• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia12/05/2022

DNA antigo dá pistas sobre povos indígenas ‘perdidos’ do Uruguai

Escultura homenageia o povo indígena do Uruguai na capital de Montevidéu. Evidências arqueológicas para assentamento humano da área remontam a 10 mil anos. Crédito: Maximasu/Wikimedia Commons

12/05/22 - 09h16min

As primeiras sequências completas do genoma do antigo povo do Uruguai fornecem um instantâneo genético das populações indígenas da região antes de serem dizimadas por uma série de campanhas militares europeias. Liderada por antropólogos da Universidade Emory (EUA) e da Universidade da República, de Montevidéu (Uruguai), a pesquisa foi publicada na revista PNAS Nexus.

“Nosso trabalho mostra que os povos indígenas do antigo Uruguai exibem uma ancestralidade que não foi detectada anteriormente na América do Sul”, disse John Lindo, coautor correspondente e professor assistente de antropologia da Universidade Emory especializado em DNA antigo. “Isso contribui para a ideia de que a América do Sul é um lugar onde existia diversidade multirregional, em vez da ideia monolítica de uma única raça nativa americana nas Américas do Norte e do Sul.”

As análises foram extraídas de uma amostra de DNA de um homem com 800 anos e outra de uma mulher com 1.500 anos, ambas bem antes da chegada de Cristóvão Colombo às Américas em 1492. As amostras foram coletadas de um sítio arqueológico no leste do Uruguai pelo coautor Gonzalo Figueiro, antropólogo biológico da Universidade da República.

Conexão surpreendente

Os resultados das análises mostraram uma conexão surpreendente com indivíduos antigos do Panamá – a ponte de terra que liga a América do Norte e do Sul – e com o leste do Brasil, mas não com os amazônicos modernos. Esses achados apoiam a teoria proposta por alguns arqueólogos de migrações separadas para a América do Sul, incluindo uma que levou às populações amazônicas e outra que levou às populações ao longo da costa leste.

“Já fornecemos evidências genéticas de que essa teoria pode estar correta”, afirmou Lindo. “Isso vai contra a teoria de uma única migração que se dividiu no sopé dos Andes.”

As evidências arqueológicas do assentamento humano da área hoje conhecida como Uruguai remontam a mais de 10 mil anos. Os colonizadores europeus fizeram contato inicial com os povos indígenas da região no início de 1500.

Durante o século 19, os colonizadores lançaram uma série de campanhas militares para exterminar os povos nativos, culminando no que é conhecido como o massacre do riacho Salsipuedes, em 1831, que teve como alvo um grupo étnico chamado charrua (que também habitava o sul do atual Rio Grande do Sul e o nordeste da Argentina). Naquela época, escrevem os autores, o termo charrua estava sendo aplicado amplamente aos remanescentes de vários grupos de caçadores-coletores no território do Uruguai.

Ligação genética

“Através dessas primeiras sequências genômicas inteiras dos povos indígenas da região antes da chegada dos europeus, conseguimos reconstruir pelo menos uma pequena parte de sua pré-história genética”, disse Lindo.

O trabalho abre as portas para os uruguaios modernos que buscam potencialmente se ligar geneticamente a populações que existiam na região antes da chegada dos colonizadores europeus. “Gostaríamos de coletar mais amostras de DNA de antigos sítios arqueológicos de todo o Uruguai, o que permitiria às pessoas que vivem no país hoje explorar uma possível conexão genética”, observou Lindo.

O laboratório de DNA antigo de Lindo é especializado em mapear linhagens humanas pouco exploradas das Américas. A maioria dos laboratórios de DNA antigo está localizada na Europa, onde o clima mais frio tem espécimes mais bem preservados.

Menos foco foi colocado no sequenciamento de DNA antigo da América do Sul. Uma razão é que climas mais quentes e úmidos em grande parte do continente tornaram mais difícil coletar espécimes de DNA antigos utilizáveis, embora os avanços na tecnologia de sequenciamento estejam ajudando a remover algumas dessas limitações.

Pesquisa mais complexa

“Se você é descendente de europeus, pode ter seu DNA sequenciado e usar essa informação para identificar onde seus ancestrais são de até aldeias específicas”, afirmou Lindo. “Se você descende de povos indígenas das Américas, pode aprender que parte do seu genoma é nativo americano, mas é improvável que você possa traçar uma linhagem direta porque não há referências de DNA antigo suficientes disponíveis.”

Para complicar ainda mais o quadro, ele acrescentou, está a enorme perturbação causada pela chegada dos europeus, uma vez que muitas civilizações foram destruídas e populações inteiras foram mortas.

Ao colaborar de perto com comunidades indígenas e arqueólogos locais, Lindo espera usar técnicas avançadas de sequenciamento de DNA para construir um portal online gratuito com um número crescente de referências de DNA antigo das Américas, a fim de ajudar as pessoas a explorar e entender melhor sua ancestralidade.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Amazônia