DNA antigo reconta a história dos primeiros habitantes do Caribe

Usando técnicas inovadoras, pesquisadores descobriram, entre outras coisas, que a população das ilhas era bem menor do que se pensava até hoje

Alguns arqueólogos apontaram mudanças dramáticas nos estilos de cerâmica do Caribe como evidência de novas migrações. Mas a genética mostrou que todos os estilos foram criados por um grupo de pessoas ao longo do tempo. Esses vasos com efígies pertencem ao tipo de cerâmica saladoide (Caribe oriental), ornamentados e difíceis de modelar. Crédito: Corinne Hofman e Menno Hoogland

A história dos primeiros ilhéus do Caribe ganha um foco mais nítido em um novo estudo da revista “Nature” que combina décadas de trabalho arqueológico com avanços em tecnologia genética.

Uma equipe internacional liderada por David Reich, professor de genética do Instituto Blavatnik na Escola de Medicina de Harvard (EUA) e professor de biologia evolutiva humana nessa universidade, analisou os genomas de 263 indivíduos, no maior estudo de DNA humano antigo nas Américas feito até hoje. A genética traça duas grandes ondas migratórias no Caribe por dois grupos distintos, separados por milhares de anos. Ela revelou um arquipélago colonizado por pessoas altamente móveis, com parentes distantes geralmente vivendo em ilhas diferentes.

O laboratório de Reich também desenvolveu uma nova técnica genética para estimar o tamanho da população anterior. Ela mostrou que o número de pessoas que viviam no Caribe quando os europeus chegaram era muito menor do que se pensava. Provavelmente o número estava na casa de dezenas de milhares, em vez do um milhão ou mais relatado por Colombo e seus sucessores.

Ferramenta poderosa

Para o arqueólogo William Keegan, curador do Museu de História Natural da Flórida (EUA) e coautor sênior do estudo, cujo trabalho no Caribe se estende por mais de 40 anos, o DNA antigo oferece uma nova ferramenta poderosa para ajudar a resolver discussões antigas, confirmar hipóteses e destacar os mistérios restantes.

Isso “move nossa compreensão do Caribe para a frente dramaticamente de uma só vez”, disse Keegan. “Os métodos desenvolvidos pela equipe de David ajudaram a responder a questões que eu nem sabia que poderíamos responder.”

Os arqueólogos costumam confiar nos restos da vida doméstica – cerâmica, ferramentas, ossos e restos de conchas – para juntar as peças do passado. Agora, os avanços tecnológicos no estudo do DNA antigo estão lançando uma nova luz sobre o movimento de animais e humanos, especialmente no Caribe, onde cada ilha pode ser um microcosmo único de vida.

Embora o calor e a umidade dos trópicos possam decompor rapidamente a matéria orgânica, o corpo humano contém uma caixa-chave de material genético: uma parte pequena e extraordinariamente densa do osso que protege o ouvido interno. Usando principalmente essa estrutura, os pesquisadores extraíram e analisaram o DNA de 174 pessoas que viveram no Caribe e na Venezuela entre 400 e 3.100 anos atrás, combinando os dados com 89 indivíduos previamente sequenciados.

Origem ainda incerta

A equipe, que inclui acadêmicos do Caribe, recebeu permissão para realizar a análise genética de governos locais e instituições culturais que atuaram como zeladoras dos restos mortais. Os autores também envolveram representantes de comunidades indígenas do Caribe em uma discussão sobre suas descobertas.

A evidência genética oferece novos conhecimentos sobre o povoamento do Caribe. Os primeiros habitantes das ilhas, um grupo de usuários de ferramentas de pedra, viajaram de barco para Cuba há cerca de 6 mil anos, expandindo-se gradualmente no sentido leste para outras ilhas durante a Idade Arcaica da região. De onde eles vieram ainda não está claro – embora sejam mais parentes dos centro-americanos e sul-americanos do que dos norte-americanos, sua genética não corresponde a nenhum grupo indígena em particular. No entanto, artefatos semelhantes encontrados em Belize e Cuba podem sugerir uma origem centro-americana, disse Keegan.

Segundo caminho

Cerca de 2.500 a 3.000 anos atrás, agricultores e oleiros aparentados com os falantes da língua aruaque do nordeste da América do Sul estabeleceram um segundo caminho para o Caribe. Usando as vias fluviais da bacia do rio Orinoco, na América do Sul, como rodovias, eles viajaram do interior para a costa da Venezuela e avançaram para o norte, no Mar do Caribe, colonizando Porto Rico e, finalmente, movendo-se para oeste. Sua chegada determinou o início da Idade da Cerâmica na região, marcada pela agricultura e pela ampla produção e uso da cerâmica.

Com o tempo, quase todos os traços genéticos de pessoas da Idade Arcaica desapareceram, exceto por uma comunidade resistente no oeste de Cuba que persistiu até a chegada dos europeus. O casamento entre os dois grupos era raro, com apenas três indivíduos no estudo mostrando ascendência mista.

Navio feito entre 1200-1500 d.C. na atual República Dominicana que mostra uma figura de sapo, associada à deusa da fertilidade na cultura taino. Crédito: Kristen Grace/Florida Museum
Evidências marginais

Muitos cubanos, dominicanos e porto-riquenhos de hoje são descendentes de pessoas da Idade da Cerâmica, bem como de imigrantes europeus e africanos escravizados. Mas os pesquisadores observaram apenas evidências marginais da ancestralidade da Idade Arcaica em indivíduos modernos.

“Isso é um grande mistério”, disse Keegan. “Para Cuba, é especialmente curioso que não vejamos mais ancestrais arcaicos.”

Durante a Idade da Cerâmica, a cerâmica caribenha passou por pelo menos cinco mudanças marcantes de estilo ao longo de 2 mil anos. A cerâmica vermelha ornamentada decorada com desenhos pintados de branco deu lugar a vasos simples de cor amarelada, enquanto outros vasos exibiam pequenos pontos e incisões ou tinham rostos de animais esculpidos que provavelmente funcionavam como alças. Alguns arqueólogos apontaram essas transições como evidência de novas migrações para as ilhas. Mas o DNA conta uma história diferente, sugerindo que todos os estilos foram desenvolvidos por descendentes das pessoas que chegaram ao Caribe há 2.500-3.000 anos, embora possam ter interagido e se inspirado em pessoas de fora.

“Essa era uma pergunta que poderíamos não saber se não tivéssemos um especialista em arqueologia em nossa equipe”, disse a coautora Kendra Sirak, pós-doutoranda no laboratório de Reich. “Documentamos essa notável continuidade genética através das mudanças no estilo da cerâmica. Falamos sobre ‘potes versus pessoas’ e, até onde sabemos, são apenas potes.”

Primos genéticos

Destacando a interconectividade da região, um estudo de cromossomos X masculinos revelou 19 pares de “primos genéticos” que vivem em ilhas diferentes. Trata-se de pessoas que compartilham a mesma quantidade de DNA que primos biológicos, mas podem estar separadas por gerações. No exemplo mais notável, um homem foi enterrado nas Bahamas enquanto seu parente foi sepultado a cerca de 950 quilômetros de distância, na República Dominicana.

“Mostrar relacionamentos em diferentes ilhas é realmente um passo incrível”, disse Keegan. Ele acrescentou que a mudança dos ventos e das correntes pode dificultar a passagem entre as ilhas. “Fiquei realmente surpreso ao ver esses pares de primos entre as ilhas.”

Descobrir uma proporção tão alta de primos genéticos em uma amostra de menos de 100 homens é outro indicador de que o tamanho total da população da região era pequeno, disse Reich.

“Quando você coleta uma amostra de dois indivíduos modernos, não costuma descobrir que eles são parentes próximos”, disse ele. “Aqui, estamos encontrando parentes em todo lugar.”

Atrocidade

Uma técnica desenvolvida pelo coautor do estudo Harald Ringbauer, pós-doutorando no laboratório de Reich, usou segmentos compartilhados de DNA para estimar o tamanho da população anterior, um método que também poderia ser aplicado a futuros estudos de povos antigos. A técnica de Ringbauer mostrou que cerca de 10 mil a 50 mil pessoas viviam em duas das maiores ilhas do Caribe, Hispaniola e Porto Rico, pouco antes da chegada dos europeus. Isso fica muito aquém do milhão de habitantes que Colombo descreveu aos seus patronos, provavelmente para impressioná-los, disse Keegan.

O historiador Bartolomé de las Casas, do século 16, afirmou que a região abrigava 3 milhões de pessoas antes de ser dizimada pela escravidão e doenças europeias. Embora isso também seja um exagero, o número de pessoas que morreram como resultado da colonização continua a ser uma atrocidade, disse Reich.

“Esse foi um programa sistemático de apagamento cultural. O fato de o número não ser de 1 milhão ou milhões de pessoas, mas sim de dezenas de milhares, não torna esse apagamento menos significativo”, disse ele.

Para Keegan, a colaboração com os geneticistas deu-lhe a capacidade de provar algumas hipóteses que defendeu durante anos – enquanto derrubava outras.

“Neste ponto, não me importo se estou certo ou errado”, disse ele. “É muito emocionante ter uma base mais firme para reavaliar como olhamos para o passado no Caribe. Um dos resultados mais significativos deste estudo é que ele demonstra a importância da cultura na compreensão das sociedades humanas. Os genes podem ser distintos, ter unidades mensuráveis, mas o genoma humano é criado culturalmente.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança