Desmate na Amazônia deve passar de 10 mil km2, dizem cientistas

Se confirmada, informação significa que cifra volta a ter cinco dígitos depois de 11 anos

Desmate na Terra Indígena Tenharim do Igarapé Preto (AM): novo estudo a ser divulgado hoje deve revelar que o corte de árvores na Amazônia em 2019 voltou a superar 10 mil km2. Crédito: Vinícius Mendonça/Ibama

A taxa oficial de desmatamento na Amazônia, a ser divulgada nesta segunda-feira (18) pelo governo, deve ultrapassar 10 mil quilômetros quadrados. Caso isso aconteça, será a primeira vez desde 2008 que a cifra chega a cinco dígitos. A previsão é de uma análise publicada por cientistas brasileiros e britânicos na semana passada no periódico “Global Change Biology”.

O artigo científico, que busca explicar a crise das queimadas do meio do ano, teve um componente inusitado na história da pesquisa ecológica no Brasil: alguns de seus coautores se recusaram a assiná-lo, temendo represálias por parte do governo Bolsonaro.

O grupo liderado pelo ecólogo britânico Jos Barlow, da Universidade de Lancaster (Reino Unido), fez uma análise das queimadas deste ano a fim de avaliar as alegações do governo de que o número de focos em 2019 era “normal” e estava “abaixo da média histórica”. A resposta é não: a quantidade de queimadas em agosto foi três vezes maior do que no ano anterior e a mais alta desde 2010.

LEIA TAMBÉM: Amazônia completa terceiro mês seguido de desmatamento recorde

Aumentos dessa magnitude só foram observados neste século em duas outras ocasiões: em 2004, quando a taxa de desmatamento chegou a seu segundo maior valor na história, e em 2008, quando o governo baixou medidas duras para restringir o crédito rural a municípios que mais desmataram.

Relação direta

“De janeiro a agosto deste ano, a gente viu quase 47 mil focos de incêndio. A última vez que vimos isso foi em 2010, só que em 2010 houve uma seca extrema em grande parte da Amazônia, o que não é o caso em 2019”, explica a também ecóloga Erika Berenguer, carioca filiada às universidades de Lancaster e Oxford e coautora do trabalho.

Como outras análises já haviam mostrado, o grupo de Barlow afirma que a quantidade incomum de queimadas está diretamente relacionada a uma elevação igualmente incomum na taxa de desmatamento em 2019. Ainda em agosto, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) mostrou que as queimadas estavam fortemente correlacionadas ao desmatamento. No mês seguinte, mostrou que esse desmatamento ocorria sobretudo em propriedades privadas – um sinal de que fazendeiros estão se sentindo à vontade para desmatar no governo Bolsonaro.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tem tentado botar o desmatamento elevado na conta do governo Temer, e possivelmente repetirá a dose no lançamento dos dados. A cifra, afinal, se reporta ao último semestre da administração anterior e ao primeiro desta.

Barlow diz que os dados de alertas de desmatamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) contêm a resposta a esse argumento. “O Deter mostra que julho, agosto e setembro de 2019 tinham muito mais desmatamento do que em 2018. Quatro vezes mais em julho.”

Forte alta

Desde maio deste ano, e mais marcadamente a partir de junho, o sistema Deter, do Inpe, que monitora o desmatamento em tempo quase real, tem mostrado uma alta forte mês a mês. Os meses de junho, julho, agosto e setembro tiveram altas recordes sucessivas – 98%, 278%, 233% e 95%, respectivamente –, e entre julho e setembro, todos os meses foram os mais altos de toda a série histórica do atual sistema Deter, iniciada em 2015.

Entre agosto de 2018 e julho deste ano, período em que é medida a taxa anual de desmatamento, o Deter viu um salto de quase 50% da devastação. Os dados do sistema Prodes, que mede a taxa oficial, são sempre mais altos do que a área total de alertas medida pelo Deter, mas é difícil estimar a variação percentual do Prodes com base no Deter.

Na série de 2020, iniciada em agosto e que “pertence” integralmente ao governo atual, a alta não parou: apenas entre agosto e outubro, o número de alertas soma 3.929 km2, o que já representa 57% de tudo o que se perdeu em 12 meses da série de 2019.

Surpresa

Barlow e colegas estimaram um fator de conversão médio entre um sistema e outro usando a série histórica. Eles mostraram que, na média, o Prodes é 1,54 vez mais alto que o Deter. Caso essa taxa se repita, a cifra de devastação divulgada será de cerca de 10.500 km2.

A notícia de que os dados serão divulgados na segunda-feira foi dada pela coluna da jornalista Sonia Racy, no jornal “O Estado de S.Paulo”, e pegou de surpresa até mesmo os pesquisadores do Inpe, onde a entrevista coletiva de lançamento do dado será concedida.

Segundo o Observatório do Clima apurou, a divulgação do Prodes foi adiantada a pedido do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. Ele viajará aos Estados Unidos e não queria que seu colega Ricardo Salles (Meio Ambiente) lançasse o dado sozinho.