Dinossauro carnívoro tinha sentidos como os dos crocodilos

Juravenator, que viveu no período Jurássico, tinha nódulos nas escamas que respondiam ao toque, à química e às informações de temperatura, tal como os modernos crocodilos

Reconstrução de fósseis e da vida do Juravenator, um pequeno dinossauro carnívoro do Jurássico que viveu na Alemanha. A seta aponta para o órgão sensorial, que se encontra em escalas poligonais que cobrem a parte inferior da cauda. Crédito: Jake Baardse

Paleontólogos descobriram evidências notáveis ​​das capacidades sensoriais na pele fossilizada de um dinossauro carnívoro de 155 milhões de anos. O estudo sobre o achado foi publicado na revista “Current Biology”.

O jovem dinossauro, chamado Juravenator, viveu na atual Alemanha durante o período Jurássico. O exemplar está perfeitamente preservado do nariz à cauda, incluindo restos da pele escamosa e outros tecidos moles.

O dr. Phil Bell, do Centro de Pesquisa de Paleociência da University of New England em Armidale (Austrália), e coautor do estudo, é um importante pesquisador no estudo da pele de dinossauros. “Poucas pessoas prestam muita atenção à pele de dinossauro, porque se presume que sejam répteis grandes e escamosos”, disse ele. “Mas quando olhei de perto para as escamas na lateral da cauda, ​​continuei a encontrar essas pequenas características em forma de anel que não faziam sentido; eram certamente diferentes de outras escamas de dinossauros.”

LEIA TAMBÉM: Dinossauro monstruoso aterrorizava rios que fluíam no Saara

Primeira evidência direta

Os pesquisadores descobriram que as características semelhantes a anéis eram muito semelhantes aos nódulos sensoriais especiais encontrados nas escamas dos crocodilos modernos. Esses nódulos, chamados de órgãos sensoriais tegumentares (ISOs, na sigla em inglês), respondem ao toque, à química e às informações de temperatura, fornecendo aos crocodilos importantes elementos sensoriais sobre o entorno.

O especialista em dinossauros dr. Christophe Hendrickx, da Unidad Ejecutora Lillo em San Miguel de Tucumán (Argentina) e também coautor do estudo, aponta: “Muito pouco se sabe sobre os órgãos sensoriais dos dinossauros. Recentemente, presumiu-se que escalas sensoriais estavam presentes no focinho de tiranossauros como o T. rex com base na textura de seus ossos faciais, mas esta é a primeira evidência direta de sua presença em um dinossauro.”

Como os crocodilos são predadores aquáticos, os pesquisadores também especularam que o Juravenator também pode ter caçado peixes e outros animais aquáticos. Enquanto os jacarés só têm ISOs no rosto, os crocodilos têm ISOs em todo o corpo, incluindo a cauda. Embora a pele de outras partes do corpo de Juravenator seja desconhecida, ele poderia submergir sua cauda para detectar o movimento da presa debaixo d’água.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança