DNA revela migrações em grande escala na Grã-Bretanha na Idade do Bronze

Descoberta indica que a estrutura genética da população mudou por meio de contatos sustentados entre a Grã-Bretanha e a Europa continental ao longo de vários séculos

Uma das ossadas encontradas na Fazenda de Cliffs End: alguns dos moradores haviam passado sua infância no continente europeu. Crédito: Wessex Archaeology

Um novo e importante estudo de DNA antigo rastreou o movimento de pessoas no sul da Grã-Bretanha durante a Idade do Bronze. Na maior dessas análises publicada até hoje, os cientistas examinaram o DNA de cerca de 800 indivíduos antigos. O novo trabalho foi apresentado em artigo na revista Nature.

Liderado pela Universidade de York (Reino Unido), pela Faculdade de Medicina da Universidade Harvard (EUA) e pela Universidade de Viena (Áustria), o estudo mostra que as pessoas que se mudaram para o sul da Grã-Bretanha por volta de 1300-800 a.C. foram responsáveis ​​por cerca de metade da ancestralidade genética de populações subsequentes.

O DNA combinado e as evidências arqueológicas sugerem que, em vez de uma invasão violenta ou um único evento migratório, a estrutura genética da população mudou por meio de contatos sustentados entre a Grã-Bretanha e a Europa continental ao longo de vários séculos, como o movimento de comerciantes, casamentos mistos e pequenos movimentos de escala de grupos familiares.

O estudo encontrou evidências de que os novos migrantes se misturaram totalmente à população do sul da Grã-Bretanha no período de 1000 a 875 a.C.

Redes

Segundo os pesquisadores, a origem desses migrantes ainda não pode ser estabelecida com certeza, mas é mais provável que eles tenham vindo de comunidades na França e nos arredores.

O período entre a Idade do Bronze e o final da Idade Média foi uma época em que comunidades agrícolas estabelecidas se expandiram pelas paisagens do sul da Grã-Bretanha, e extensas rotas comerciais foram desenvolvidas para permitir o movimento de minérios de metal para a produção de bronze.

Essas novas redes conectaram vastas regiões em toda a Europa, como pode ser visto a partir da difusão de objetos de bronze e matérias-primas.

Contatos

O principal arqueólogo do estudo, o professor Ian Armit, da Universidade de York, disse: “Há muito tempo suspeitamos, com base em padrões de comércio e ideologias compartilhadas, que o período entre o centro e o fim da Idade do Bronze foi uma época de contatos intensos entre as comunidades na Grã-Bretanha e na Europa. (…) Embora possamos ter pensado que a mobilidade de longa distância era restrita a alguns indivíduos, como comerciantes ou pequenos grupos de guerreiros, essa nova evidência de DNA mostra que um número considerável de pessoas estava se movendo, em todo o espectro da sociedade”.

Alguns dos primeiros testemunhos genéticos foram encontrados na região inglesa de Kent, sugerindo que o sudeste da ilha pode ter sido um foco de movimento para a Grã-Bretanha. Isso ressoa com evidências de isótopos publicadas anteriormente em sítios arqueológicos como a Fazenda de Cliffs End, onde alguns indivíduos passaram a infância no continente.

Línguas celtas

A nova evidência de DNA também pode lançar luz sobre a questão de longa data de quando as primeiras línguas celtas chegaram à Grã-Bretanha.

Uma vez que o movimento populacional muitas vezes leva a mudanças linguísticas, a nova evidência de DNA fortalece significativamente o caso do aparecimento de línguas celtas na Grã-Bretanha na Idade do Bronze. Por outro lado, o estudo mostra poucas evidências de movimentos em grande escala de pessoas para a Grã-Bretanha durante a subsequente Idade do Ferro, anteriormente considerada como o período durante o qual as línguas celtas podem ter se espalhado.

O professor David Reich, da Faculdade de Medicina de Harvard, disse: “Essas descobertas não resolvem a questão da origem das línguas celtas na Grã-Bretanha. No entanto, qualquer estudioso razoável precisa ajustar suas melhores suposições sobre o que ocorreu com base nessas descobertas. (…) Nossos resultados militam contra uma propagação na Idade do Ferro das línguas celtas na Grã-Bretanha – a popular hipótese do ‘Céltico do Oriente’ – e aumentam a probabilidade de uma chegada da França no final da Idade do Bronze, um cenário raramente discutido chamado ‘Céltico do Centro’”.

Persistência de lactase

Outra descoberta inesperada do estudo é um grande aumento na frequência do alelo para a persistência da lactase (uma adaptação genética que permitiu às pessoas digerir produtos lácteos) em populações da Idade do Bronze na Grã-Bretanha em relação ao continente.

Coautor sênior do estudo, o professor Ron Pinhasi, antropólogo físico e especialista em DNA antigo da Universidade de Viena, afirmou: “Este estudo aumenta em 12 vezes a quantidade de dados de DNA antigo que temos do final da Idade do Bronze e da Idade do Ferro na Grã-Bretanha, e em 3,5 vezes a quantidade em relação à Europa Ocidental e Central. Com essa enorme quantidade de dados, podemos pela primeira vez realizar estudos de adaptação com resolução suficiente no tempo e no espaço para nos permitir discernir que a seleção natural ocorreu de maneiras diversas em diferentes partes da Europa”.

Pinhasi prosseguiu: “Nossos resultados mostram que os produtos lácteos devem ter sido usados ​​de maneiras qualitativamente diferentes de uma perspectiva econômica ou cultural na Grã-Bretanha do que eram no continente europeu na Idade do Ferro, já que esta era uma época em que a persistência da lactase estava aumentando rapidamente em frequência na Grã-Bretanha, mas não no continente”.

Embora a nova evidência de DNA lance mais luz sobre a Grã-Bretanha, os dados também indicam movimentos populacionais entre diferentes partes da Europa continental, confirmando o que os arqueólogos há muito suspeitavam – que o final da Idade do Bronze foi um período de contatos intensos e sustentados entre muitas comunidades diversas.

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago