Do deserto ao verde: cientistas querem transformar Sinai em oásis

Ideia é aplicar à península egípcia a mesma técnica usada para a recuperação vegetal de planalto no norte da China

Paisagem típica do Sinai: plano é transformar a península egípcia em uma região verdejante. Crédito: Florian Prischl/Wikimedia Commons

O lendário deserto do Sinai pode voltar a ser um espaço verde, tomado pela vegetação e por cursos d’água. Essa é a aposta de um grupo de engenheiros e cientistas que querem replicar na península egípcia uma técnica similar àquela utilizada para a recuperação vegetal do planalto de Loess, no norte da China.

No final dos anos 1990, a região passou por um processo massivo de transformação do solo. Houve plantio de árvores no topo das colinas, terraplanagem nas encostas íngremes e a adição de matéria orgânica ao solo. Em 20 anos, uma das regiões mais áridas da China virou um vale verde de terras agrícolas e produtivas.

O “Guardian” contou como esses especialistas querem fazer o mesmo no Sinai. Desde 2016, o grupo está trabalhando na restauração de um lago na região, projeto que deu origem à iniciativa mais ambiciosa. Para eles, a restauração massiva do Sinai pode desfazer a degradação causada por milênios de atividade humana, além de contribuir para a captura e o armazenamento natural de carbono em áreas hoje desérticas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança