Dinossauro africano tinha crescimento bem diferente

O Massospondylus carinatus crescia de forma variável de estação para estação, num processo mais parecido com o de uma árvore do que com o de um filhote de cachorro ou bebê humano

Massospondylus carinatus: crescimento irregular. Crédito: Dorling Kindersley

Qualquer pessoa que criou um filho ou animal de estimação sabe quão rápido e estável parece ser o seu crescimento. Você sai por alguns dias em viagem de trabalho e quando chega em casa a criança parece ter crescido 10 centímetros! Isso é muito bom para a casa moderna. Mas como os dinossauros cresciam? Eles também surpreendiam seus pais com seu crescimento ininterrupto?

Um novo estudo conduzido pela drª Kimberley Chapelle, do Museu Americano de História Natural de Nova York (EUA) e pesquisadora honorária da Universidade de Witwatersrand (África do Sul) sugere que a resposta é não. Pelo menos para uma espécie icônica de dinossauro do sul da África. O trabalho foi publicado na revista Biology Letters.

Observando os ossos fósseis da coxa em um microscópio, os pesquisadores podem contar as linhas de crescimento, como as de uma árvore. Isso permite que eles estudem o quanto os indivíduos cresceram a cada ano. A partir dos anéis de crescimento nos ossos do Massospondylus carinatus, Chapelle conseguiu mostrar que seu crescimento variava de estação para estação, mais parecido com uma árvore do que com um filhote de cachorro ou um bebê humano.

“Essas coisas estavam em toda a amostra”, disse Chapelle. “Um ano eles poderiam ganhar 100 kg de peso corporal e no ano seguinte eles cresceriam apenas 10 kg!”

Resposta às condições ambientais

O Massospondylus foi um dinossauro de tamanho médio, com até 500 kg de peso corporal, que viveu no Jurássico Inferior, cerca de 200 milhões de anos atrás. Alimentava-se de plantas como samambaias. O estudo sugere que o crescimento do Massospondylus respondeu diretamente às suas condições ambientais. Em um ano bom, com muita chuva e comida, a espécie pode correr na frente, quase dobrando de tamanho. Em um ano ruim, em que os nutrientes eram escassos, ele mal poderia crescer.

Chapelle e seus colegas sugerem que tal estratégia de crescimento pode ter ajudado o Massospondylus a lidar com as duras condições ambientais após a extinção em massa do Triássico, 200 milhões de anos atrás, quando mais de 50% das espécies foram exterminadas.

Massospondylus foi um dos primeiros dinossauros da África Austral nomeados em 1854 e ainda estamos aprendendo muito com ele. Ele nos ensina muito sobre nossos ambientes anteriores e como era a África Austral 200 milhões de anos atrás”, disse Chapelle.

“Este estudo mostra o poder de grandes tamanhos de amostra”, disse Jonah Choiniere, professor da Universidade de Witwatersrand e coautor do estudo. “Quando podemos estudar um dinossauro do embrião ao adulto, como Massospondylus, podemos começar a entendê-los como animais vivos.”

“É emocionante ver padrões de crescimento tão variados em um dinossauro. Isso mostra que há muito ainda o que aprender sobre essas criaturas únicas!”, disse a drª Jennifer Botha, do Museu Nacional de Bloemfontein (África do Sul), outra coautora do estudo.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua