DNA de mulher fornece 1ª evidência de misteriosa cultura perdida

Jovem que morreu há cerca de 7.200 anos pertencia a um povo com uma composição ancestral até então desconhecida que viveu na atual Indonésia

Pontas de flecha de pedra (pontas de Maros) e outros instrumentos de pedra lascada da cultura toaleana do sul de Sulawesi. Crédito: Shahna Britton/Andrew Thomson

Em 2015, arqueólogos da Universidade Hasanuddin, em Makassar, na ilha indonésia de Sulawesi, descobriram o esqueleto de uma mulher enterrada em uma caverna de calcário. Estudos revelaram que a pessoa de Leang Panninge, ou “Bat Caverna”, tinha 17 ou 18 anos quando morreu, há cerca de 7.200 anos.

Seus descobridores a apelidaram de Bessé’ – um apelido dado a princesas recém-nascidas entre o povo bugis que agora vive no sul de Sulawesi. O nome denota a grande estima que os arqueólogos locais têm por essa mulher ancestral.

Ela representa o único esqueleto conhecido de um dos povos toaleanos. Esses enigmáticos caçadores-coletores habitavam a ilha antes que os fazendeiros neolíticos da Ásia continental (“austronésios”) se espalhassem pela Indonésia, há cerca de 3.500 anos.

Sepultura de uma mulher caçadora-coletora toaleana datada de 7.200 anos atrás. Bessé’ tinha 17-18 anos quando morreu. Ela foi enterrada em uma posição flexionada e várias pedras grandes foram colocadas em torno de seu corpo. Embora o esqueleto esteja fragmentado, o DNA antigo foi encontrado preservado no osso denso do ouvido interno (petroso). Crédito: Universidade Hasanuddin
Ponto de encontro

Nossa equipe encontrou DNA antigo que sobreviveu dentro do osso do ouvido interno de Bessé’, fornecendo-nos a primeira evidência genética direta dos toaleanos. Esta é também a primeira vez que DNA humano antigo foi relatado em Wallacea, o vasto grupo de ilhas entre Bornéu e Nova Guiné, das quais Sulawesi é a maior.

A análise genômica mostra que Bessé’ pertencia a uma população com uma composição ancestral até então desconhecida. Ela compartilha cerca de metade de sua composição genética com os atuais indígenas australianos e com as pessoas da Nova Guiné e do Pacífico Ocidental. Isso inclui o DNA herdado dos agora extintos denisovanos, que eram primos distantes dos neandertais.

Na verdade, em relação a outros grupos antigos e atuais na região, a proporção de DNA denisovano em Bessé’ poderia indicar que o principal ponto de encontro entre nossa espécie e os denisovanos era em Sulawesi (ou talvez em uma ilha de Wallacea próxima).

A ancestralidade dessa mulher pré-neolítica fornece uma visão fascinante da história populacional pouco conhecida e da diversidade genética dos primeiros humanos modernos nas ilhas wallaceanas – a porta de entrada para o continente da Austrália.

Sulawesi é a maior ilha de Wallacea, a zona de ilhas oceânicas entre as regiões continentais da Ásia e da Austrália. As áreas sombreadas em branco representam as massas de terra expostas durante os períodos de baixo nível do mar no Pleistoceno Superior. A Linha Wallace é uma importante fronteira biogeográfica que marca a extensão oriental dos distintos mundos vegetal e animal da Ásia. O sítio da caverna toaleana Leang Panninge (onde Bessé’ foi encontrada) está localizado na península sudoeste de Sulawesi (ver destaque à direita, alto). Sítios arqueológicos de toaleanos só foram encontrados em uma área de aproximadamente 10.000 km² dessa península, ao sul do Lago Tempe. Crédito: Kim Newman
Cultura toaleana

A história arqueológica dos toaleanos começou há mais de um século. Em 1902, os naturalistas suíços Paul e Fritz Sarasin escavaram várias cavernas nas terras altas do sul de Sulawesi.

Suas escavações revelaram pequenas pontas de flechas de pedra finamente trabalhadas, conhecidas como pontas de Maros. Eles também encontraram outros instrumentos e ferramentas de pedra distintos feitos de osso, que eles atribuíram aos habitantes originais de Sulawesi – o povo pré-histórico “toalieno” (agora chamado de toaleano).

Desde então, alguns sítios de cavernas de toaleanos foram escavados de acordo com um padrão científico mais elevado, mas nossa compreensão dessa cultura ainda está em um estágio inicial. As pontas de Maros mais antigas conhecidas e outros artefatos toaleanos datam de cerca de 8 mil anos atrás.

Ponta de flecha de pedra toaleana, conhecida como ponta de Maros. As pontas clássicas de Maros são pequenas (cerca de 2,5 cm na dimensão máxima) e foram modeladas com fileiras de serrilhas parecidas com dentes finos ao longo dos lados e ponta, e projeções em forma de asas na base. Embora essa tecnologia de pedra em particular pareça ter sido exclusiva da cultura toaleana, pontas de projétil semelhantes foram produzidas no norte da Austrália, em Java e no Japão. Crédito: Shahna Britton/Andrew Thomson
Esforços impedidos

Achados desenterrados em cavernas sugerem que os toaleanos eram caçadores-coletores que se alimentavam fortemente de javalis-das-visayas (Sus cebifrons) endêmicos selvagens e colhiam mariscos comestíveis de riachos e estuários. Até agora, evidências do grupo foram encontradas apenas em uma parte do sul de Sulawesi.

Artefatos toaleanos desaparecem do registro arqueológico por volta do século 5 d.C. – alguns milhares de anos após o surgimento dos primeiros assentamentos neolíticos na ilha.

Os pré-historiadores há muito procuram determinar quem são os toaleanos, mas os esforços têm sido impedidos pela falta de restos humanos com datação segura. Tudo isso mudou com a descoberta de Bessé’ e o antigo DNA em seus ossos.

Pontas de flecha de pedra toaleanas (pontas de Maros), micrólitos de apoio (pequenos instrumentos de pedra que podem ter sido dobrados como farpas) e pontas de projétil de osso. Esses artefatos são de coleções indonésias com curadoria de Makassar e, em sua maioria, incluem espécimes não datados coletados da superfície do solo em sítios arqueológicos. Crédito: Basran Burhan
A história ancestral de Bessé’

Nossos resultados significam que agora podemos confirmar as suposições existentes de que os toaleanos eram parentes dos primeiros humanos modernos a entrar na Wallacea há cerca de 65 mil anos ou mais. Esses caçadores-coletores marinheiros eram os ancestrais dos aborígenes australianos e papuas.

Eles também foram os primeiros habitantes de Sahul, o supercontinente que surgiu durante o Pleistoceno (idade do gelo), quando o nível do mar global caiu, expondo uma ponte de terra entre a Austrália e a Nova Guiné. Para chegar a Sahul, esses humanos pioneiros fizeram travessias oceânicas através de Wallacea, mas pouco se sabe sobre suas viagens.

É concebível que os ancestrais de Bessé’ estivessem entre os primeiros povos a chegar a Wallacea. Em vez de saltar por ilhas para Sahul, no entanto, eles permaneceram em Sulawesi.

Mas nossas análises também revelaram uma assinatura ancestral profunda de uma primitiva população humana moderna que se originou em algum lugar da Ásia continental. Esses ancestrais de Bessé’ não se misturaram com os antepassados ​​dos aborígenes australianos e papuas, sugerindo que eles podem ter entrado na região após o povoamento inicial de Sahul – mas muito antes da expansão austronésica.

Quem eram essas pessoas? Quando chegaram à região e qual foi a sua difusão? É improvável que tenhamos respostas para essas perguntas até que tenhamos mais amostras de DNA humano antigo e fósseis pré-neolíticos de Wallacea. Esta descoberta inesperada nos mostra o quão pouco sabemos sobre a história humana primitiva em nossa região.

Escavações na caverna Leang Panninge, Mallawa, sul de Sulawesi. Crédito: Equipe de Pesquisa Leang Panninge
Um novo olhar sobre os toaleanos

Com fundos concedidos pelo programa Discovery do Australian Research Council (ARC), estamos iniciando um novo projeto que irá explorar o mundo toaleano em mais detalhes. Por meio de escavações arqueológicas em Leang Panninge, esperamos aprender mais sobre o desenvolvimento dessa cultura única de caçadores-coletores.

Também desejamos abordar questões de longa data sobre a organização social e os modos de vida toaleanos. Por exemplo, alguns estudiosos inferiram que a população toaleana aumentou tanto que esses grupos até então pequenos e dispersos de coletores-coletores começaram a se estabelecer em grandes comunidades sedentárias e possivelmente até com javalis domesticados.

Também se especulou recentemente que os toaleanos eram os misteriosos marinheiros asiáticos que visitaram a Austrália nos tempos antigos, apresentando o dingo (ou mais precisamente, o ancestral domesticado desse canídeo agora selvagem). Claramente, há muito a descobrir sobre a longa história da ilha de Bessé’ e seus parentes.

* Adam Brumm, Adhi Oktaviana e Basran Burhan são, respectivamente, professor, doutorando e doutorando na Universidade Griffith (Austrália); Akin Duli é professor na Universidade Hasanuddin (Indonésia); Cosimo Posth é professor na Universidade de Tübingen (Alemanha); Selina Carlhoff é doutoranda no Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (Alemanha).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago