Descobertos pela 1ª vez casos de hanseníase em chimpanzés selvagens

Macacos com a doença foram observados em Guiné-Bissau e na Costa do Marfim, na África; cepas raramente são encontradas em seres humanos

Chimpanzé: a hanseníase nunca havia sido registrada nesses animais na natureza. Crédito: Piqsels

Fotos obtidas em 2017 por armadilhas fotográficas instaladas nas florestas equatoriais do Parque Nacional Cantanhez, em Guiné-Bissau, e do Parque Nacional de Taï, na Costa do Marfim, são o primeiro registro de chimpanzés selvagens com lesões no rosto e em outras partes do corpo indicativas de hanseníase.

Uma colaboração internacional coordenada pela cientista da conservação Kimberley Hockings, da Universidade de Exeter (Reino Unido), e pelo médico veterinário Fabian Leendertz, do Instituto Robert Koch em Berlim (Alemanha), coletou amostras das feridas, além de fezes dos animais, e confirmou que o agente infeccioso era a bactéria Mycobacterium leprae, causadora da hanseníase em seres humanos (bioRxiv, 11 de novembro).

As análises indicaram que as variedades de M. leprae obtidas desses chimpanzés pertencem a cepas diferentes e raramente encontradas em seres humanos.

Embora não descartem a possibilidade de contaminação por pessoas, como já foi observado em animais em cativeiro, os pesquisadores consideram mais provável que os chimpanzés tenham sido infectados após o contato com algum outro animal desconhecido portador da bactéria.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança