Desejo de estar em um grupo leva a julgar os outros mais severamente

É essa vontade, e não a posição política, que leva à discriminação, revelam pesquisadores americanos

Marcha de mulheres contra Donald Trump em janeiro de 2017, em St. Paul (Minnesota): estar em um grupo importa mais que a própria posição política, concluíram pesquisadores da Universidade Duke. Crédito: Fibonacci Blue/Flickr

Em uma época em que as tendências políticas podem parecer estar levando a uma guerra tribal, uma equipe de pesquisa do Trinity College of Arts & Sciences da Universidade Duke EUA) descobriu que o desejo de fazer parte de um grupo é o que torna alguns de nós mais propensos a discriminar contra pessoas de fora de nossos grupos, mesmo em ambientes não políticos.

“Não é o grupo político que importa, é se um indivíduo geralmente parece gostar de estar em um grupo”, disse a economista Rachel Kranton. Ela liderou a pesquisa com o psicólogo e neurocientista Scott Huettel. Os resultados do trabalho saem esta semana na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

“Algumas pessoas são ‘grupais’ – elas se filiam a um partido político, por exemplo”, disse Kranton. “Se você colocar essas pessoas em qualquer ambiente arbitrário, elas agirão de maneira mais tendenciosa do que alguém que tem as mesmas opiniões políticas, mas não se filia a um partido político.”

LEIA TAMBÉM: Humanos e dinossauros juntos? Confira no Museu da Criação

A equipe testou o que eles chamam de “gruposidade” com 141 participantes, usando pesquisa pessoal.

Os participantes foram solicitados a alocar dinheiro para eles próprios e alguém de seu grupo, ou para eles próprios e alguém de fora do grupo. Eles fizeram isso em ambientes diferentes.

Apego ao grupo

Para um teste, os participantes foram divididos em grupos de acordo com suas tendências políticas autodeclaradas. Em outro ambiente, os grupos foram organizados de forma mais neutra, com base em suas preferências entre poemas e pinturas semelhantes. Em um terceiro teste, os outros destinatários do dinheiro foram escolhidos aleatoriamente.

Os pesquisadores esperavam descobrir que quanto mais fortes as opiniões das pessoas dentro de seu grupo, mais eles discriminariam as pessoas de fora do grupo. Mas não foi esse o caso.

O que eles descobriram, em vez disso, foi que ser mais apegado ao próprio grupo tornava os participantes mais tendenciosos contra pessoas de fora de seus grupos, independentemente do contexto, em comparação com pessoas com crenças políticas semelhantes, mas que não se identificavam como democratas ou republicanos.

“Há uma distinção muito específica entre os partidários autodeclarados e os independentes politicamente semelhantes”, disse Huettel. “Eles não diferem em suas posições políticas, mas se comportam de maneira diferente em relação às pessoas que estão fora de seus grupos.”

Um terço dos participantes não foi influenciado por membros do grupo ao alocar seu dinheiro. Esses participantes eram mais propensos a ser politicamente independentes, descobriram os pesquisadores.

Independência x preconceito

“As pessoas que se dizem politicamente independentes têm muito menos probabilidade de mostrar preconceito em um cenário não político”, disse Kranton.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas menos voltadas para o grupo tomam decisões mais rapidamente.

“Não sabemos se as pessoas que não têm grupo são mais rápidas em geral”, disse Kranton. “Pode ser que elas estejam tomando decisões mais rapidamente porque não estão prestando atenção se alguém está em seu grupo ou não cada vez que precisam tomar uma decisão.”

O que torna as pessoas “grupais”? Os pesquisadores não sabem, mas descartaram algumas possibilidades. A característica não se relaciona com gênero ou etnia, por exemplo.

“Existe alguma característica de uma pessoa que os faz ser sensíveis a essas divisões de grupo e usar isso em seu comportamento em pelo menos dois contextos muito diferentes”, disse Huettel. “Não testamos todas as maneiras possíveis pelas quais as pessoas se diferenciam; não podemos mostrar a você que todas as identidades de mentalidade de grupo se comportam dessa maneira. Mas este é um primeiro passo convincente.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança