Descoberto nos EUA precursor de mamíferos de 220 milhões de anos

Pequeno animal, semelhante a um rato, viveu num tempo em que o atual e desértico Arizona era coberto por uma exuberante floresta tropical

Imagem criada em Photoshop do Kataigidodon venetus por Ben Kligman. Crédito: Virginia Tech

Fragmentos fossilizados do osso da mandíbula de uma criatura semelhante a um rato encontrados em 2019 no Parque Nacional da Floresta Petrificada, no Arizona (EUA), por um aluno de doutorado da Faculdade de Ciências da universidade Virginia Tech (EUA) são, na verdade, de uma espécie recém-descoberta de 220 milhões de anos de um cinodonte, um precursor dos mamíferos modernos.

A descoberta dessa nova espécie, Kataigidodon venetus, foi publicada na revista “Biology Letters” pelo autor Ben Kligman, aluno de doutorado no Departamento de Geociências da Virginia Tech.

“Esta descoberta lança luz sobre a geografia e o meio ambiente durante a evolução inicial dos mamíferos”, disse Kligman. “Isso também acrescenta evidências de que climas úmidos desempenharam um papel importante na evolução inicial dos mamíferos e seus parentes mais próximos. O Kataigidodon vivia ao lado de dinossaurosomorfos e, possivelmente, dos primeiros dinossauros relacionados a Celophysis – um pequeno predador bípede. O Kataigidodon era possivelmente presa desses primeiros dinossauros e outros predadores como crocodilomorfos, pequenos predadores quadrúpedes semelhantes a coiotes aparentados com crocodilos vivos.”

LEIA TAMBÉM: Achado na Bahia 1º fóssil de mamífero não humano com câncer da Era do Gelo

Kligman acrescentou que encontrar um fóssil que faz parte da Cynodontia, que inclui primos próximos de mamíferos, como Kataigidodon, bem como mamíferos verdadeiros, em rochas do Triássico é um evento extremamente raro na América do Norte. Antes da descoberta de Kligman, o único outro fóssil inequívoco de cinodonte do Triássico Superior do oeste da América do Norte foi descoberto em 1990 no Texas: uma caixa craniana de Adelobasileus cromptoni. Deve-se observar que, há 220 milhões de anos, os atuais Arizona e Texas estavam localizados próximos ao equador, perto do centro do supercontinente Pangeia. O Kataigidodon teria vivido em um ecossistema de floresta tropical exuberante.

Maxilar e dentes

Kligman fez a descoberta enquanto trabalhava como paleontólogo sazonal no Parque Nacional da Floresta Petrificada em 2019. Os dois fósseis de mandíbula inferior de Kataigidodon foram encontrados na Formação Triássico Superior de Chinle. Como apenas as mandíbulas inferiores foram descobertas e são bastante pequenas – 1,3 centímetro, o tamanho de um grão médio de arroz –, Kligman tem apenas uma semi-imagem de como a criatura parecia: cerca de 9 centímetros de tamanho total do corpo, menos a cauda.

Junto com os fósseis de maxilar, Kligman encontrou dentes incisivos, caninos e pós-caninos complexos, semelhantes aos dos mamíferos modernos. Dada a forma pontiaguda de seus dentes e o tamanho pequeno do corpo, provavelmente o animal se alimentava de insetos, acrescentou Kligman.

Segundo o cientista, fósseis de mandíbulas são comumente encontrados, mesmo entre pequenos espécimes, porque o registro fóssil é “tendencioso” em apenas preservar os ossos maiores e mais robustos em um esqueleto. Os outros ossos menores ou mais frágeis – costelas, braços, pés – desaparecem, afirma ele.

Kligman realizou trabalho de campo, preparação de espécimes, tomografia computadorizada, concepção e desenho do estudo e redação do manuscrito. Ele e seus colaboradores só descobriram que os fósseis eram de uma nova espécie depois de revisar o conjunto de dados da tomografia computadorizada das mandíbulas e compará-lo com outras espécies relacionadas, afirma.

“Provavelmente teria se parecido com um pequeno rato ou camundongo. Se você visse pessoalmente, pensaria que é um mamífero”, acrescentou Kligman.

Novas espécies por encontrar

O animal tinha pele? Kligman e os pesquisadores com quem trabalhou para identificar e nomear a criatura realmente não sabem. “Não foram encontrados cinodontes do Triássico em ambientes geológicos que poderiam preservar a pele se ela existisse. No entanto, mais tarde os cinodontes não mamíferos do Jurássico tinham pele; então, os cientistas presumem que os do Triássico também tinham.”

O nome Kataigidodon venetus deriva das palavras gregas para tempestade, “kataigidos”, e dente, “odon”, e da palavra latina para azul, “venetus”, todas referindo-se à localização da descoberta do cume da tempestade e à cor azul do rochas nesse sítio. Kligman não nomeou a criatura, no entanto. Essa tarefa coube a Hans Dieter-Sues, coautor do estudo e curador da paleontologia de vertebrados no Museu Nacional Smithsoniano.

“Este estudo exemplifica a ideia de que o que coletamos determina o que podemos dizer”, disse Michelle Stocker, professora assistente de geociências da Virginia Tech e orientadora de doutorado de Kligman. “Nossas hipóteses e interpretações de vidas passadas na Terra dependem dos materiais fósseis reais que temos, e se nossas imagens de busca para encontrar fósseis se concentrarem apenas em animais de grande porte, perderemos aqueles pequenos espécimes importantes que são fundamentais para compreender a diversificação de muitos grupos.”

Com Kataigidodon sendo apenas o segundo outro fóssil inequívoco de cinodonte do Triássico Superior encontrado no oeste da América do Norte, poderia haver mais novas espécies esperando para ser encontradas? Provavelmente, de acordo com Kligman. “Temos evidências preliminares de que mais espécies de cinodontes estão presentes no mesmo local que o Kataigidodon, mas esperamos encontrar fósseis melhores deles”, acrescentou.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança