vida diária: o sal. As fontes de sal estão principalmente ao longo da costa, incluindo salinas na costa de Yucatán e salmoura ao longo da costa de Belize, onde chove muito. Mas como os maias do interior mantinham o suprimento de sal?

A arqueóloga Heather McKillop, da Universidade Estadual da Louisiana (EUA), e sua equipe escavaram “cozinhas de sal” (locais de produção doméstica de sal) onde a salmoura era fervida em potes de barro sobre fogueiras em edificações de sapé preservadas em sedimentos livres de oxigênio abaixo do fundo do mar em Belize. Mas o local onde viviam esses trabalhadores do sal é indescritível, deixando possíveis interpretações de trabalhadores diários ou sazonais da costa ou mesmo do interior. Essa lacuna deixou questões incômodas sobre a organização da produção e distribuição.

Novas descobertas sobre a organização da indústria do sal para fornecer esse produto alimentar básico às cidades do interior durante a civilização maia clássica foram relatadas em um artigo recente de McKillop e de Cory Sills, graduada pela Universidade Estadual da Louisiana e hoje professora associada da Universidade do Texas-Tyler (EUA). Seu artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista Ancient Mesoamerica.

A arqueóloga Heather McKillop e sua equipe da Universidade Estadual da Louisiana fizeram novas descobertas sobre a organização da indústria do sal para fornecer esse produto alimentar básico às cidades do interior durante a civilização maia clássica. Crédito: LSU
Datação por radiocarbono

McKillop e Sills iniciaram esse novo projeto em busca de residências onde viviam essas pessoas e para entender a produção de sal na época. Embora o trabalho de campo em Ek Way Nal, onde o Paynes Creek Saltworks está localizado, tenha sido adiado desde março de 2020 devido à pandemia, os pesquisadores se voltaram para o material anteriormente exportado para estudo no laboratório de Arqueologia da Universidade Estadual da Louisiana, incluindo centenas de amostras de madeira de construções de sapé, bem como cacos de cerâmica.

“O Laboratório de Arqueologia parece uma festa Tupperware, com centenas de recipientes de plástico com água, mas eles estão mantendo as amostras de madeira úmidas para que não sequem e se deteriorem”, disse McKillop, professora no Departamento de Geografia e Antropologia da Universidade Estadual da Louisiana.

Ela explicou a estratégia para continuar a pesquisa no laboratório: “Decidi enviar uma amostra de madeira para datação por radiocarbono de cada edificação em Ek Way Nal para ver se todos datavam da mesma época, o que foi sugerido pela visibilidade dos artefatos e edificações no fundo do mar”.

Quando as datas começaram a chegar, duas de cada vez, McKillop identificou uma sequência de construção de edificações que começou no final do período Clássico, no auge da civilização maia, e continuou até o Clássico Terminal, quando os líderes dinásticos das cidades-estados do interior estavam perdendo o controle e, posteriormente, as cidades foram abandonadas, em 900 d.C.

Cronologia

De acordo com McKillop, “usar o bem estudado sítio de Sacapulas, Guatemala, como modelo, funcionou bem para desenvolver expectativas arqueológicas para diferentes atividades de fervura de salmoura em uma cozinha de sal, uma residência e outras atividades, incluindo salgar peixes”.

Em seu artigo, a equipe relata uma sequência de construção de edificações em três partes com cozinha de sal, pelo menos uma residência e uma área externa onde os peixes eram salgados e secos. A estratégia dos arqueólogos de datação por radiocarbono de cada edificação produziu uma cronologia de grãos mais finos para Ek Way Nal, que eles estão usando em mais locais.

A nova análise verifica a estimativa de McKillop de que 10 cozinhas de sal estavam em produção ao mesmo tempo na Paynes Creek Salt Works, que ela relatou em seu livro Maya Salt Works (2019, University Press of Florida).

“A pesquisa destaca a importância da datação por radiocarbono de cada construção de sapê nas salinas para avaliar a capacidade de produção dessa necessidade alimentar. A pesquisa também mostra o valor de mapear individualmente artefatos e postes no fundo do mar em locais subaquáticos em para interpretar o uso da construção. Usar o sal de Sacapulas como modelo para desenvolver correlatos arqueológicos se ajusta a Ek Way Nal e sugere que os maias que viviam permanentemente na comunidade estavam engajados na produção doméstica de sal excedente que estava bem integrado na economia regional, permitindo-lhes adquirir uma variedade de bens não locais”, disse ela.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago