DNA de ancestral misterioso foi passado para seres humanos

Análise de genomas detectou a miscigenação de nossa espécie com um parente desconhecido e mais distante

Da esquerda para a direita, as estruturas de DNA A, B e Z. Crédito: Wikipedia

Uma nova análise de genomas antigos sugere que diferentes ramos da árvore genealógica humana cruzaram várias vezes e que alguns humanos carregam DNA de um ancestral arcaico e desconhecido. Melissa Hubisz e Amy Williams, da Universidade Cornell, e Adam Siepel, do Cold Spring Harbor Laboratory (todos dos EUA), relataram essas descobertas em um estudo publicado na revista “PLOS Genetics”.

Cerca de 50 mil anos atrás, um grupo de humanos migrou da África e cruzou com os neandertais na Eurásia. Mas essa não foi a única vez que nossos ancestrais humanos antigos e seus parentes trocaram DNA. O sequenciamento de genomas de neandertais e um grupo antigo menos conhecido, os denisovanos, produziu muitas novas ideias sobre esses eventos de cruzamento e sobre o movimento de populações humanas antigas.

No novo artigo, os pesquisadores desenvolveram um algoritmo para analisar genomas que podem identificar segmentos de DNA provenientes de outras espécies, mesmo que o fluxo gênico tenha ocorrido milhares de anos atrás e vindo de uma fonte desconhecida. Eles usaram o algoritmo para analisar genomas de dois neandertais, um denisovano e dois humanos africanos.

LEIA TAMBÉM: Melanésios têm mais DNA neandertal e denisovano do que se sabia

Troca provável

Os pesquisadores descobriram evidências de que 3% do genoma neandertal veio de seres humanos antigos e estimam que esse cruzamento tenha ocorrido entre 200 mil e 300 mil anos atrás. Além disso, 1% do genoma denisovano provavelmente veio de um parente desconhecido e mais distante, possivelmente Homo erectus, e cerca de 15% dessas regiões “superarcaicas” podem ter sido passadas para os seres humanos modernos.

As novas descobertas confirmam casos relatados anteriormente de fluxo gênico entre humanos antigos e seus parentes e também apontam para novos casos de cruzamento. Dado o número desses eventos, os pesquisadores dizem que a troca genética era provável sempre que dois grupos se sobrepunham no tempo e no espaço. Seu novo algoritmo resolve o problema desafiador de identificar pequenos remanescentes do fluxo gênico que ocorreram centenas de milhares de anos atrás, quando apenas um punhado de genomas antigos estava disponível. Esse algoritmo também pode ser útil para estudar o fluxo gênico em outras espécies onde ocorreram cruzamentos, como lobos e cães.

“O que acho empolgante neste trabalho é que ele demonstra o que você pode aprender sobre a história humana profunda reconstruindo em conjunto a história evolutiva completa de uma coleção de sequências de humanos modernos e hominídeos arcaicos”, disse o autor Adam Siepel, do Cold Spring Harbor Laboratory. “Esse novo algoritmo desenvolvido por Melissa, o ARGweaver-D, é capaz de voltar mais no tempo do que qualquer outro método computacional que eu já vi. Parece ser especialmente poderoso para detectar introgressões antigas.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança