Descobrindo água na Lua

Encontrar e extrair água no solo lunar é um fator essencial para a presença humana ali, e para isso a ESA prepara pesquisas mais detalhadas no polo sul da Lua em 2025

Mapa de indícios de água no polo sul lunar produzido com dados de sonda da Nasa: delimitando alvos para pesquisa da ESA em 2025. Crédito: ESA

A Agência Espacial Europeia (ESA) apresentou em seu site um mapa da possível existência de água sob a superfície do polo sul da Lua, com base em dados de temperatura da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter, da Nasa. A ESA está preparando uma carga útil de amostragem de superfície que prospectará água lunar, entre outros recursos. Ela deve ser levada para a Lua a bordo da nave Luna-27, da Rússia, em 2025.

A pesquisadora Hannah Sargeant, da Open University, do Reino Unido, fez parte da lista de inovação 30 Under 30 Europe 2020 da revista “Forbes” por seu trabalho no desenvolvimento de um método aprimorado de extrair água lunar em apoio ao projeto.

Sargeant comentou: “É ótimo ver que a pesquisa sobre recursos espaciais está sendo reconhecida e valorizada em um fórum público… Estou honrada em fazer parte do grupo europeia Forbes 30 Under 30 deste ano, mas gostaria de enfatizar que há muitos pesquisadores incríveis com quem trabalho que merecem um lugar nessa lista. O futuro da ciência e tecnologia espacial está definitivamente em ótimas mãos!”

LEIA TAMBÉM: Técnica extrai inúmeras informações de um único grão de poeira da Lua

A carga útil geral é chamada de Pacote para Observação de Recursos e Prospecção In Situ para Pesquisa, Exploração Comercial e Transporte (PROSPECT, na sigla em inglês). Uma broca chamada ProSEED extrairá amostras, que devem conter gelo de água e outros produtos químicos que podem ficar presos nas temperaturas extremamente baixas esperadas; tipicamente -150 °C abaixo da superfície, e abaixo de -200 °C em algumas áreas.

As amostras coletadas pela broca serão passadas para o laboratório químico ProSPA e estudadas por uma equipe da Open University. Essas amostras serão então aquecidas para extrair esses voláteis presos a frio e permitir análises de acompanhamento.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança