Descoberto ancestral minúsculo de dinossauros e pterossauros

O Kongonaphon kely, encontrado em Madagascar, media cerca de 10 centímetros e alimentava-se de insetos

Concepção artística do Kongonaphon kely, réptil recém-descrito próximo aos ancestrais de dinossauros e pterossauros, no que teria sido seu ambiente natural no Triássico (cerca de 237 milhões de anos atrás). Crédito: Alex Boersma

Os dinossauros e os pterossauros voadores podem ser conhecidos por seu tamanho notável, mas uma espécie recém-descrita de Madagascar, que viveu cerca de 237 milhões de anos atrás, sugere que eles se originaram de ancestrais extremamente pequenos. O réptil fóssil, chamado Kongonaphon kely, ou “pequeno matador de insetos”, teria apenas 10 centímetros de altura. A descrição e análise deste fóssil e de seus parentes, publicada na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”, pode ajudar a explicar as origens do voo em pterossauros, a presença de penugem na pele de pterossauros e dinossauros e outras perguntas sobre esses animais.

“Existe uma percepção geral dos dinossauros como gigantes”, disse Christian Kammerer, curador de pesquisas em paleontologia do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte e ex-bolsista do Museu Americano de História Natural (EUA). “Mas este novo animal está muito próximo da divergência de dinossauros e pterossauros, e é surpreendentemente pequeno.”

Os dinossauros e os pterossauros pertencem ao grupo Ornithodira. Suas origens, no entanto, são pouco conhecidas, já que foram encontrados poucos espécimes próximos à raiz dessa linhagem. Os fósseis do Kongonaphon foram descobertos em 1998 em Madagascar por uma equipe de pesquisadores liderados por John Flynn, curador de fósseis de mamíferos do Museu Americano de História Natural (que trabalhava no Field Museum de Chicago na época), em estreita colaboração com cientistas e estudantes da Universidade de Antananarivo (Madagascar) e o colíder do projeto Andre Wyss, presidente e professor do Departamento de Ciências da Terra da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara e pesquisador associado do Museu Americano de História Natural.

LEIA TAMBÉM: Estudo define que asteroide causou extinção dos dinossauros

Reconstituição do Kongonaphon kely que permite a comparação do seu tamanho com o de mãos humanas. Crédito: Frank Ippolito, © Museu Americano de História Natural
Riqueza fóssil de Madagascar

“Esse sítio fóssil no sudoeste de Madagascar, a partir de um intervalo de tempo pouco conhecido globalmente, produziu alguns fósseis incríveis, e esse pequeno espécime foi misturado entre as centenas que coletamos do local ao longo dos anos”, disse Flynn. “Demorou algum tempo até que pudéssemos focar nesses ossos. Mas, uma vez que fizemos isso, ficou claro que tínhamos algo único e que merecia uma olhada mais de perto. Esse é um ótimo exemplo de por que as descobertas de campo – combinadas com a tecnologia moderna para analisar os fósseis recuperados – ainda são tão importantes.”

“A descoberta desse pequeno parente de dinossauros e pterossauros enfatiza a importância do registro fóssil de Madagascar para melhorar o conhecimento da história dos vertebrados durante tempos pouco conhecidos em outros lugares”, disse o colíder do projeto Lovasoa Ranivoharimanana, professor e diretor do laboratório de paleontologia de vertebrados na Universidade de Antananarivo. “Ao longo de duas décadas, nossas equipes colaborativas de Madagascar e dos EUA treinaram muitos estudantes malgaxes em ciências paleontológicas, e descobertas como essa ajudam pessoas em Madagascar e em todo o mundo a apreciar melhor o registro excepcional da vida antiga preservada nas rochas do nosso país.”

O Kongonaphon não é o primeiro animal pequeno conhecido perto da raiz da árvore genealógica do grupo Ornithodira, mas anteriormente esses espécimes eram considerados “exceções isoladas à regra”, observou Kammerer. Em geral, o pensamento científico era que o tamanho do corpo permanecia semelhante entre os primeiros arqueossauros (arcossauros) – o maior grupo de répteis, que inclui pássaros, crocodilianos, dinossauros não aviários e pterossauros – e os primeiros ornitodiranos, antes de aumentar para proporções gigantescas na linhagem dos dinossauros.

Comparação do tamanho do corpo entre o recém-descoberto Kongonaphon kely (à esquerda) e um dos primeiros dinossauros, o Herrerasaurus. Crédito: silhuetas de phylopic.org de Scott Hartman (CC BY 3.0) e AMNH/Frank Ippolito
Miniaturização

“Descobertas recentes como o Kongonaphon nos deram uma compreensão muito melhor da evolução inicial dos ornitodiranos. Analisando as mudanças no tamanho do corpo ao longo da evolução dos arqueossauros, descobrimos evidências convincentes de que ela diminuiu acentuadamente no início da história da linhagem dinossauro-pterossauro”, disse Kammerer.

Esse evento de “miniaturização” indica que as linhagens de dinossauros e pterossauros se originaram de ancestrais extremamente pequenos, gerando implicações importantes para sua paleobiologia. Por exemplo, o desgaste nos dentes do Kongonaphon sugere que ele comia insetos. Uma mudança para a dieta insetívora, que está associada ao tamanho pequeno do corpo, pode ter ajudado os ornitodiranos iniciais a sobreviverem ocupando um nicho diferente da maioria de seus parentes contemporâneos, que comiam carne.

O trabalho também sugere que revestimentos de pele difusa, que variam de simples filamentos a penas, conhecidos nos lados dos dinossauros e pterossauros da árvore ornitodirana, podem ter se originado para termorregulação nesse ancestral comum de corpo pequeno. Isso ocorre porque a retenção de calor em corpos pequenos é difícil, e o período central e final do Triássico foi de extremos climáticos, com mudanças bruscas de temperatura entre dias quentes e noites frias.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança