Desperdício de mármore em Roma era menor do que hoje

A análise da decoração de paredes datada do século 2 d.C. fornece novos conhecimentos sobre a eficiência da extração e do processamento de mármore durante o Império Romano

Hall de antiga vila romana em Éfeso com suas lajes de mármore restauradas, agora examinadas com mais detalhes. Crédito: ©: Sinan Ilhan

Quando se trata da arquitetura imperial romana antiga, a maioria das pessoas geralmente tem uma imagem mental de estátuas, colunas ou lajes de mármore branco. Embora seja verdade que muitos edifícios e praças naquela época eram decorados com mármore, frequentemente ele não era o branco. Na verdade, era o mármore colorido que era empregado, como o Cipollino Verde, com veios verdes, extraído na ilha grega de Eubeia. Como o mármore era muito caro, muitas vezes era colocado em placas finas como revestimento sobre outras pedras mais baratas.

“Até o momento, no entanto, nenhum vestígio real de oficinas de mármore da era imperial romana foi encontrado. Então, pouco se sabe sobre o processamento de mármore durante este período”, disse o professor Cees Passchier, do Instituto de Geociências da Universidade Johannes Gutenberg, de Mainz (Alemanha). Junto com outros pesquisadores baseados em Mainz, na Turquia e no Canadá, ele agora terminou de analisar o revestimento de mármore de uma vila romana do século 2 d.C.

Como detalham na edição online do Journal of Archaeological Science: Reports, os pesquisadores utilizaram um software especial normalmente usado para a modelagem 3D de estruturas geológicas. Eles descobriram que a perda de material durante a produção de placas de mármore na época era provavelmente menor do que hoje.

Serraria movida a água

Os pesquisadores examinaram, fotografaram e mediram 54 lajes restauradas de Cipollino Verde, cada uma medindo cerca de 1,3 metro quadrado, usadas para decorar as paredes de uma vila na antiga Éfeso, na costa oeste da Turquia. Diante das marcas de serra em uma das lajes, eles puderam inferir que essas lajes haviam sido cortadas em uma serraria movida a água, na prática usando o que hoje conhecemos como serras metálicas hidráulicas.

Usando reconstruções baseadas nos padrões de lajes, a equipe de pesquisa também pôde concluir que um total de 40 lajes foram serradas de um único bloco de mármore pesando de três a quatro toneladas. Posteriormente, foram montados nas paredes na ordem em que foram produzidos e dispostos em pares lado a lado, produzindo um padrão simétrico.

Finalmente, com a ajuda do software, os pesquisadores criaram um modelo tridimensional do bloco de mármore. Este, por sua vez, lhes permitiu tirar conclusões sobre o desperdício de material durante a produção das lajes.

Placas de mármore analisadas, dispostas de forma típica como uma página dupla de livro. Crédito: ©: Cees W. Passchier
Eficiência notável

“As placas têm cerca de 16 milímetros de espessura e as lacunas entre elas, causadas pela serragem e posterior polimento, têm cerca de 8 milímetros de largura. Essa perda de material atribuível à produção equivale a cerca de um terço. É, portanto, menor do que as taxas agora comumente associadas a muitos formas de produção de mármore moderno”, apontou Passchier. “Podemos, assim, concluir que a extração de mármore durante o período imperial foi notavelmente eficiente.”

Os pesquisadores também descobriram que, embora 42 lajes tenham sido serradas de um bloco de mármore original, duas não foram fixadas nas paredes do corredor. “O arranjo das lajes nas paredes da vila sugere que essas lajes provavelmente foram quebradas, possivelmente durante o polimento ou seu transporte subsequente”, acrescentou Passchier. “Isso significaria que a quantidade perdida devido à quebra seria de 5%, o que também seria um número surpreendentemente baixo.”

Essa pequena perda leva Passchier a presumir que todo o bloco de mármore foi transportado para Éfeso e que as lajes foram cortadas e polidas lá.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago