Descoberto na Austrália ancestral de todos os animais modernos

Semelhante a um verme, a Ikaria wariootia, que viveu há 555 milhões de anos, foi o primeiro organismo com frente e verso, dois lados simétricos e aberturas nas extremidades, ligadas por um intestino

Concepção artística da Ikaria wariootia: antepassado de todos nós. Crédito: Sohail Wasif/UC Riverside

Uma equipe liderada pelos geólogos da Universidade da Califórnia em Riverside (UC Riverside) descobriu o primeiro ancestral da árvore genealógica que contém os animais mais familiares atualmente, incluindo seres humanos.

A minúscula criatura parecida a um verme, chamada Ikaria wariootia, é o primeiro bilateriano, ou organismo com frente e verso, dois lados simétricos e aberturas nas extremidades, conectadas por um intestino. O artigo foi publicado hoje na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

Os primeiros organismos multicelulares, como esponjas e tapetes de algas, tinham formas variáveis. Coletivamente conhecido como Biota Ediacarana, esse grupo contém os fósseis mais antigos de organismos multicelulares complexos. No entanto, a maioria deles não está diretamente relacionada aos animais de hoje, incluindo criaturas em forma de lírio conhecidas como Dickinsonia, que carecem de características básicas da maioria dos animais, como boca ou intestino.

LEIA TAMBÉM: Fóssil de peixe revela origem evolutiva das mãos humanas

O desenvolvimento da simetria bilateral foi um passo crítico na evolução da vida animal, dando aos organismos a capacidade de mover-se propositadamente e uma maneira comum, mas bem-sucedida, de organizar seus corpos. Uma multidão de animais, de vermes a insetos, de dinossauros a humanos, está organizada em torno desse mesmo plano corporal bilateriano básico.

Missão difícil

Os biólogos evolucionistas que estudavam a genética dos animais modernos previram que o ancestral mais antigo de todos os bilaterianos seria simples e pequeno, com órgãos sensoriais rudimentares. Preservar e identificar os restos fossilizados de tal animal era considerado difícil, se não impossível.

Por 15 anos, os cientistas concordaram que as tocas fossilizadas encontradas em depósitos do período Ediacarano de 555 milhões de anos atrás em Nilpena (Austrália Meridional) foram feitas por bilaterianos. Mas não havia sinal da criatura que fez as tocas, deixando os cientistas com nada além de especulação.

Varredura a laser 3D que mostra a forma regular e consistente de um corpo cilíndrico com uma cabeça e cauda distintas e musculatura levemente estriada. Crédito: Droser Lab/UC Riverside

Scott Evans, que recentemente se doutorou na UC Riverside, e Mary Droser, professora de geologia da universidade, notaram impressões ovais minúsculas perto de algumas dessas tocas. Com financiamento de uma bolsa de exobiologia da Nasa, eles usaram um scanner a laser tridimensional que revelou a forma regular e consistente de um corpo cilíndrico com cabeça e cauda distintas e musculatura levemente estriada. O animal variou entre 2 e 7 milímetros de comprimento e cerca de 1 a 2,5 milímetros de largura, com o maior tendo o tamanho e a forma de um grão de arroz – exatamente o tamanho certo para as tocas.

“Pensamos que esses animais deveriam existir durante esse intervalo, mas sempre entendemos que seria difícil reconhecê-los”, disse Evans. “Depois que fizemos as varreduras em 3D, sabíamos que havíamos feito uma descoberta importante.”

Complexidade

A equipe de pesquisadores, que inclui Ian Hughes, da Universidade da Califórnia em San Diego, e James Gehling, do South Australia Museum, descreve no estudo a Ikaria wariootia, cujo nome reconhece os guardiões originais da terra. O nome do gênero vem de Ikara, que significa “local de encontro” na língua adnyamathanha. É a denominação adnyamathanha para um agrupamento de montanhas conhecido em inglês como Wilpena Pound. O nome da espécie vem do riacho Warioota, que vai dos Montes Flinders até a Estação Nilpena.

“As tocas de Ikaria aparecem mais baixas do que qualquer outra coisa. É o fóssil mais antigo que obtemos com esse tipo de complexidade”, disse Droser. “Dickinsonia e outras grandes coisas foram provavelmente becos sem saída evolutivos. Sabíamos que também tínhamos muitas pequenas coisas e pensávamos que esses poderiam ter sido os primeiros bilaterianos que estávamos procurando.”

Impressões da Ikaria wariootia em pedra. Crédito: Droser Lab/UC Riverside

Apesar de sua forma relativamente simples, a Ikaria era complexa em comparação com outros fósseis desse período. Ela escavou camadas finas de areia bem oxigenada no fundo do oceano em busca de matéria orgânica, indicando habilidades sensoriais rudimentares. A profundidade e curvatura da Ikaria representam as extremidades dianteira e traseira claramente distintas, apoiando o movimento direcionado encontrado nas tocas.

As tocas também preservam cristas cruzadas em forma de “V”, sugerindo que a Ikaria se movia contraindo os músculos do corpo como um verme, conhecido como locomoção peristáltica. Evidências de deslocamento de sedimentos nas tocas e sinais de que o organismo se alimentava de matéria orgânica enterrada revelam que a Ikaria provavelmente tinha boca, ânus e intestino.

“Isto é o que os biólogos evolucionistas previram”, disse Droser. “É realmente empolgante que o que descobrimos esteja alinhado com a previsão deles.”