Distanciamento social e moda na história

Itens como tipos diferenciados de saias, máscaras e chapéus têm ajudado a manter as pessoas afastadas de seus usuários

Corte de uma crinolina vitoriana: a armação já impõe distanciamento em relação a outras pessoas. Crédito: Wikimedia

À medida que o mundo lida com o surto de coronavírus, o distanciamento social tornou-se um chavão desses tempos estranhos.

Em vez de estocar alimentos ou correr para o hospital, as autoridades estão dizendo que o distanciamento social – aumentar deliberadamente o espaço físico entre as pessoas – é a melhor maneira pela qual as pessoas comuns podem ajudar a “achatar a curva” e impedir a propagação do vírus.

A moda pode não ser a primeira coisa que vem à mente quando pensamos em estratégias de isolamento. Mas, como historiadora que escreve sobre os significados políticos e culturais da roupa, sei que a moda pode desempenhar um papel importante no projeto de distanciamento social, se o espaço criado ajuda a resolver uma crise de saúde ou a afastar pretendentes desagradáveis.

LEIA TAMBÉM: Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão do coronavírus

Há muito que as roupas servem como uma maneira útil de mitigar o contato próximo e a exposição desnecessária. Nesta crise atual, as máscaras se tornaram um acessório de moda que sinaliza “fique longe”.

Etiqueta e classe

A moda também se mostrou útil durante epidemias passadas, como a peste bubônica, quando os médicos usavam máscaras pontiagudas, semelhantes a pássaros, como uma maneira de manter distância de pacientes doentes. Alguns hansenianos foram forçados a usar um coração em suas roupas e vestir sinos ou badalo para avisar os outros de sua presença.

Médico paramentado com roupas especiais, óculos e máscara pontiaguda durante a peste negra. Crédito: Gerhard Altzenbach (circa 1656)/Wikimedia

No entanto, na maioria das vezes, não é necessária uma pandemia mundial para que as pessoas queiram manter os outros a distância.

No passado, manter distância – especialmente entre gêneros, classes e raças – era um aspecto importante das reuniões sociais e da vida pública. O distanciamento social não tinha nada a ver com isolamento ou saúde; era associado a etiqueta e classe. E a moda era a ferramenta perfeita.

Veja a crinolina da era vitoriana. Essa saia grande e volumosa, que se tornou moda em meados do século 19, foi usada para criar uma barreira entre os sexos em ambientes sociais.

Segurança social

Embora as origens dessa tendência possam ser atribuídas à corte espanhola do século 15, essas volumosas saias se tornaram um marcador de classe no século 18. Somente aqueles privilegiados o suficiente para evitar as tarefas domésticas poderiam usá-las; você precisava de uma casa com espaço suficiente para poder se mover confortavelmente de um cômodo para outro, juntamente com uma criada para ajudá-la a colocá-lo. Quanto maior sua saia, maior seu status.

Nas décadas de 1850 e 1860, mais mulheres da classe média começaram a usar a crinolina quando saias em gaiola começaram a ser produzidas em massa. Em breve, a “crinolinamania” varreu o mundo da moda.

Apesar das críticas dos reformadores de moda, que a viam como outra ferramenta para oprimir a mobilidade e a liberdade das mulheres, a saia larga era uma maneira sofisticada de manter a segurança social feminina. A crinolina determinava que um pretendente em potencial – ou, pior ainda, um estranho – mantivesse uma distância segura do corpo e do decote de uma mulher.

Embora essas saias provavelmente tenham ajudado inadvertidamente a atenuar os perigos dos surtos de varíola e cólera da época, as crinolinas podiam ser um risco à saúde: muitas mulheres eram queimadas até a morte depois que as saias pegavam fogo. Na década de 1870, a crinolina deu lugar à agitação, que enfatizava apenas a plenitude da saia na parte posterior.

Ilustração de 1858 que mostra crinolina pegando fogo. Crédito: Wikimedia
Chapéus e máscaras

As mulheres, no entanto, continuaram a usar a moda como uma arma contra a atenção masculina indesejada. À medida que as saias se estreitavam na década de 1890 e no início de 1900, chapéus grandes – e, mais importante, alfinetes de chapéu, que eram agulhas de metal afiadas usadas para prender os chapéus – ofereceram às mulheres a proteção contra assediadores que as crinolinas costumavam proporcionar.

Quanto à manutenção da saúde, a teoria dos germes e uma melhor compreensão da higiene levaram à popularização das máscaras faciais – muito semelhantes às que usamos hoje – durante a gripe espanhola. E enquanto a necessidade de as mulheres manterem distância de pretendentes irritantes permanecia, os chapéus eram usados ​​mais para manter as máscaras intactas do que para afastar estranhos.

Hoje, não está claro se o coronavírus levará a novos estilos e acessórios. Talvez vejamos o surgimento de novas formas de roupas protetoras, como o “escudo vestível” que uma empresa chinesa desenvolveu.

Mas, por enquanto, parece mais provável que todos continuemos a usar pijamas.

 

* Einav Rabinovitch-Fox é professora assistente visitante da Case Western Reserve University, EUA.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança