Dieta com frutos do mar ajudou povos pré-históricos a sair da África

Pioneiros pré-históricos teriam contado com moluscos para sustentá-los enquanto seguiam rotas migratórias da África para a Arábia durante períodos de seca, sugere um novo estudo

Espécime vivo do molusco marinho Conomurex fasciatus. Milhões dessas conchas foram encontradas nas Ilhas Farasan, na Arábia Saudita, como restos de comida de pescadores pré-históricos. Crédito: Niklas Hausmann

Pioneiros pré-históricos podem ter confiado em mariscos para sustentá-los enquanto seguiam rotas migratórias para fora da África durante os períodos de seca, sugere um novo estudo. O trabalho foi publicado na revista “Quaternary International”.

A pesquisa examinou recifes fósseis próximos a margens do Mar Vermelho agora submersas, que marcaram rotas migratórias pré-históricas da África para a Arábia. Os resultados sugerem que essa costa ofereceu os recursos necessários para atuar como uma porta de saída da África durante períodos de pouca chuva, quando outras fontes de alimentos eram escassas.

A equipe de pesquisa, liderada pela Universidade de York (Reino Unido), concentrou-se nos restos de 15 mil conchas que datam de 5 mil anos, durante um período árido na região. Com o litoral das rotas migratórias originais submerso pelo aumento do nível do mar após a última Era do Gelo, as conchas vieram das vizinhas Ilhas Farasan, na Arábia Saudita.

LEIA TAMBÉM: Ásia Ocidental estava conectada bem antes de as cidades surgirem

Os pesquisadores descobriram que as populações de moluscos marinhos eram abundantes o suficiente para permitir colheitas contínuas sem grandes impactos ecológicos. Sua enorme disponibilidade teria permitido às pessoas viverem através dos tempos de seca.

Disponibilidade

Niklas Hausmann, pesquisador do Departamento de Arqueologia da Universidade de York e do Instituto de Pesquisas Costeiras da Baixa Saxônia (Alemanha) e autor principal do estudo, disse: “A disponibilidade de recursos alimentares desempenha um papel importante na compreensão da viabilidade de migrações humanas passadas – migrações de caçadores-coletores exigiriam fontes locais de alimento e períodos de aridez poderiam, portanto, ter restringido esses movimentos. Nosso estudo sugere que as margens do Mar Vermelho tinham os recursos necessários para fornecer uma passagem para povos pré-históricos”.

O estudo também confirma que as comunidades assentadas nas margens do Mar Vermelho poderiam contar com mariscos como recurso alimentar sustentável durante todo o ano.

Hausmann acrescentou: “Nossos dados mostram que, em um momento em que muitos outros recursos em terra eram escassos, as pessoas podiam confiar em seus mariscos disponíveis localmente. Estudos anteriores mostraram que as pessoas do sul do Mar Vermelho comiam mariscos durante todo o ano e por períodos de milhares de anos. Agora também sabemos que esse recurso não foi esgotado por eles, mas que os moluscos continuaram a manter uma população saudável”.

Abundância e resistência

As espécies de moluscos encontradas nos sítios arqueológicos das Ilhas Farasan também foram achadas em abundância em recifes fósseis de mais de 100 mil anos atrás. Isso indica que esses moluscos foram um recurso disponível por períodos mais longos do que os sítios arqueológicos sugeridos anteriormente.

Matthew Meredith-Williams, da Universidade La Trobe (Austrália) e coautor do estudo, disse: “Sabemos que modelar climas passados ​​para aprender sobre recursos alimentares é extremamente útil, mas precisamos diferenciar entre o que está acontecendo em terra e o que está acontecendo na água. Em nosso estudo, mostramos que os alimentos marinhos eram abundantes e resistentes e eram recolhidos pelas pessoas quando elas não podiam confiar na comida terrestre”.

Espécime vivo do molusco marinho Conomurex fasciatus. Milhões dessas conchas foram encontradas nas Ilhas Farasan, na Arábia Saudita, como restos de comida de pescadores pré-históricos. Crédito: Niklas Hausmann

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança