Descoberto local do desejo sexual masculino no cérebro

Regulador do comportamento sexual nos homens, o gene aromatase pode ser alvo de tratamentos para ampliar ou reduzir o apetite sexual em pacientes

A aromatase tem relação direta com o desejo sexual masculino. Crédito: Pikrepo

O lugar do desejo sexual masculino foi descoberto em regiões específicas do tecido cerebral onde um gene chave chamado aromatase está presente, relata um novo estudo da faculdade de medicina da Northwestern Medicine (grupo de saúde vinculado à Northwestern University, dos EUA) em ratos. O estudo a esse respeito foi publicado na revista “Endocrinology”.

O gene regula o comportamento sexual nos homens e, portanto, pode ser direcionado por drogas para aumentar sua função em casos de desejo sexual baixo ou diminuir sua função em casos de desejo sexual compulsivo, disseram os cientistas. A aromatase converte testosterona em estrogênio no cérebro, o que estimula a atividade sexual masculina.

A função total da aromatase no cérebro adulto não era conhecida.

LEIA TAMBÉM: Ver pornografia faz o cérebro regredir a um estado mais juvenil

“Esta é a primeira descoberta importante para explicar como a testosterona estimula o desejo sexual”, disse o autor sênior do estudo, dr. Serdar Bulun, chefe de obstetrícia e ginecologia da Feinberg School of Medicine da Northwestern University e da Northwestern Medicine. “Pela primeira vez, demonstramos conclusivamente que a conversão de testosterona em estrogênio no cérebro é crítica para manter a atividade sexual plena ou desejo nos homens. A aromatase impulsiona isso.”

Quando os cientistas da Northwestern eliminaram a aromatase seletivamente no cérebro, a atividade sexual em camundongos machos diminuiu 50%, apesar de os animais terem níveis mais elevados de testosterona no sangue (em comparação com camundongos machos de controle).

Conversão

“Os camundongos machos perderam parcialmente o interesse pelo sexo”, disse o autor do estudo, dr. Hong Zhao, professor associado de obstetrícia e ginecologia em Feinberg. “A aromatase é a enzima chave para a produção de estrogênio. O estrogênio tem funções em homens e mulheres. A testosterona deve ser convertida em estrogênio para conduzir o desejo sexual nos homens.”

Se um camundongo macho normal for colocado com uma fêmea, Bulun disse, “ele irá persegui-la e tentar fazer sexo com ela. Se você eliminar o gene da aromatase no cérebro, sua atividade sexual será significativamente reduzida. Há menos frequência de acasalamento. Os camundongos machos não estão muito interessados”.

A descoberta pode contribuir para novos tratamentos para distúrbios do desejo sexual, disseram os cientistas.

Clinicamente conhecido como transtorno do desejo sexual hipoativo, o baixo desejo sexual é uma condição comum e pode ser um efeito colateral de medicamentos amplamente usados, como uma categoria de antidepressivos conhecidos como SSRIs. Um tratamento para aumentar a aromatase nesse distúrbio pode aumentar o desejo sexual, disse Bulun.

Por outro lado, o desejo sexual compulsivo é outra condição que pode ser tratada por um inibidor sistêmico da aromatase existente, mas esse tratamento tem efeitos colaterais como a osteoporose. Agora, novas drogas seletivas que suprimem apenas a região do promotor cerebral do gene da aromatase podem ser desenvolvidas, disse Bulun. Esses novos medicamentos seletivos não causariam os efeitos colaterais dos inibidores da aromatase atualmente existentes.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança